Arquivo do autor:Fundação Dorina Nowill

Na foto, alunos, pais e educadores se reunem em frente a Fundação Dorina com os livros da Coleção Regionais.

Coleção Regionais é lançada com o tema Diversidade cultural brasileira e tem sua primeira roda de leitura

Depois de muito trabalho, horas de reuniões e ajustes, lançamos na última semana, aqui na Fundação Dorina Nowill, em São Paulo, a Coleção Regionais, a cultura brasileira acessível a todos. O projeto vai distribuir 63 mil livros (para instituições, organizações, escolas e bibliotecas que atendem pessoas com deficiência visual) em formatos acessíveis e interativos: braile, impressão em fonte ampliada, ilustrações, áudio e digital acessível Daisy, sobre a literatura, folclore, culinária, música e turismo brasileiros. Cada conjunto da coletânea é composto por 21 títulos que expõem a cultura popular nacional. As obras de culinária e folclore são em fonte ampliada e braile; as de literatura tem adaptação para versão em áudio de títulos já existentes no mercado editorial; o de turismo em digital acessível Daisy; e os de música oferecem as informações em fonte ampliada e braile, além de partituras acessíveis.

Com a participação dos membros da Rede Nacional de Leitura Inclusiva mais de 300 organizações que constroem coletivamente ações culturais em todas as regiões brasileiras foram colaboradores e indicaram personagens folclóricos, receitas típicas e músicas de suas regiões.

“A Rede Nacional de Leitura Inclusiva é um projeto da Fundação Dorina tem um papel muito importante na disseminação de conhecimento e garantia do direito à leitura da pessoa com deficiência”, afirma Ana Paula Silva, coordenadora deste projeto. “Além de nortear sobre as demandas de cada região, que muito contribuíram para a construção do projeto, atuam como multiplicadoras locais, disseminam práticas de leitura inclusiva e sensibilizam a sociedade, e ampliam as oportunidades de leitura das pessoas com deficiência visual em todo o Brasil”, explica.

CONFIRA ABAIXO O VÍDEO SOBRE A COLEÇÃO REGIONAIS COM AUDIODESCRIÇÃO:

Círculo cultural

Como forma de estimular a literatura inclusiva, serão realizadas rodas de leitura em 20 municípios brasileiros com a utilização da Coleção. “Cada roda de leitura é desenhada considerando a riqueza e diversidade local, com o apoio dos Grupos de Trabalho da Rede Nacional de Leitura Inclusiva, proporcionará aos participantes uma rica experiência cultural, com livros para leitura sem barreiras à pessoa com deficiência visual, incentivando os presentes a serem promotores e disseminadores da inclusão”, explica Ana Paula Silva.

Na foto, a roda de leitura inclusiva com os convidados, a escritora e os articuladores.

A primeira roda já aconteceu, foi no dia do lançamento, na quarta-feira, 30/08. Quem compartilhou com a gente dessa primeira propagação foi a Biblioteca Maria Firmina dos Reis, temática em Direitos Humanos, da Cidade Tiradentes, extremo leste da capital paulista. A leitura proposta foi umas das mais conhecidas da nossa cultura, Bumba Meu Boi, no círculo a escritora Nireuda Longobardi leu a obra para alunos, pais e educadores, enquanto uma das articuladoras do projeto , Perla Assunção, fazia a audiodescrição e convidou todos os participantes a fechar os olhos e vivenciar essa construção de imagens com palavras.

Na foto, três crianças leem a obra Bumba Meu Boi, livro selecionado para a primeira roda de leitura da Coleção Regionais.

“Foi um momento lindo! Esse projeto abre muitas possibilidades. A mais importante é transmitir a relação livro, leitura e deficiência visual, em seguida, a exploração da leitura sensorial, agora vou conseguir trabalhar a leitura com mais riqueza, utilizando outros sentidos, especialmente por esse mergulho na cultura popular”, finaliza a Charlene Lemos, coordenadora da Biblioteca Maria Firmina.

Aproximando ainda mais a leitura, assim como na história escolhida, a roda acabou em festa, alguns alunos ganharam adereços dos personagens principais da obra e a brincadeira seguiu ao som de Asa Branca, de Luiz Gonzaga.

 

Fotografia colorida. Ao fundo está uma estante de livros coloridos desfocada. Em primeiro plano, uma mesa de madeira que ocupa toda a parte inferior, sobre ela um livro aberto com páginas bege e sentado sobre ele, ao centro, a silhueta de um garoto em um tom de cor mais escuro do que as páginas. Na parte superior da imagem, o texto “Nós trabalhamos pela leitura inclusiva 09 de abril – Dia da Biblioteca”, centralizado na cor branca, em três linhas. No canto inferior direito, logo da Rede de Leitura Inclusiva.

Dia da Biblioteca

Dia 09 de abril é o Dia da Biblioteca e a Rede Nacional de Leitura Inclusiva gostaria de agradecer a todos os parceiros que compõem esta rede pelo engajamento e por efetivar o acesso a informação aos diferentes públicos!  Compreendemos como intermediários da leitura as bibliotecas formais e informais, mas que atuam no mesmo proposito a disseminação das “coisas maravilhosas que moram dentro do livro – Rubem Alves”.

 

foto três homens tocando sanfona, triângulo e zabumba, o primeiro está sentado. Ao fundo parede com diversos quadros e estantes com livros.

Dia Nacional do Braile: com inauguração na Biblioteca Pública da Paraíba

No mês de abril o que não falta são celebrações para a leitura e a inclusão! No dia 08 de abril é comemorado do Dia Nacional do Braile e no dia 9 celebra-se é o Dia da Biblioteca. A Rede de Leitura Inclusiva  GT Paraíba em alusão a estas datas, inaugurou  o Espaço Braile da Biblioteca Juarez da Gama Batista na ultima terça-feira. A programação contou com:  o pré lançamento do livro – O que vê a Cegueira de Joana Belarmino, palestra: A Leitura como Direito Humano , Roda de conversa sobre leitura e inclusão, lançamento do selo Mobilidade sustentável pelos Correios e conversa sobre os serviços de acessibilidade, Música regional e declamação de poesia, além da Transmissão ao vivo WEB Rádio do Instituto dos Cegos Adalgisa Cunha.

foto tirada do fundo da sala, grupo de 30 pessoas sentadas com cadeiras dispostas em uma grande roda. A frente projeção de slide onde uma pessoa fala ao microfone.

 

 

REDE NACIONAL DE LEITURA INCLUSIVA NA TENDA LITERÁRIA 2017

A próxima parada da Rede Nacional de Leitura Inclusiva é a Tenda Literária de Imbituba em Santa Catarina. Entre os dias 10 e 12 de fevereiro diversas ações com os parceiros locais serão realizadas e a primeira delas acontecerá na Secretaria Municipal de Educação com a Roda de conversa sobre Leitura Inclusiva.

A proposta é dialogar com profissionais intermediários da leitura como professores, bibliotecários, educadores culturais e outros agentes, levantando informações teóricas e práticas sobre acessibilidade, leitura e inclusão.

O resultado dessa conversa poderá ser conferido na Tenda Literária da Barra de Ibiraquera com a atividade “ Leitura com Sentidos: onde público poderá conhecer os diversos formatos de livros acessíveis e ainda participar de atividades de escrita Braile.

Todas as atividades serão gratuitas e abertas ao público. No dia 10  há limite de vagas por isso para participar se inscreva por meio do link: clique aqui para se inscrever

 

1º Encontro de Leitura Inclusiva: Disseminando informações sobre acessibilidade

A Rede de Leitura Inclusiva de Araguaína convida a todos os interessados a estarem reunidos em encontro gratuito sobre o acesso ao livro e a leitura para a diversidade de públicos em especial para as pessoas com deficiência.
O evento acontecerá no dia 29 de novembro no auditório do ITPAC e na Escola Modelo, tendo como público alvo estudantes de licenciatura, professores, bibliotecários e profissionais engajados com a causa da leitura e acessibilidade. Confira a programação e se inscreva preenchendo o formulário: Clique aqui para se inscrever

Programação

Período Vespertino 13:30 às 17:00 LOCAL: AUDITÓRIO DO ITPAC

– Abertura e Apresentações Culturais
– Conhecendo a Rede de Leitura Inclusiva – Perla Assunção – Fundação Dorina Nowill
– LIBRAS e a Leitura Inclusiva para Surdos – Roselba Gomes de Miranda e Ester Fernandes Nunes – UFT
– Leitura Indígena – Amaré Gonçalves Brito – DREA
– Mesa Redonda: Difundindo práticas de leitura inclusiva.

Período Noturno 19:00 às 22:00 LOCAL: ESCOLA ESTADUAL MODELO

Oficina 1:
LIBRAS: Língua Brasileira de Sinais
Instrutores de Libras: Mariana Ferreira Albuquerque, Pedrina Lucia Lima Gomes Barros Tiago Soares de Abreu – SEMED

Oficina 02:
Leitura e Escrita Braille
Professor Júnior Rodrigues Lopes – Coordenador de Inclusão da Escola Estadual Modelo

Oficina 03:
Produção e adaptação de atividades escolares em relevo e em Braille.
Equipe NAPDVA/Núcleo de Apoio Pedagógico aos Deficientes Visuais de Araguaína – TO.

Oficina 04:
Práticas de Leitura Inclusiva
Perla Assunção – Fundação Dorina Nowill

Oficina 05:
Orientação e Mobilidade
Professora Madalena – Coordenadora NAPDVA

Oficina 06:
Leitura Indígena
Adriano Dias Gomes Karaja – Laboratório de Línguas Indígenas/UFT

Observações: 1. No momento da inscrição deve-se informar a oficina em que cada convidado deseja participar no período noturno. 2. A Fundação Dorina Nowill para Cegos (São Paulo/SP) estará emitindo o Certificado do 1º. Encontro sobre Leitura Inclusiva com uma carga horária de 10 horas. 3. A Programação está sujeita à alterações.

À direita e ao centro, uma ilustração com delicados traços azuis mostra uma jovem sentada em uma cadeira. Ela tem os cabelos curtos e uma faixa no cabelo, em seu colo está um livro aberto e ela parece ler. À frente dela estão quatro crianças, sentadas no chão em um semicírculo. Um menino de cabelos lisos e camiseta listrada olha para a menina sentada à sua esquerda. A menina tem os cabelos crespos presos em duas chuquinhas e eleva o dedo indicador da mão direita. À esquerda dela está um menino de óculos e camiseta também listrada; ele olha atentamente para a jovem lendo o livro. Ao lado esquerdo dele está um rapaz, ele é o intérprete de libras, está com o indicador direito erguido e com a boca aberta como se estivesse falando, tem o cabelo arrepiado e é mais alto que os demais. Finalizando a roda, uma menina de cabelos lisos e compridos, presos em um rabo de cavalo, observa atentamente a jovem que está lendo o livro. Abaixo do desenho, há um mosaico com várias formas quadriculadas e sobrepostas; estas formas são coloridas e têm diferentes tamanhos e disposições. Formam uma espécie de grafismo, que ocupa toda parte inferior do desenho e são coloridas em tons de amarelo, azul, vermelho, verde, roxo e laranja. No canto inferior direito, em letras pretas: Fundação Volkswagen e Mais Diferenças.

Guia de Mediação de Leitura Acessível e Inclusiva

Mais um material para apoiar nas ações de leitura inclusiva, trata-se do Guia de Mediação de Leitura Acessível e Inclusiva desenvolvida pela Fundação Volkswagen junto com a organização Mais Diferenças. O material está disponível para consulta on line ou para Download no site: http://www.plataformadoletramento.org.br/guia-de-mediacao-de-leitura-acessivel-e-inclusiva/

O material está cessível com audiodescrição descrição das imagens e vídeos em Libras – Língua Brasileira de Sinais.

Durante o período de 22 de novembro a 16 de dezembro os interessados poderão conversar e tirar dúvidas sobre leitura inclusiva com um especialista, por meio de um fórum de discussão no mesmo site.

 

 

 

 

 

Dia 25 de outubro I Encontro de Leitura para Todos em São José do Rio Preto

Há pouco mais de um mês nos reunimos pela primeira vez para pensar como seria a formação de uma Rede de Leitura Inclusiva em São José do Rio Preto. E  foi a partir desse diálogo que demos o pontapé inicial com a construção do I Encontro de Leitura para Todos, que acontecerá no dia 25 de outubro. A proposta é apresentar e experimentar formas de trabalhar a leitura com pessoas que tenham deficiências, seja ela visual, auditiva, intelectual ou autismo. Essa é uma primeira abordagem na perspectiva de apresentar os livros e seus formatos acessíveis, as atitudes e recursos que propiciam a inclusão da pessoa com deficiência ao universo da leitura.

Teremos um dia inteiro de atividades com intervenções culturais, ciclos de palestras e mini oficinas que acontecerão na sede do Instituto Riopretense de Cegos. O evento é gratuito  e há limite de vagas, para participar preencha inscrição:

Clique aqui para participar

Contate: (17) 3355 -5000 Instituto Riopretense de Cegos

Local do evento: Rua Cléo de Oliveiro Roma, 200, Jd Morumbi.

Horário: 8h00 às 17h00 (almoço no local)

Programação:

Manhã  das 8h00 -13h00:

Intervenção cultural e ciclo de palestras sobre: O livro e a leitura para as pessoas com deficiência:  visual, auditiva, intelectual e autismo.

Tarde  das 14h00 às 17h00:

Ciclo de oficinas: Leitura inclusiva, Contação de Histórias e Orientação e Mobilidade

Apresentação cultural

Ao centro mesa de reunião com pessoas ao redor pousando para a foto. São 9 mulheres, algumas sentadas outras em pé. Ao fundo uma projeção de slide na parede de cor branca.

“Não basta só fazer também é preciso comunicar” essa é uma tarefa feita pelo GT de Palmas

O diálogo que acontece nos GT’s tem cada vez mais municiado as instituições para práticas mais inclusivas. E isso envolve mais do que a realização das atividades em si, passando também por construir a memória de como isso tem sido feito.

Nesta manhã de 30 de setembro estivemos reunidos no Instituto Federal do Tocantins  numa conversa empolgante sobre como as instituições parceiras tem sistematizado os conhecimentos adquiridos em grupo e disponibilizado em seus canais de comunicação.

A Secretaria de Estadual de Educação, por exemplo, tem uma página dedicada a Leitura Inclusiva com dicas de onde livros encontrar nos formatos acessíveis para pessoas com deficiência visual e auditiva. Além disso, também traz dicas para estudo sobre o tema por meio de links de sites, filmes e bibliografia. Para conferir  acesse o link:

http://seduc.to.gov.br/programas-e-projetos/programas/programa-vamos-ler/leitura-inclusiva/

Já a Ulbra – Universidade… criou em seu site uma página dedicada a contar sobre os encontros e ações entre os parceiros da rede de leitura Inclusiva. O site inclui ainda acessibilidade, com ampliação, contraste e tradução em libras este último por meio do aplicativo Hand Talk. Acesse em:  http://ulbra-to.br/alteridade

Estas iniciativas mostram as diversas oportunidades presentes no trabalho em rede, que pode se dar tanto para o aperfeiçoamento institucional como também para a realização de ações conjuntas com mais força e vozes. Quer saber como fazer parte de tudo isso? Procure o articulador local – Biblioteca Darcy Cardeal.

Imagem: Ao centro mesa de reunião com pessoas ao redor pousando para a foto. São 9 mulheres, algumas sentadas outras em pé. Ao fundo uma projeção de slide na parede de cor branca.

Grupo de 14 pessoas sorriem pousando para a foto. Elas estão posicionadas em semicírculo. Algumas delas seguram um objeto de cor amarela. Ao fundo duas grandes janelas de vidro.

Novo GT na Rede de Leitura Inclusiva: Araguaína no Tocantins se junta aos parceiros

A cidade de Araguaína fica há 385 quilômetros da capital de do estado do Tocantins e também terá um grupo atuando pela leitura e inclusão. Na última quinta-feira – 29 de setembro – os representantes das secretarias estadual e municipal de educação, da escola modelo, da Biblioteca Pública do município e do Instituto Federal do Tocantins/Campus Araguaína se reuniram para dar inicio a mobilização de uma rede local.

Estes profissionais engajados já planejam os próximos passos para disseminar informações sobre acessibilidade e leitura. Há previsão é que nos próximos meses haja um evento aberto aos estudantes de licenciatura, professores e bibliotecários. Para fazer parte dessa iniciativa procure o articulador local – o núcleo de apoio pedagógico especializado do município.

Imagem: Grupo de 14 pessoas sorriem pousando para a foto. Elas estão posicionadas em semicírculo. Algumas delas seguram um objeto de cor amarela. Ao fundo duas grandes janelas de vidro.

Foto das costas da plateia de um auditório. A frente está a mesa solene com seis pessoas. Uma delas fala ao microfone.

Piauí realiza o seu primeiro Encontro da Rede de Leitura Inclusiva

I Encontro Piauiense da Rede de Leitura Inclusiva deu o passo inicial para grandes ações prol da acessibilidade no Estado, promovido pelo GT Piauí.
Dia 21 de setembro, representantes da Universidade Federal do Piau (UFPI), Associação de Cegos do Piauí (ACEP), Secretaria Estadual para Inclusão da Pessoa com Deficiência (SEID), Secretaria Municipal de Educação (SEMEC), Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (COMAD), Instituto Comrádio e Fundação Dorina ampliaram as discussões sobre inclusão e compartilharam oportunidades que farão parte nas ações futuras das organizações presentes e dos participantes das que foram convidados a darem continuidade.