Início conteúdo principal

Arquivos da categoria: Nossa rede

Grupo de crianças sentadas e uma menina de pé com o microfone na mão

“A coleção Regionais é um passeio pela riqueza cultural brasileira de forma acessível”

As atividades da Rede de Leitura em Goiás, têm caminhado de forma peculiar. A Biblioteca Braille José Álvares de Azevedo reformulou o calendário de 2017 mantendo as ações que não haviam sido realizadas e acrescentou outras.  Algumas dessas atividades foram desenvolvidas em conjunto com o CAP/CEBRAV que também faz parte da Rede. Exemplos desses eventos:

1. Gincana musical: Qual é a música?
2. Convívio literário – Roda de leitura
3. Festival de música, prosa e poesia
4. Festival musical com temas de novelas e adivinhações
5. Torneio de dominó entre amigos
6. Lançamento do livro acessível – “Abracadabra: crio enquanto falo” da autora Cássia Fernandes
7. Concurso de leitura Braille
8. Exibição do filme “Minha mãe é uma peça 2” com audiodescrição
9. Exibição do filme “Mulher do pai” com audiodescrição Coleção Regionais.

O lançamento dessa riquíssima aquisição aconteceu em Goiás no último, dia 07/11, e contou com a parceria da Biblioteca Braille, CEBRAV e de um novo parceiro: Comissão Goiana de Folclore. O evento teve a participação de cerca de 80 pessoas bastante interessadas na leitura dos livros, depoimentos de usuários sobre a coleção, principalmente dos livros de culinária. houve apresentação musical do violeiro Arthur Noronha, tocando e cantando músicas da região Centro-Oeste.

Mulher em pé manuseia os livros da coleção Regionais.

A coleção Regionais é um passeio pela riqueza cultural brasileira de forma acessível. É uma viajem pelo Brasil com a Fundação Dorina e os livros acessíveis que trazem a literatura, a música, a culinária, o folclore e o turismo de cada região brasileira. Nessa viagem, passamos pela literatura com o livro falado e pela riqueza musical com as partituras Braille. Experimentamos os sabores pelo livro de culinária e histórias de infância com o livro de folclore ilustrado em tinta e em Braille. E, por fim, visitamos cidades brasileiras com o livro de turismo em formato Daisy.

A Coleção possui 15 volumes em Braille e em fonte ampliada, mais 5 obras literárias de autores regionais (Érico Veríssimo, Patativa Assaré, Cora Coralina, Milton Hatoun, Carlos Drummond de Andrade). Apresenta bastante ilustrações coloridas atrativas para o leitor com baixa visão e em relevo agradável ao tato.

Destaco o depoimento da usuária da biblioteca, Jane, mãe de dois filhos, presente ao evento que falou sobre a importância das obras:

“Muito importante o cuidado que a terapeuta ocupacional, autora dos livros de culinária teve com as pessoas com deficiência visual. Ela acreditou na nossa capacidade e nos deu dicas práticas, com a convicção de quem sabe que realmente podemos manipular os ingredientes e transformá-los em alimentos gostosos e saudáveis. Continue trabalhando nessa linha de valorização da pessoa com deficiência”. Jane Vieira dos Santos”

Maria Eunice Suares Barboza, Diretora da Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo”

TOCANTINS

Centro Universitário Luterano de Palmas

O QUE ENCONTRAR:

ATIVIDADES DE LIVRO E LEITURA
Empréstimo de livro
Produção de texto (informativos, oficinas literárias, fanzine, jornais comunitários, mural, spots, etc)
Sala de leitura multifuncional

ACESSIBILIDADE
Livro em formato acessível
Impressão em braile
Leitores de tela
Audiodescrição
ENDEREÇO:
Av Teotônio Segurado, 1501 sul, Alteridade, Hall Central, Plano Diretor Sul, 77019-90 – Palmas – TO

Imagem mostra apenas os pés de um deficiente visual andando pela rua com sua bengala.

Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Visual – DEZEMBRO 2017

Olá para todos que fazem a Rede Nacional de Leitura Inclusiva. Estou realizando mais um evento em Arapiraca–AL, dia 16 de DEZEMBRO de 2017, para comemorarmos ” O dia Nacional da Pessoa com Deficiência Visual ” que é dia 13 de dezembro.

E gostaria de convidar todos vocês para fazer parte deste momento, junto comigo e todos os profissionais voluntários que estarão abraçando o Projeto: “Nas entrelinhas, a deficiência visual”.

O evento é gratuito e acontecerá, sábado, dia 16 de Dezembro de 2017, no Arapiraca Garden Shopping, no corredor que dá acesso à praça de alimentação, no horário das 10h às 22h.

O projeto tem dois objetivos:
1. destacar a importância da prevenção da deficiência visual e
2. ressaltar a atenção da sociedade e das Instituições, para uma proposta de inclusão social dos deficientes visuais dentro da sociedade e principalmente dentro das Instituições Educacionais.

É notória a necessidade do desenvolvimento de projetos nessa área, para que se possa proporcionar aos deficientes visuais independência, com qualidade de vida, através da acessibilidade, da comunicação, da mobilidade e da integração. Além de ressaltar a importância da Educação tirando-os da exclusão.

Para abraçar o nosso público é uma exigência, que os livros sejam impressos em Braille e à tinta, com letras ampliadas. E os livros foram fornecidos por esta Instituição Fundação Dorina Nowill para Cegos à Escola Estadual Adriano Jorge. Teremos ainda materiais diversos e adaptados, com texturas, e muito mais. Além de apresentações Musicais e Teatral. Estou tentando conseguir ainda áudio-descrição e intérprete de libras, que são importantíssimos.
Será um projeto que envolve a pessoa com deficiência, a educação e a cultura.

Venham fazer parte deste momento, que será muito legal.

Agradeço em nome de toda a equipe.

Silvana Maranhão

Público sentado assistindo as apresentações

II Encontro de Leitura Inclusiva do Rio Grande do Sul

Aconteceu no Campus Porto Alegre, no dia 31 de outubro, o II Encontro de Leitura Inclusiva. Organizado pelo Grupo Interinstitucional de Pesquisa LEIA: leitura, informação e acessibilidade, do IFRS e da UFRGS, o evento é uma iniciativa da Rede de Leitura Inclusiva no Rio Grande do Sul (GT-RS POA), juntamente com o Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB10), o Conselho Municipal do Livro e da Leitura, entre outras instituições, a partir de uma parceria com a Fundação Dorina Nowill para Cegos (FDN), de São Paulo.

O encontro tem como objetivo mostrar que a sociedade e as Instituições que recebem acervos da FDN unam-se ao grupo na construção uma grande rede de ações em prol das pessoas com deficiência para acesso ao livro, leitura, literatura e bibliotecas e um estímulo para que desenvolvam ações de inclusão.

Estudantes de Biblioteconomia do IFRS e da UFRGS, estudantes de outros Cursos e Instituições, bibliotecários, técnicos em Biblioteconomia, professores, técnicos, mediadores de leitura, pessoas com deficiência, representantes de Instituições parceiras e comunidade em geral, puderam assistir palestras, na parte da manhã, e participar de oficinas, no turno da tarde.

Após a abertura oficial, houve momento cultural com apresentação musical do professor e músico Márcio Fumaco. Márcio é deficiente visual e apresentou duas canções gaúchas tocadas no teclado. Estas canções fazem parte da coletânea de músicas que compõem a Coleção Regionais.  Em seguida, deu-se início aos painéis, que prosseguiram abordando temas como Rede Nacional de Leitura Inclusiva e “Coleções Regionais – A cultura brasileira em suas expressões”, com Perla Assunção; Rede Nacional de Leitura Inclusiva GT – RS POA: Leitura, informação e acessibilidade, com a Profª Drª Lizandra Brasil Estabel; e Acessibilidade em ambientes culturais, com a Profª Drª  Jeniffer Alves Cuty.

Entre as palestras, houve mais um momento cultural, com uma Contação de Histórias realizada pela Técnica em Biblioteconomia e acadêmica da FABICO/UFRGS Andréa Bitencourt, que apresentou a lenda gaúcha “Negrinho do Pastoreio”, da Coleção Regionais.

Na parte da tarde, os participantes puderam se inscrever e realizar as oficinas: “A Inclusão dos Cegos e as Tecnologias” – Prof. Alexandre Cardoso, Larissa de Arruda Machado e Crystian de Lima Antunes; “A Contribuição da Audiodescrição para Leitura Inclusiva” – Audiodescritora Consultora Marilena Assis e Audiodescritora Roteirista e Narradora Letícia Schwartz, que compõe a Equipe da Audiodescrição da empresa Mil Palavras Acessibilidade Cultural; “Noções de Conservação e Recuperação de livros em Braille” – Profª Drª Angela Flach; “Língua Brasileira de Sinais: que língua é essa?”- Profª Drª Carolina Comerlato Sperb; “Mediação da Leitura: afetos e fazeres” – Profª Drªnda Ketlen Stueber e “A Literatura de Tradição Oral: o cordel e a gauchesca” – Prof. Dr. Marlon de Almeida.

Mulher com traje típico do Sul, um vestido de Prenda

“Sempre que investimos em leitura, literatura e nas bibliotecas promovendo a inclusão de todos, sem exceção, estamos mudando os rumos da Educação. Efetivamente no nosso caso, atuamos com os alunos do Curso Técnico em Biblioteconomia propiciando que sejam partícipes desde a organização, planejamento do Evento, bem como, na participação efetiva assistindo as palestras e oficinas. Estes alunos serão os mediadores do processo de leitura, de acesso à informação e de acessibilidade para as pessoas com deficiência visual que serão atendidas na biblioteca possibilitando a inclusão através do texto e dos recursos como a audiodescrição. Os materiais produzidos pela FDN serão amplamente utilizados por estes estudantes e profissionais através da leitura promovendo a inclusão social, digital e profissional das pessoas com deficiência”, finaliza Profª Drª Lizandra Brasil Estabel.

Na imagem, foto do detalhe do rosto de uma criança, no caso, a carol, deficiente visuall. E ao lado da foto dela a seguinte frase: A Carol pode ter uma vida plena. Ajude, doe!

Nosso trabalho precisa do seu apoio!

Há 70 anos, a Fundação Dorina Nowill se dedica à inclusão social de pessoas com deficiência visual. Durante todos esses anos, a Fundação, oferece gratuitamente, serviços especializados para pessoas com deficiência visual e suas famílias, nas áreas de educação especial, reabilitação, clínica de visão subnormal e empregabilidade.

Mas para esse trabalho árduo feito com muito amor continuar auxiliando centenas de pessoas em 2018, precisamos arrecadar fundos para nossos atendimentos de começo de ano. Basta clicar ao lado para contribuir com um novo futuro para as pessoas com deficiência visual atendidas pela Fundação Dorina!

Hoje existe uma fila de espera de quase 6 meses para atendimento na Fundação Dorina. Por ser uma referência no tratamento de pessoas com deficiência visual, centenas de pessoas buscam os serviços da Fundação todos os meses. Para garantirmos apenas uma parte de nossos atendimentos do próximo semestre, precisamos de uma grande arrecadação de fundos. E contamos com a generosidade de pessoas como você para conseguirmos!

Abaixo o vídeo: “O Gabriel tem apenas 4 anos e já foi cego”

 

Toda contribuição é muito importante para chegarmos mais perto da nossa meta. Clique e contribua!

Grupo de 18 pessoas cantam e tocam para o público.

“Rede de Leitura Inclusiva , é uma ferramenta de intervenção que motiva a sociedade a olhar a pessoa com deficiência”

foto em primeiro plano de uma caixa com livros escrito Coleção Regionais. Ao fundo cinco mulheres sentadas olhando para frente.A coleção Regionais é de uma importância muito grande ao meu ver , por reunir a cultura das cinco regiões do País. Acredito que essa publicação vai proporcionar ao público com deficiência transpor suas fronteiras de conhecimento sobre as diversas expressões do povo brasileiro .

O evento aqui em Vitória da Conquista, na Bahia, aconteceu entre os dias 19 e 20/10. Foram momentos agradáveis onde o público presente se alegrou e participou com prazer. Fiquei bastante emocionada quando o grupo do Conquista Down cantou com entusiasmo a música “ O que é, o que é”, de Gonzaguinha. Na leitura,  a história Bumbá-boi ( região nordeste) e O Boto cor-de –rosa (região norte) protagonizaram as narrativas.

A importância dessas ações, para além do incentivo à leitura, está na possibilidade da sociabilidade das pessoas com deficiência com outros grupos trocando ideias, experiências , conhecimento e emoções. Acreditamos que ações inclusivas de leitura colabora para criar espaços de reflexão no que tange ao desenvolvimento intelectual das pessoas com deficiência e chama a atenção das instituições que atuam no campo da educação para um maior comprometimento com esses grupos sociais, que são capazes, mas que necessitam gozar da igualdade de direitos, da acessibilidade atitudinal, e dos suportes para um aprendizado efetivo . Entendemos que a ampliação e aprofundamento das políticas públicas de Estado é fator decisivo para virarmos essa página de exclusão das pessoas com deficiência.

 foto de Alana de perfil, ela tateia um livro e tem um microfone a sua frente. Ao final do pessoas a observa.

Ressaltamos que o projeto da Rede de Leitura Inclusiva , é uma ferramenta de intervenção que motiva a sociedade a olhar a pessoa com deficiência como cidadãos participativos.

Mércia Carvalho Andrade

Precisamos falar sobre Verônica

Por Fabiano Cameran

Entre as inúmeras surpresas que a segunda edição do Encontro de Leitura Inclusiva de Sergipe nos trouxe, umas das mais marcantes, certamente, foi a história de Maria Verônica Esteves, nascida na cidade de Boquim, localizada cerca de 84 km de Aracaju. Com um astral contagiante e uma alegria que erradia a todos a sua volta, Verônica, 62 anos, dá aula de força de vontade e mostra através de seu testemunho que nunca é tarde para aprender a ler e a vencer as barreiras (mesmo físicas) impostas pela vida.

Verônica nasceu com uma deficiência visual, em sua cidade os recursos eram escassos e até mesmo viajar para a capital sergipana era uma empreitada complexa para uma família que lidava com a roça em meio ao sertão nordestino, as barreiras faziam com que a cada dia a expectativa de enxergar o mundo fosse mais remota para a jovem, alguns médicos diziam que a única esperança  estava localizada a muitos quilômetros, mais precisamente em São Paulo, e nenhum tratamento existente na época garantiria a sua cura.

De família católica, Verônica teve seu primeiro contato a um ensino ainda em sua infância através da catequese, onde absorvia todo o conteúdo passado por sua catequista através de uma atenta escuta de tudo o que era dito. Mas por lidar desde cedo com o trabalho do campo Verônica nunca teve oportunidade de estudar, mesmo que tivesse não haviam escolas com estrutura para a receberem, uma vez que os professores além de não terem preparo não tinham também materiais em acessíveis.

Da infância, a adolescência e tão logo Verônica já era uma mulher, guerreira e trabalhadora mas sem ter acesso a informação e tão pouco a educação, a cura de sua deficiência era ainda mais difícil. Certo dia, após uma consulta um médico falou para sua mãe que não havia mais o que ser feito pela medicina local, mais uma vez a solução se mostrava presente em São Paulo, mas as chances de cura eram de no máximo 10% e ainda assim a visão seria parcial. Foi então que Verônica disse a sua mãe que não queria correr mais atrás de tratamentos para seu problema, uma vez que ela veio ao mundo assim então aceitava aquilo como seu destino.

O tempo passou, Verônica era sempre rodeada por amigos e familiares sempre dispostos a ajudarem quando ela precisasse, mas ainda lhe faltava algo, e aquilo que lhe faltava por mais incrível que pudesse parecer não era a sua visão, mas sim a oportunidade de conhecer o mundo mesmo que de maneira lúdica através da leitura. Foi então que ela conheceu uma senhora evangélica, que a estimulou a aprender a ler pois nunca era tarde para o Saber. Essa senhora então, mesmo sem também saber ler em braile, conseguiu algumas cartilhas que ensinavam o alfabeto braile e juntas elas aprenderam a decorar cada uma das letras, aos poucos a então professora de Verônica conseguiu alguns livros religiosos em braile e aos 54 anos Verônica aprendia então a ler em braile e a enxergar o novo através da literatura.

Até hoje, aos 62 anos, Verônica só teve acesso a literaturas religiosas ou infantis, mas graças a Coleção Regionais, da Rede de Leitura Inclusiva, ela com seu jeito simples e carisma encantador terá na biblioteca de sua pequena cidade (Biblioteca Pública Municipal Hermes) mais uma infinidade de histórias e a cada folhear seus olhos se abrirão, mesmo que lúdica e fantasiosamente, para novas histórias e aventuras. Através da semana de Leitura Inclusiva, Maria Verônica ganhou também uma bolsa para aprender a escrever e braile, a tornando capaz de imortalizar sua história não apenas através da fala mas também da escrita.

XXI Semana da Pessoa com Deficiência

Dia 29 de agosto de 2017, a Escola Estadual Adriano Jorge participou XXI Semana da Pessoa com Deficiência em Arapiraca – AL. O evento foi organizado pela 5ª Gerência Regional de Ensino da Secretaria da Educação do Estado de Alagoas. Realizado no período de 8h às 15h, no auditório da Escola Estadual Professora Izaura Antônia Lisboa-EPIAL. No decorrer do evento aconteceram: entrevistas, apresentações, palestras e exposições, para profissionais da área da inclusão e alunos. Durante a exposição, Eu, Maria Silvana Maranhão da Costa (Transcritora e Ledora Braille) apresentei os recursos utilizados para o atendimento aos alunos com deficiência visual na sala de AEE da Escola Estadual Adriano Jorge. Os equipamentos utilizados para alfabetização, a escrita e a leitura do Sistema Braille: a máquina Perkins Braille; a reglete tradicional; o punção; a borracha; o papel e as lupas. Os materiais doados pela Fundação Dorina Nowill à Escola: os livros em Braille; livros com letras ampliadas e áudio livros em cd’s. Apresentei o soroban, o Communicare, o quadro sensitivo e outros materiais adaptados. Foi mais um dia em prol da disseminação da educação inclusiva.
A Escola Estadual Adriano Jorge parabeniza a toda equipe da 5ª Gere pelo evento, em nome da Gerente Regional, Eliete Rocha e agradece a grande parceria com a Fundação Dorina Nowill.

Maria Silvana Maranhão da Costa
Transcritora e Ledora Braille
Escola Estadual Adriano Jorge
Arapiraca-AL

XXI Semana da Pessoa com Deficiência em Arapiraca-AL

GTParaíba da Rede de Leitura: ações em João Pessoa e Campina Grande

No dia 16 de agosto, o GTPB realizou duas atividades para compartilhar as experiências na área de livro, leitura e inclusão da pessoa com deficiência.A primeira foi uma roda de conversa no Instituto Federal da Paraíba – Campus João Pessoa, que contou com membros do GT e parceiros do IF. Esse encontro também contou com a parceria do GTPE, que veio de Recife para compartilhar saberes e estratégias de atuação em rede.
Na roda de conversa foram abordados temas na área do direito à informação e leitura; disponibilização de livros acadêmicos em formato acessível; articulação entre instituições de ensino e de atendimento aos jovens com deficiência e o fortalecimento de práticas esportivas; e uma agenda temática a ser construída pelo GT.
Durante o encontro foi feita uma articulação para o lançamento do projeto Regionais na capital João Pessoa.

A segunda agenda foi uma visita ao Instituto de Educação e Assistência aos Cegos do Nordeste, na cidade de Campina Grande. Nessa atividade parceiros do GTPB,do GTPE, do Instituto, da Universidade, do IFPB (Campus João Pessoa) dialogaram com crianças, jovens e adultos, profissionais e participantes dos projetos do Instituto, sobre a importância da leitura e da produção de materiais acessíveis para as pessoas com deficiência visual.

 

Reunião GTMS: diálogo em rede para lançamento do projeto Regionais

Dia 23 de agosto o GTMS ser reuniu na biblioteca do ISMAC – Instituto Sul Mato Grossense para Cegos Florivaldo Vargas, para articular ações de livro e leitura em parceria.

O encontro contou com a presença de parceiros do CAPDV/MS, da Biblioteca Municipal de Campo Grande e da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – SECTUR e teve como principal objetivo dialogar sobre uma ação local voltada para o direito à leitura inclusiva para a pessoa com deficiência e outras populações do estado.

Essa ação também será feito o lançamento do Projeto Regionais no Mato Grosso do Sul.