Arquivo da tag: rede de leitura inclusiva

Na imagem, pessoas sentadas com os olhos vendados.

Coleção Regionais contribui na formação leitores e consequentemente cidadãos no Espírito Santo

Na quinta-feira, 23/11, por volta de 13 horas, foi realizada uma roda de conversa com o tema “Minha leitura de mundo e os diferentes contextos de Leitura Inclusiva”, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Adilson da Silva Castro, em Ilha de Monte Belo,Vitória/ES. O bate-papo contou com a participação da articuladora Angelita Garcia da Rede de Nacional de Leitura Inclusiva, Fundação Dorina Nowill para Cegos, professor Arnaldo Lino (surdo), da Escola Oral Auditiva de Vila Velha, Sandro Bermudes Machado (cego), do setor Braille da Biblioteca Pública do Estado do Espírito Santo, Katiane da Silva Binda, da Escola Adilson da Silva Castro, Joelma Neves, prof.ª de teatro do Centro de Vivência da APAE-Serra, pais e alunos matriculados na escola atendidos na Educação Especial e GTES Grupo de Trabalho do Espírito Santo da Rede de Leitura Inclusiva.

Pessoas em pé sorrindo com os livros da coleção e cartazes nas mãos

No dia seguinte, sexta-feira, 24/11, das 9 às 12 horas, no Museu Capixaba do Negro “Verônica da Pas” (Mucane), foi apresentado à “Coleção Regionais” e colocado em pauta as possibilidades de exploração do material pelo seu público-alvo, o evento foi mediado por Angelita Garcia. Na roda de leitura ao vedar os olhos dos participantes e fazer a leitura, foi extraordinário pois despertou a percepção audição, concentração, audição e a imaginação dos convidados presente. Os livros despertaram o  interesse não somente dos alunos que tem baixa visão mas também de todos os outros , professores e pais que estavam ali presente.

Essas ações são importantes porque amplia as possibilidades de acesso ao livro e a leitura possibilitando novos conhecimentos em formato acessível, assim contribuindo com a democratização do acesso a leitura. Desta forma potencializando e contribuindo na formação dos leitores, e, consequentemente, cidadãos, dentro de uma perspectiva inclusiva, acessível e para todos.

O hábito da leitura deve ser estimulado ainda na infância até a vida adulta para que o indivíduo aprenda   que ler é algo importante e, acima de tudo, prazeroso. Uma leitura realizada com prazer desenvolve a imaginação, a escuta atenta e a linguagem. Desta forma essas ações vem contemplando com todos os recursos de acessibilidade de uma leitura Inclusiva para os cegos.

Alnínive Correia Araújo Martini – Pedagoga da EMEF Adilson da Silva Castro e Integrante GT- ES da Rede de Leitura Inclusiva.

 

Grupo de 18 pessoas cantam e tocam para o público.

“Rede de Leitura Inclusiva , é uma ferramenta de intervenção que motiva a sociedade a olhar a pessoa com deficiência”

foto em primeiro plano de uma caixa com livros escrito Coleção Regionais. Ao fundo cinco mulheres sentadas olhando para frente.A coleção Regionais é de uma importância muito grande ao meu ver , por reunir a cultura das cinco regiões do País. Acredito que essa publicação vai proporcionar ao público com deficiência transpor suas fronteiras de conhecimento sobre as diversas expressões do povo brasileiro .

O evento aqui em Vitória da Conquista, na Bahia, aconteceu entre os dias 19 e 20/10. Foram momentos agradáveis onde o público presente se alegrou e participou com prazer. Fiquei bastante emocionada quando o grupo do Conquista Down cantou com entusiasmo a música “ O que é, o que é”, de Gonzaguinha. Na leitura,  a história Bumbá-boi ( região nordeste) e O Boto cor-de –rosa (região norte) protagonizaram as narrativas.

A importância dessas ações, para além do incentivo à leitura, está na possibilidade da sociabilidade das pessoas com deficiência com outros grupos trocando ideias, experiências , conhecimento e emoções. Acreditamos que ações inclusivas de leitura colabora para criar espaços de reflexão no que tange ao desenvolvimento intelectual das pessoas com deficiência e chama a atenção das instituições que atuam no campo da educação para um maior comprometimento com esses grupos sociais, que são capazes, mas que necessitam gozar da igualdade de direitos, da acessibilidade atitudinal, e dos suportes para um aprendizado efetivo . Entendemos que a ampliação e aprofundamento das políticas públicas de Estado é fator decisivo para virarmos essa página de exclusão das pessoas com deficiência.

 foto de Alana de perfil, ela tateia um livro e tem um microfone a sua frente. Ao final do pessoas a observa.

Ressaltamos que o projeto da Rede de Leitura Inclusiva , é uma ferramenta de intervenção que motiva a sociedade a olhar a pessoa com deficiência como cidadãos participativos.

Mércia Carvalho Andrade

Técnico de farmácia & Padre Chico: aprendizado com significado

 

 

Em 2016, o curso técnico em farmácia, no módulo de IV, que estuda entre outros assuntos as plantas medicinais e os fitoterápicos viabilizou uma vivência diferenciada aos alunos.

Com o objetivo de inovar, transformar e significar o ensino a professora Liliane Barros tinha em mente fazer com que os alunos estudassem as plantas medicinais e no sentido prático, cultivassem essas plantas, acompanhando assim todo o processo de plantio, cuidado e preparo para consumo das plantas medicinais. Mas isso era só o começo desse projeto. A professora sabendo que a Biblioteca fazia parte da Rede de Leitura Inclusiva, veio conversar sobre a possibilidade desse módulo ser tratado e discutido de forma inclusiva e como a biblioteca poderia viabilizar tudo isso.

A bibliotecária Adriana Rafael, entrou em contato com a Rede e levou a sugestão da professora para o Grupo, que respondeu imediatamente com sugestões para que a atividade fosse feita em parceria. O Colégio Vicentino Padre Chico, que alfabetiza deficientes visuais, gostou da proposta e achou que traria ganhos para seus alunos. A Fundação Dorina Nowill, também manifestou interesse em participar e sua contribuição seria uma aula com o tema inclusão para os alunos do técnico de farmácia. O Senac Aclimação, através da biblioteca auxiliou na conversão dos documentos para o Braille e Fonte Ampliada.

Segundo a Professora Liliane “A ideia veio ao encontro do desafio do desenvolvimento de práticas pedagógicas, valorizando o ensino com significado, estimulando o estudante a assumir seu papel e compromisso do aprender a aprender, tornando-o sensível para ser ator atuante na sociedade, sua percepção de respeito às diferenças”.

O projeto teve início em junho, com a construção da proposta, execução das etapas e a apresentação final no Colégio Padre Chico, que foi em outubro de 2016.

O grande diferencial foi o planejamento e o envolvimento com antecedência das partes envolvidas.

No depoimento a aluna do SENAC Kimberly Mendes de Souza, disse que foi bom trabalhar com este público diferenciado, ela afirma “É difícil descrever a sensação de alegria e entusiasmo que senti. Confesso que senti um pouco de medo no início, por nunca ter tido contato. Levarei em minha vida esta experiência que gostaria que todos experimentassem”.

Dessa opinião compartilha a docente Liliane: “ Foi um projeto gratificante onde senti como é importante compartilhar e trocar conhecimento. O Colégio Vicentino Padre Chico nos recebeu com muito carinho e foi enriquecedor o interesse que os alunos demonstraram na atividade”.

O método: os alunos do SENAC foram envolvidos no processo de cultivo das plantas medicinais, bem como deveriam pesquisar os benefícios, o preparo e dose correta, eles tiveram uma aula sobre o tema inclusão, visitaram a biblioteca para conhecerem os recursos e discutiram como fariam a abordagem junto aos alunos e deficientes visuais do Colégio Padre Chico.

No dia do evento, contamos com a presença de outros parceiros do GTSP da Rede de Leitura Inclusiva para acompanhar a interação entre os dois grupos de alunos.

Último encontro da rede de 2014 acontece em Mato Grosso do Sul

Para fechar em grande estilo as ações de  2014, a Rede de Leitura Inclusiva de Mato Grosso do Sul promoveu nesta última terça-feira (09 de dezembro) o primeiro encontro oficial da rede no estado. A  ação  foi realizada na Universidade Católica Dom Bosco.

O evento foi totalmente organizado de forma colaborativa, com os seus integrantes elaborando as atividades a serem desenvolvidas, mobilizando parcerias e fazendo divulgação.

Participantes Encontro Rede de Leitura Inclusiva de Mato Grosso do Sul.

Participantes Encontro Rede de Leitura Inclusiva de Mato Grosso do Sul.

Na parte da manhã houve apresentações das experiências inclusivas da Secretaria Estadual de Educação, Fundação Dorina Nowil, Instituto Federal de Mato Grosso do Sul,  Universidade Católica Dom Bosco, COPED/SAS – Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência e ISMAC.

Fundação Dorina Nowill apresenta a Rede de Leitura Inclusiva pelo Brasil

Fundação Dorina Nowill apresenta a Rede de Leitura Inclusiva pelo Brasil

Além da apresentação das práticas o público participante pôde fazer questionamentos e reflexões sobre as ações inclusivas existentes.

No período da tarde foram realizadas as oficinas de:  Leitura Inclusiva, Contação de Histórias e MEC Daisy.

Menos como encerramento o evento foi um pontapé inicial para a abertura de diálogo para 2015, e desde já contou com a união de diversas  organizações.