Arquivo do autor:Fundação Dorina Nowill

Descrição de imagem: Angelita apresenta um livro em braile à quatro participantes da oficina, que estão em pé em uma roda. No chão, há uma toalha preta com diversos livros dispostos e o calendário acessível 2018 da Fundação Dorina.

OFICINA DE LEITURA INCLUSIVA CHEGA A SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

No dia 22 de março, foi a vez da cidade de São José dos Campos receber a oficina “A leitura inclusiva e o livro digital Daisy”. Alunos, educadores, terapeutas ocupacionais e psicólogos de órgãos e escolas municipais participaram do evento na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo, que contou, no período da manhã,  com uma sensibilização sobre os desafios de acesso de pessoas com deficiência visual a livros acessíveis e, no período da tarde, com uma apresentação sobre o formato de leitura digital Daisy.

Para a professora e representante da Biblioteca Cassiano Ricardo, Flavia Mara, participar da oficina permitiu a ela refletir sobre questões pertinentes à acessibilidade e sobre o seu papel como educadora. “Acredito que a oficina é de grande relevância, considerando a importância de momentos e espaços de reflexão acerca de temas tão atuais e necessários, como a leitura inclusiva e as novas tecnologias que permitem o acesso de pessoas com deficiência visual ao conhecimento com autonomia”, opina Flavia.

Já segundo Luís Gonzaga, que chegou a atuar como professor de leitura e escrita pelo Sistema Braille na Biblioteca Cassiano Ricardo e participou da oficina como cursista, o evento ajuda a difundir a leitura inclusiva. Sendo uma pessoa com deficiência visual total, ele relembra a aquisição da Fundação Dorina de uma das primeiras Imprensas Braille no país, em 1948, pela presidente emérita e vitalícia da organização. “Tive o prazer de conhecer dona Dorina pessoalmente e, interagindo com essa ferramenta de leitura digital, sinto que os avanços estão à altura do seu legado”, declara Gonzaga.

Descrição de imagem: Diversas pessoas estão sentadas em roda. No centro, há uma toalha preta estendida no chão com diversos livros dispostos.

Leitura Digital Acessível

As oficinas ministradas pela equipe da Rede de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos são parte do projeto Leitura Digital Acessível, que contou em São José dos Campos com a parceria da Biblioteca Pública Cassiano Ricardo.

O projeto prevê ainda a distribuição de kits de leitura com 12 livros acessíveis, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira.

Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

Descrição de imagem: Cerca de trinta pessoas sentadas em roda em uma sala ampla. À frente uma mesa com kits de audiolivros do projeto Leitura Digital Acessível.

Santos recebe oficina de leitura inclusiva

Santos foi a primeira cidade do estado de São Paulo – das 10 selecionadas – a receber a oficina “A leitura inclusiva e o livro digital Daisy”. O evento ocorreu no último dia 14 de março de 2018, no Centro de Atividades Integradas (Cais) Milton Teixeira (Vila Mathias). Promovido pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, o projeto Leitura Digital Acessível contou com o apoio da Coordenadoria de Defesa das Políticas para Pessoas com Deficiência da Prefeitura Municipal de Santos.

Alunos, educadores, terapeutas ocupacionais e psicólogos de órgãos e escolas municipais aprenderam mais sobre os recursos do formato de leitura digital Daisy, que contempla, além do texto escrito, gravação em voz humana e audiodescrição (tradução de imagens em palavras), entre outros recursos, como opções de contraste, ampliação da tela, anotações no texto e busca de palavras específicas.

Descrição de imagem: Foto de 29 pessoas em uma sala. Algumas seguram kits de audiolivro do projeto, outros estão com bengalas e uma moça está sentada em uma cadeira de rodas. Ao fundo um slide com fundo branco escrito em letras pretas "Projeto Leitura Digital Acessível" no centro.

Para o coordenador de Políticas para a Pessoa com Deficiência de Santos, Daniel de Morais Monteiro, a oficina representou um ponto de partida para a valorização das políticas de acessibilidade comunicacional às pessoas com deficiência na cidade de Santos. “Esta oficina e a Rede de Leitura Inclusiva pavimentam o caminho para fortalecer a educação, a cultura e o acesso de cidadãos com dificuldades de leitura ao conhecimento e a melhor qualidade de vida a partir da instrução adquirida”, declara Monteiro.

Além das oficinas, as 10 cidades selecionadas pelo projeto receberão mil kits de leitura. Cada kit possui 12 livros, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira.

Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

Descrição de imagem: Foto das integrantes do grupo Encantados ao lado dos parceiros da Rede de Leitura Inclusiva. Todos estão em pé e sorrindo. Em frente ao grupo há uma mulher segurando um estandarte vermelho com a inscrição "Boi Encantado" com retalhos de pano coloridos.

TUBARÃO RECEBE SEMINÁRIO SOBRE CULTURA E ACESSIBILIDADE

O grupo Encantados Contadores de Histórias, juntamente com o Colegiado de Gestores de Cultura e Turismo da AMUREL – Associação de Municípios da Região de Laguna – e com a Rede Leitura Inclusiva realizou, na sede da AMUREL, na tarde do dia 22/03/2018, o Seminário Cultura e Acessibilidade. Além de propiciar um debate sobre os requisitos de acessibilidade em produtos e ações culturais inclusivas para pessoas com deficiência visual, o evento também apresentou exemplos de instituições que fazem parte da Rede de Leitura Inclusiva em âmbito regional e nacional e promoveu o lançamento do CD do espetáculo teatral Boi Encantado – Uma história cantada, com audiodescrição. O lançamento do CD abriu o seminário, com entrada do cortejo do espetáculo, audiodescrição ao vivo e exibição do making of.

Descrição da imagem: Foto de uma plateia assistindo a apresentação de três mulheres do grupo Encantados. A foto foi tirada de trás da plateia. No palco há uma apresentação do PowerPoint com a ilustração de um boi colorido e a frase em preto "Seminário Cultura e Acessibilidade".

Participaram da mesa de palestras a bibliotecária, educadora e Coordenadora Institucional do Programa de Promoção de Acessibilidade (PPA) da Unisul, Salete Cecília de Souza, que falou sobre ações voltadas para a inclusão de pessoas com deficiência visual e Gláucia Maindra, da Biblioteca Pública Municipal Cônego Itamar Luiz da Costa – Imbituba, SC, que abordou os desafios da acessibilidade cultural.

Gecioni Maria Miranda da Rosa e Neusa Mendes (Associação Tubaronense de Integração do Deficiente Visual – ATIDEV) falaram sobre reabilitação, inclusão e acessibilidade para deficientes visuais. Por fim, Perla Assunção, educadora da Fundação Dorina Nowill para Cegos, abordou o tema: Articulação de redes colaborativas como estratégias de disseminação de uma cultura inclusiva.

Para a educadora e produtora cultural Giselle Paes Horacio, do grupo Encantados, o evento permitiu que as vozes das pessoas com deficiência visual, no que diz respeito ao acesso à informação e à cultura, fossem de fato ouvidas. “Elas mesmas falaram das suas necessidades, não foram só pessoas videntes falando em nome de pessoas cegas ou com baixa visão”, afirma Giselle.

Confira aqui, na íntegra, o CD Boi Encantado – Uma história cantada, disponibilizado no Youtube pelo grupo Encantados. O making of também está disponível.