Início conteúdo principal

Arquivos da categoria: Notícias

Descrição de imagem: Cerca de trinta pessoas sentadas em roda em uma sala ampla. À frente uma mesa com kits de audiolivros do projeto Leitura Digital Acessível.

Santos recebe oficina de leitura inclusiva

Santos foi a primeira cidade do estado de São Paulo – das 10 selecionadas – a receber a oficina “A leitura inclusiva e o livro digital Daisy”. O evento ocorreu no último dia 14 de março de 2018, no Centro de Atividades Integradas (Cais) Milton Teixeira (Vila Mathias). Promovido pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, o projeto Leitura Digital Acessível contou com o apoio da Coordenadoria de Defesa das Políticas para Pessoas com Deficiência da Prefeitura Municipal de Santos.

Alunos, educadores, terapeutas ocupacionais e psicólogos de órgãos e escolas municipais aprenderam mais sobre os recursos do formato de leitura digital Daisy, que contempla, além do texto escrito, gravação em voz humana e audiodescrição (tradução de imagens em palavras), entre outros recursos, como opções de contraste, ampliação da tela, anotações no texto e busca de palavras específicas.

Descrição de imagem: Foto de 29 pessoas em uma sala. Algumas seguram kits de audiolivro do projeto, outros estão com bengalas e uma moça está sentada em uma cadeira de rodas. Ao fundo um slide com fundo branco escrito em letras pretas "Projeto Leitura Digital Acessível" no centro.

Para o coordenador de Políticas para a Pessoa com Deficiência de Santos, Daniel de Morais Monteiro, a oficina representou um ponto de partida para a valorização das políticas de acessibilidade comunicacional às pessoas com deficiência na cidade de Santos. “Esta oficina e a Rede de Leitura Inclusiva pavimentam o caminho para fortalecer a educação, a cultura e o acesso de cidadãos com dificuldades de leitura ao conhecimento e a melhor qualidade de vida a partir da instrução adquirida”, declara Monteiro.

Além das oficinas, as 10 cidades selecionadas pelo projeto receberão mil kits de leitura. Cada kit possui 12 livros, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira.

Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

Descrição de imagem: Foto das integrantes do grupo Encantados ao lado dos parceiros da Rede de Leitura Inclusiva. Todos estão em pé e sorrindo. Em frente ao grupo há uma mulher segurando um estandarte vermelho com a inscrição "Boi Encantado" com retalhos de pano coloridos.

TUBARÃO RECEBE SEMINÁRIO SOBRE CULTURA E ACESSIBILIDADE

O grupo Encantados Contadores de Histórias, juntamente com o Colegiado de Gestores de Cultura e Turismo da AMUREL – Associação de Municípios da Região de Laguna – e com a Rede Leitura Inclusiva realizou, na sede da AMUREL, na tarde do dia 22/03/2018, o Seminário Cultura e Acessibilidade. Além de propiciar um debate sobre os requisitos de acessibilidade em produtos e ações culturais inclusivas para pessoas com deficiência visual, o evento também apresentou exemplos de instituições que fazem parte da Rede de Leitura Inclusiva em âmbito regional e nacional e promoveu o lançamento do CD do espetáculo teatral Boi Encantado – Uma história cantada, com audiodescrição. O lançamento do CD abriu o seminário, com entrada do cortejo do espetáculo, audiodescrição ao vivo e exibição do making of.

Descrição da imagem: Foto de uma plateia assistindo a apresentação de três mulheres do grupo Encantados. A foto foi tirada de trás da plateia. No palco há uma apresentação do PowerPoint com a ilustração de um boi colorido e a frase em preto "Seminário Cultura e Acessibilidade".

Participaram da mesa de palestras a bibliotecária, educadora e Coordenadora Institucional do Programa de Promoção de Acessibilidade (PPA) da Unisul, Salete Cecília de Souza, que falou sobre ações voltadas para a inclusão de pessoas com deficiência visual e Gláucia Maindra, da Biblioteca Pública Municipal Cônego Itamar Luiz da Costa – Imbituba, SC, que abordou os desafios da acessibilidade cultural.

Gecioni Maria Miranda da Rosa e Neusa Mendes (Associação Tubaronense de Integração do Deficiente Visual – ATIDEV) falaram sobre reabilitação, inclusão e acessibilidade para deficientes visuais. Por fim, Perla Assunção, educadora da Fundação Dorina Nowill para Cegos, abordou o tema: Articulação de redes colaborativas como estratégias de disseminação de uma cultura inclusiva.

Para a educadora e produtora cultural Giselle Paes Horacio, do grupo Encantados, o evento permitiu que as vozes das pessoas com deficiência visual, no que diz respeito ao acesso à informação e à cultura, fossem de fato ouvidas. “Elas mesmas falaram das suas necessidades, não foram só pessoas videntes falando em nome de pessoas cegas ou com baixa visão”, afirma Giselle.

Confira aqui, na íntegra, o CD Boi Encantado – Uma história cantada, disponibilizado no Youtube pelo grupo Encantados. O making of também está disponível.

Debate sobre “O nome da Rosa” de Umberto Eco.

O nome da rosa, publicado em 1980 pelo italiano Umberto Eco, se tornou referência no enredo do estilo medieval. A história se passa num mosteiro beneditino localizado na Itália durante a baixa idade média. Um frade franciscano, Guilherme William de Baskerville e seu discípulo, o noviço Adso de Melk resolvem investigar os estranhos crimes. Estranhas mortes começam a ocorrer, onde as vítimas aparecem sempre com os dedos e a língua roxos. Ambos começam a agir como verdadeiros detetives e fica óbvio a semelhança da prática dos dois com os métodos utilizados pelo inglês Sherlok Holmes.
Todos os mistérios, permeados pelo contexto da época: desintegração do feudalismo, e formação do capitalismo na Europa Ocidental; projeção da burguesia e sua aliança com o rei; (formação das monarquias nacionais representadas pelos reis absolutistas) e até religiosas, que culminarão com o cisma do ocidente, através do protestantismo iniciado por Martinho Lutero na Alemanha em 1517. Culturalmente, destaca-se o movimento renascentista que surgiu em Florença no século XIV e se propagou pela Itália e Europa, entre os séculos XV e XVI.
Este é o pano de fundo para o debate de hoje à tarde na Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo”. Esta será a primeira reunião do Clube de leitura da BBJAA. Os participantes estão bem afiados com o tema do livro e a discussão promete pegar fogo, mas não tão grande como o incêndio da Abadia.

O quê? Debate sobre o livro O nome da rosa – Umberto Eco.
Quando? Hoje dia 02/02/2018, às 14:00.
Onde? Na BBJAA, Goiânia GO.

Livros acessiveis: uma realidade na inclusão

Por Damaris Pegoraro

É praticamente unanimidade entre os educadores e pesquisadores que, desde os primeiros anos de vida, criar o hábito da leitura na criança impacta no seu desenvolvimento de maneira tão significativa que a levará a adquirir uma bagagem cultural que vai acompanhá-la pelo resto da vida.
A leitura promove o desenvolvimento, apura o senso crítico, proporciona entretenimento, amplia o conhecimento, enriquece o vocabulário, aprimora a escrita, minimiza dificuldades acadêmicas, desenvolve o afeto, ajuda no desenvolvimento da linguagem, desenvolve a criatividade, promove a descoberta do mundo imaginário, ajuda a lidar com questões de forma ética e com as emoções. Enfim, é uma forma de interação com o ambiente do qual estamos inseridos assim como nossa compreensão do mundo.
Ainda hoje percebemos que, para as pessoas com deficiência, o direito de livre escolha de leitura é muito restrito e, quando estão disponíveis, são materiais apresentados muito diferentes dos demais.
Imagine uma sala de aula inclusiva, onde encontramos crianças sem deficiência ou dificuldade de aprendizagem e, encontramos crianças com deficiência intelectual, física, com baixa visão, cegas, surdas, autistas, entre muitas outras deficiências, quantos tipos de livros precisamos para trabalhar o mesmo conteúdo com todos?
O professor, diante desta situação, procura materiais adaptados para atender todos os alunos, seja livro em braile, fonte ampliada, com ilustrações, áudio livros… Enfim, precisa de vários materiais diferentes para atender essas crianças. É nesse contexto que quero falar sobre livro acessível.
O livro acessível é diferente do livro adaptado, pois com o mesmo material é possível atender a necessidade de todos os alunos.
Um livro acessível pode ser utilizado pela criança cega ou com baixa visão, assim como pela família, pelo surdo, pelo autista, pelo deficiente intelectual, pelos colegas de sala e pelo professor. Esse livro é impresso em braille, mas em tinta também e com fonte ampliada, o que possibilita que a criança cega leia, assim como a criança com baixa visão, mas as pessoas que não possuem deficiência visual também podem ler.
É um material feito para que todos leiam juntos. Além da edição em papel, acompanha um CD com as audiodescrições das imagens e um audiobook, para quem quiser ouvir o livro narrado. Quanto às imagens, o livro acessível preza pela ludicidade, onde essas imagens são grandes e coloridas possibilitando que a criança com baixa visão também tenha acesso às ilustrações e possuem os traços, dessas imagens, em alto relevo para que o cego leia a imagem.
Eu acredito que Incluir é minimizar as diferenças e tornar o dia a dia de todos dentro da mesma realidade, sem esquecer que há sim a necessidade de adaptações, mas que devemos priorizar a igualdade e os direitos de todos e, com o livro acessível a criança não fica excluída dentro da sala de aula e nem dentro da família.


Os benefícios desse tipo de material não é exclusivo da criança com deficiência, pois quando todos tem acesso a outros meios de leitura há ampliação de conhecimento e promoção ao respeito às diferenças.
Precisamos pensar na inclusão como uma realidade e oferecer às nossas crianças, meios que as aproximem dos demais.
Antes de qualquer planejamento, precisamos nos colocar no lugar do outro, para compreender o quanto ainda temos que avançar para que se torne natural respeitar o direito de todos. Esse é o segredo para a verdadeira inclusão.


Todos os livros mostrados nesta publicação foram fornecidos pela FUNDAÇÃO DORINA NOWILL, que tem um trabalho lindíssimo desde de 1946 e, que eu tive a sorte conhecer e ter acesso a estes materiais que hoje fazem parte do meu dia-a-dia.

Roraima sedia Encontro Regional sobre Leitura Inclusiva

A Biblioteca Pública de Roraima realizou no dia ,13/12/2017, no CAP-DV (Centro de Apoio a Pessoa com Deficiência Visual), um encontro que abordou temas relacionados à inclusão da pessoa com deficiência em todos os campos da cultura, desde a leitura, acesso ao cinema, televisão e à disponibilidade desses meios acessíveis.

Durante o encontro aconteceu palestra com a presidente do Conselho Estadual da Pessoa com Deficiência, Maria Auxiliadora, além de rodadas de conversas sobre os caminhos para a inclusão e trocas de experiências.

Um dos organizadores do evento, Tanner Menezes, destacou o momento de mostrar o trabalho que a Biblioteca Pública Estadual tem realizado no campo da inclusão. “Temos avançado muito nas ações voltadas para os deficientes visuais, por isso fomos escolhidos para sediar o encontro, onde representantes de outros Estados presentes trocaram informações”, informou.

COLEÇÕES REGIONAIS – Ainda no dia 13, às 17h, no Jardim do Palácio Senador Hélio Campos foi realizado o Lançamento da Coleção  Regionais, que conta com livros que detalham a diversidade cultural brasileira em formatos acessíveis às pessoas cegas e de baixa visão – braile, impressão em fonte ampliada, digital acessível Daisy e áudio.

fonte: http://portal.rr.gov.br/?p=2875

Crianças manuseiam os livros da coleção Regionais

“Foi emocionante ver as crianças lerem os livros acessíveis com tanto entusiasmo”

A Roda de Leitura realizada pela Fundação Dorina Norwill,  foi uma oportunidade para as crianças  e adultos atendidos pela Sala Braille,  se apresentarem para a  comunidade local, um incentivo para continuarem a superar os desafios.  Aqui na Biblioteca Pública  de Lagoa Santa, foi emocionante ver as crianças lerem os livros acessíveis com tanto entusiasmo e alegria  para o público presente.

O mais emocionante foi ver as crianças se ajudarem, uma incentivando e apoiando a outra durante a hora da leitura.  Ver a força de vontade delas  para vencer as dificuldades não só em virtude da questão da deficiência visual, mas pelas advindas da condição social-financeira tão desfavorável sempre nos motiva e serve de exemplo, elas são crianças determinadas, inteligentes, encantadora, solidárias,  sempre alegres dispostas a  enfrentar a vida com leveza e alegria contagiante.

Ações como esta incentivam o gosto e o prazer pela leitura literária, mostram a importância  do objeto livro, e todo seu potencial de transformação que está no texto.

Crianças sentadas conhecem as obras da Coleção

Ações que mostram a importância da biblioteca e do livro, que valorizam  o espaço como centro de convivência e interação,  fonte de informação e cultura são fundamentais. A transformação da educação passa pelo reconhecimento da biblioteca  como instrumento fundamental no processo de aprendizagem e de formação do individuo  como cidadão consciente,  agente de transformação  na comunidade onde vive.  A realidade do país não favorece a criação e manutenção de boas bibliotecas públicas e escolares, ações como essa, chamam a atenção para essa questão, podem sensibilizar os gestores e a sociedade. É preciso valorizar esses espaços de leitura pelo seu potencial de transformação da realidade social.

Tatiana Soares Brandão. Bibliotecária | Biblioteca Pública Municipal Pe. Agenor de Assis Alves Pinto – Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

 

Grupo de crianças sentadas e uma menina de pé com o microfone na mão

“A coleção Regionais é um passeio pela riqueza cultural brasileira de forma acessível”

As atividades da Rede de Leitura em Goiás, têm caminhado de forma peculiar. A Biblioteca Braille José Álvares de Azevedo reformulou o calendário de 2017 mantendo as ações que não haviam sido realizadas e acrescentou outras.  Algumas dessas atividades foram desenvolvidas em conjunto com o CAP/CEBRAV que também faz parte da Rede. Exemplos desses eventos:

1. Gincana musical: Qual é a música?
2. Convívio literário – Roda de leitura
3. Festival de música, prosa e poesia
4. Festival musical com temas de novelas e adivinhações
5. Torneio de dominó entre amigos
6. Lançamento do livro acessível – “Abracadabra: crio enquanto falo” da autora Cássia Fernandes
7. Concurso de leitura Braille
8. Exibição do filme “Minha mãe é uma peça 2” com audiodescrição
9. Exibição do filme “Mulher do pai” com audiodescrição Coleção Regionais.

O lançamento dessa riquíssima aquisição aconteceu em Goiás no último, dia 07/11, e contou com a parceria da Biblioteca Braille, CEBRAV e de um novo parceiro: Comissão Goiana de Folclore. O evento teve a participação de cerca de 80 pessoas bastante interessadas na leitura dos livros, depoimentos de usuários sobre a coleção, principalmente dos livros de culinária. houve apresentação musical do violeiro Arthur Noronha, tocando e cantando músicas da região Centro-Oeste.

Mulher em pé manuseia os livros da coleção Regionais.

A coleção Regionais é um passeio pela riqueza cultural brasileira de forma acessível. É uma viajem pelo Brasil com a Fundação Dorina e os livros acessíveis que trazem a literatura, a música, a culinária, o folclore e o turismo de cada região brasileira. Nessa viagem, passamos pela literatura com o livro falado e pela riqueza musical com as partituras Braille. Experimentamos os sabores pelo livro de culinária e histórias de infância com o livro de folclore ilustrado em tinta e em Braille. E, por fim, visitamos cidades brasileiras com o livro de turismo em formato Daisy.

A Coleção possui 15 volumes em Braille e em fonte ampliada, mais 5 obras literárias de autores regionais (Érico Veríssimo, Patativa Assaré, Cora Coralina, Milton Hatoun, Carlos Drummond de Andrade). Apresenta bastante ilustrações coloridas atrativas para o leitor com baixa visão e em relevo agradável ao tato.

Destaco o depoimento da usuária da biblioteca, Jane, mãe de dois filhos, presente ao evento que falou sobre a importância das obras:

“Muito importante o cuidado que a terapeuta ocupacional, autora dos livros de culinária teve com as pessoas com deficiência visual. Ela acreditou na nossa capacidade e nos deu dicas práticas, com a convicção de quem sabe que realmente podemos manipular os ingredientes e transformá-los em alimentos gostosos e saudáveis. Continue trabalhando nessa linha de valorização da pessoa com deficiência”. Jane Vieira dos Santos”

Maria Eunice Suares Barboza, Diretora da Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo”

Abaixo dois vídeos com trechos da apresentação de MODA DE VIOLA.

SEGUNDO VÍDEO:

Na imagem, pessoas sentadas com os olhos vendados.

Coleção Regionais contribui na formação leitores e consequentemente cidadãos no Espírito Santo

Na quinta-feira, 23/11, por volta de 13 horas, foi realizada uma roda de conversa com o tema “Minha leitura de mundo e os diferentes contextos de Leitura Inclusiva”, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Adilson da Silva Castro, em Ilha de Monte Belo,Vitória/ES. O bate-papo contou com a participação da articuladora Angelita Garcia da Rede de Nacional de Leitura Inclusiva, Fundação Dorina Nowill para Cegos, professor Arnaldo Lino (surdo), da Escola Oral Auditiva de Vila Velha, Sandro Bermudes Machado (cego), do setor Braille da Biblioteca Pública do Estado do Espírito Santo, Katiane da Silva Binda, da Escola Adilson da Silva Castro, Joelma Neves, prof.ª de teatro do Centro de Vivência da APAE-Serra, pais e alunos matriculados na escola atendidos na Educação Especial e GTES Grupo de Trabalho do Espírito Santo da Rede de Leitura Inclusiva.

Pessoas em pé sorrindo com os livros da coleção e cartazes nas mãos

No dia seguinte, sexta-feira, 24/11, das 9 às 12 horas, no Museu Capixaba do Negro “Verônica da Pas” (Mucane), foi apresentado à “Coleção Regionais” e colocado em pauta as possibilidades de exploração do material pelo seu público-alvo, o evento foi mediado por Angelita Garcia. Na roda de leitura ao vedar os olhos dos participantes e fazer a leitura, foi extraordinário pois despertou a percepção audição, concentração, audição e a imaginação dos convidados presente. Os livros despertaram o  interesse não somente dos alunos que tem baixa visão mas também de todos os outros , professores e pais que estavam ali presente.

Essas ações são importantes porque amplia as possibilidades de acesso ao livro e a leitura possibilitando novos conhecimentos em formato acessível, assim contribuindo com a democratização do acesso a leitura. Desta forma potencializando e contribuindo na formação dos leitores, e, consequentemente, cidadãos, dentro de uma perspectiva inclusiva, acessível e para todos.

O hábito da leitura deve ser estimulado ainda na infância até a vida adulta para que o indivíduo aprenda   que ler é algo importante e, acima de tudo, prazeroso. Uma leitura realizada com prazer desenvolve a imaginação, a escuta atenta e a linguagem. Desta forma essas ações vem contemplando com todos os recursos de acessibilidade de uma leitura Inclusiva para os cegos.

Alnínive Correia Araújo Martini – Pedagoga da EMEF Adilson da Silva Castro e Integrante GT- ES da Rede de Leitura Inclusiva.

 

A Coleção Regionais é finalista do II Prêmio IPL!

O Projeto “Coleção Regionais – a cultura em suas diversas expressões”, promovido pela Fundação Dorina, é finalista do II Prêmio Instituto Pró Livro 2017, na categoria OnG.

#ParaTodosVerem: cartaz em fundo laranja com logotipo do IPL e texto em branco "Somos um dos finalistas do segundo prêmio do IPL Retratos da Leitura", abaixo logotipo da Coleção Regionais, quatro livros da coleção e logotipo da Fundação Dorina.

A Coleção Regionais é um projeto que nasceu com a proposta de compartilhar a cultura brasileira com seus diversos povos de forma acessível, para que cada um tivesse no livro da sua região uma história, uma música, uma receita, um autor que traduzisse sua identidade.

É composta por 21 títulos, com temas e formatos diferentes e acessíveis sobre cada região do Brasil. As publicações de culinária e folclore são em tinta e braille; as de literatura tem adaptação para versão em áudio de títulos de mercado; o de turismo foi disponibilizado em formato digital acessível Daisy; e os de música oferecem além das partituras , as informações em fonte ampliada, ambas em braille.