Acontece

Descrição da imagem: banner virtual na cor azul com o texto "2º Encontro Nacional da Rede de Leitura Inclusiva". Nas extremidades há pontos coloridos interligados.
Acontece

Ler, incluir e transformar: quando os nós em rede se conectam e promovem a leitura para todos

Há 73 anos atrás, nascia um sonho em páginas brancas cheias de pontinhos. Ele foi crescendo e se transformando em sons e em tecnologias. Em 2019, ele já é uma realidade e congrega muitos outros sonhadores pelo Brasil, conectados pela Rede Nacional de Leitura Inclusiva. Para conhecer mais sobre essa história, a Fundação Dorina Nowill para Cegos realiza o  2º Encontro Nacional de Leitura Inclusiva, reunindo os parceiros promotores da leitura das cinco regiões brasileiras que participam deste projeto iniciado em  2013. O evento é gratuito, acontece entre os dias 7 e 9 de agosto em São Paulo e traz em sua programação o lançamento da pesquisa Cenários sobre a Leitura Acessível no Brasil, desenvolvida junto com o Instituto Data Folha, além de painéis inspiradores sobre leitura inclusiva em diferentes territórios e conversas com escritores convidados. A programação aberta ao público será no dia 9 de agosto e terá a presença do ator e escritor Lázaro Ramos numa manhã de “Conversas sobre os meus livros” com editores, bibliotecários, educadores e leitores. Participe! Contamos com a sua participação neste diálogo! Clique AQUI  para se inscrever. As vagas são limitadas! Programação: – Abertura poética com Kiara Terra Kiara é escritora e contadora de histórias, criou o método de narração chamado A História Aberta, que são narrativas colaborativas que estimulam a participação do público. – Apresentação da Rede Nacional de Leitura Inclusiva Uma sociedade inclusiva em construção, com Angelita Garcia e Perla Assunção, da Fundação Dorina Nowill para Cegos. – Painel 1: Gente que põe a Leitura Inclusiva na Agenda Pública Experiências das Redes de Leitura Inclusiva de Sergipe, com Maria Caitana Lima Mota; e Santa Maria (RS), com Maria Esther Gomes de Souza. – Painel 2: Gente que faz histórias e livros inclusivos “Nega Lilu”, editora goiana que já nasce inclusiva, apresentada pela sua criadora, Larissa Mundim. – Painel 3: Gente que escreve pra gente, que adora ler! Bate-papo com o ator e escritor Lázaro Ramos e parceiros das Redes de Leitura Inclusiva do Acre (Héliton Nascimento) e da Bahia (Ednilson Sacramento) Onde: Hotel Radisson Paulista. Alameda Santos, 85, Paraíso. Quando: 9 de agosto de 2019, sexta-feira, das 8h30 às 12h. Acessibilidade: O evento contará com intérpretes de Libras e audiodescritores.

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de mulher segurando microfone na altura da boca de uma moça que tateia papel em branco. À frente delas há um grupo de pessoas sentadas em cadeiras universitárias.
Acontece

A vida imita a leitura: Conheça histórias para todos e sobre todos

Que jeito melhor de falar sobre leitura acessível do que com histórias de inclusão? Foi o que se leu e se ouviu na 3ª edição das Olimpíadas de Leitura Inclusiva, uma iniciativa do Colégio Vicentino Padre Chico, referência em educação inclusiva de pessoas videntes e com deficiência visual na capital paulista. A ideia partiu de Ana Maria Rosalini, coordenadora pedagógica do colégio há quatro anos. “Todos me chamam de Rosalini, porque o nome da diretora também é Ana Maria.”, conta ela, risonha. A competição acontece anualmente desde 2016 e envolve todo o colégio, do infantil ao Ensino Fundamental. “Todos participam como conseguem, lendo em tinta ou em Braille, recitando parlendas ou poesias.”, explica Rosalini. A olimpíada é dividida em três etapas. Primeiro, Rosalini e a professora de português Luciana Ruiz visitam as turmas e pedem que os alunos apresentem algum livro que estejam lendo. As duas desempenham o papel de jures e escolhem três alunos de cada turma para a semifinal, realizada no auditório do colégio, etapa em que os finalistas se apresentam para o resto da escola. O mesmo acontece na grande decisão, na qual os Ensinos Fundamentais I e II recebem cada qual três vencedores: um vidente, um com baixa visão e um cego – não existe 1º, 2º e 3º lugar. Nas duas etapas finais da 3ª edição, ocorridas nos dias 11 e 14 de setembro de 2018, foi proposto que os alunos que já sabiam escrever lessem histórias de sua própria autoria. Na semifinal, o texto devia falar sobre o primeiro dia da criança no colégio, e na última etapa coube a cada aluno apresentar uma breve biografia de si mesmo. Para Luciana, que leciona há 15 anos no colégio mantido pelo Instituto de Cegos Padre Chico (este completou 90 anos de existência em 2018), as Olimpíadas representam não apenas mais um estímulo à leitura (todos os dias, os estudantes leem por 15 minutos um título escolhido por eles na biblioteca), como também um registro da inclusão na prática. “Quando cheguei ao colégio, ainda só tínhamos alunos com deficiência visual. Em 2010 foi que começamos a receber estudantes videntes e, além da alegria de acompanhar essa transição, os relatos lidos por eles são de crianças que realmente gostam da escola na qual estudam.”, diz Luciana. Gotas de alegria As Olimpíadas de Leitura contam com o apoio da Rede Nacional de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina. O Grupo divulga a iniciativa entre seus parceiros e realiza a doação de materiais que podem se tornar prêmios para os vencedores – como livros em formato acessível. Além disso, membros da Rede sempre são convidados a assistir à competição ou a atuar junto à comissão julgadora. Foi o caso de Adriana Rafael, bibliotecária e integrante do Comitê de Inclusão do Senac Tiradentes. Ela passou a fazer parte da Rede após uma visita à Fundação Dorina, em 2015. “Queríamos incorporar a

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de pessoas sentadas em roda. Duas delas estão de pé.
Acontece

Educação e Cultura POP: Como surge o desafio da inclusão na prática

Quando eu, Lucas Borba, fui convidado a participar de uma mesa da 4ª Festa Literária de Cidade Tiradentes (FLICT), na capital paulista, realizada em 28 de outubro, fiquei honrado. Afinal, além do reconhecimento implícito no convite, falar um pouco do meu trabalho como youtuber no canal Câmera Cega, voltado ao cinema e à cultura pop sob a perspectiva de um jornalista com deficiência visual, foi uma grande oportunidade não apenas de acompanhar pessoalmente uma ação articulada em parceria com a Rede de Leitura – tanto como correspondente da Fundação Dorina quanto como produtor independente de conteúdo -, mas também de compartilhar ideias e experiências com o público e com meus colegas de mesa. Mais do que isso, porém, ao final do encontro senti-me desafiado a ir ainda além. Sim, porque é fascinante como as palavras “acessibilidade” e “inclusão” trazem na prática um novo desafio quando menos se espera, inclusive expondo que o sujeito a ser incluído também deve saber incluir – ou, pelo menos, buscar como fazê-lo. Desafio que ressurgiu a mim personificado em uma de minhas colegas de mesa, a quadrinista com deficiência auditiva Juliana Loyola, mais conhecida como Ju Loyola. Ela trabalha com o que chama de “narrativas silenciosas”, já que não possuem uma única palavra. As histórias são contadas única e exclusivamente com o poder das imagens, das expressões faciais e gestos dos personagens. Nem sempre foi assim, no entanto. Juliana nasceu com deficiência auditiva devido à rubéola da mãe na gravidez. A limitação auditiva, entretanto, só foi descoberta quando ela tinha três anos de idade. A paixão por quadrinhos e mangás surgiu ainda na infância, com clássicos que iam de Turma da Mônica a Mandrake e Fantasma. Quando a busca profissional bateu à porta, tentou direcionar seu talento com os traços para o desenho de próteses dentárias, mas ao interagir com alguns quadrinistas teve certeza do que tinha nascido para fazer. Por ser o que se chama de “surda oralizada”, que aprendeu a se comunicar por leitura labial – embora também o faça na Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) -, Juliana começou esboçando quadrinhos com balões de diálogo, mas se deparou com o complexo universo de conjugações verbais da língua portuguesa, bem diferente da estrutura mais simples de frases em LIBRAS. Foi então que ocorreu à autora não apenas trabalhar com seu mundo silencioso, mas ampliar ainda mais o público que poderia ler suas obras, com uma forma de expressão que perpassa idiomas e culturas. O trabalho de Juliana já acumula prêmios importantes a nível internacional e sua meta é ser publicada em uma editora japonesa. O desafio ao qual me referi no começo deste artigo surgiu de repente, enquanto minha colega e eu falávamos de nossos trabalhos e respondíamos às eventuais perguntas do público – ela apoiada por Nathali, sua irmã e intérprete. Ocorreu-me que, embora nós dois presidíssemos a uma mesa acerca da produção

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de 11 pessoas perfiladas, de mãos dadas e braços pra cima. Elas estão num palco.
Acontece

Cultura Acessível: Descubra o papel da arte na luta pela inclusão

“Acredito que a verdadeira inclusão só acontece quando os dois lados da moeda trabalham para isso, quem deve incluir e quem deseja ser incluído.”   As palavras são da goianiense Fátima Eugênio, uma pessoa com deficiência visual que desde a infância foi apaixonada pelo teatro e, por meio dessa arte, inclui os outros e a si própria. Ela iniciou os estudos no já extinto Instituto Artesanal dos Cegos, um colégio interno como aquele no qual concluiu o Ensino Fundamental após viajar para a capital gaúcha, o Instituto Santa Luzia Fátima só retornaria à Goiânia para iniciar o Ensino Médio, ingressando em uma escola regular, com alunos videntes. Após graduar-se em Rádio e TV, prestou concurso público e, atualmente, divide seu tempo entre o trabalho na Secretaria Estadual de Saúde e as aulas de teatro, canto e violão pela Associação dos Deficientes Visuais do Estado de Goiás (ADVEG). No que diz respeito ao teatro, Fátima frequenta dois grupos. Um possui apenas integrantes com deficiência visual e, no outro, chamado Vai Idade – não por acaso, já que é exclusivo para pessoas a partir dos quarenta anos -, ela é a única nessa condição. “Interpreto, inclusive, personagens sem deficiência visual, o que rompe barreiras e torna tudo mais natural quando se fala em teatro.”, explica. A atriz esteve presente ao encontro da Rede de Leitura dedicado ao tema Acessibilidade Cultural, no Teatro Basileu França do Instituto Tecnológico de Goiás (ITEGO), em 23 de outubro. “Conheci a Rede durante um evento em São Paulo e foi um grande prazer intermediar o contato entre a representante da Fundação Dorina e a coordenadora do meu grupo de teatro, a Joana d’Arc, para um encontro tãoproveitoso em discussões sobre o acesso do público com deficiência às programações culturais.”, declara Fátima. Isso mesmo, Joana d’Arc, igual a heroína francesa que foi queimada na fogueira. “Minha mãe não conseguia engravidar e, por influência da minha avó, que era devota de Joana d’Arc, ela prometeu que se tivesse uma menina daria esse nome à criança. Nem preciso de um nome artístico.”, brinca Joana, que cresceu no interior de Goiás e tem a avó como principal referência na arte de contar histórias. A paixão por boas narrativas e, mais do que isso, pelo conto oralizado, a levou ao curso de letras, à contação de histórias e ao teatro. A coordenadora lembra como encarou a chegada de Fátima ao Vai Idade. “Queria que ela se sentisse integrada ao grupo e ele a ela. Hoje, as pessoas nem percebem que ela é cega nas apresentações.”, afirma. Do livro ao leitor Quem também esteve presente ao encontro, que incluiu um bate-papo sobre audiodescrição e leitura acessível, foi a jornalista e escritora Larissa Mundin, criadora da editora independente Nega Lilu. Durante a tarde, a autora contribuiu com a segunda parte do evento na Biblioteca Braille José Álvares de Azevedo. Larissa relata que a editora

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de quatro pessoas sentadas, olhando para uma mulher de pé. Ao lado direito há uma mesa com um cartaz escrito "Aqui tem Agosto das Letras 2018 - Festival de Leitura da Paraíba"
Acontece

Encontro em Paraíba: Conheça histórias de protagonismo pela inclusão

“Temos que mostrar as nossas capacidades.”, diz o paraibano Robson Silva acerca do universo da pessoa com deficiência e, mais especificamente, da deficiência visual. Não por acaso, já que nasceu com retinose pigmentar e, aos quinze anos, perdeu completamente a visão. A retinose hereditária também afetou seus três irmãos. Natural da cidade interiorana de Bananeiras, o quarteto encontrou dificuldades na escola. “Eu sabia responder às questões, mas assinalava no lugar errado e o professor não entendia”, lembra Silva. O problema persistiu até os anos 2000, quando ele completou quinze anos. “Fiquei totalmente cego e acompanhava as aulas só de ouvido, enquanto respondia às questões oralmente. Era horrível, mas daí viram que eu sabia as respostas e finalmente comecei a avançar nos estudos.”, relata. O atraso fez com que, em 2008, o rapaz decidisse migrar sozinho para João Pessoa. Lá, além de ser instruído no sistema de leitura e escrita Braille, no uso da bengala e no universo da informática por meio do Instituto dos Cegos da Paraíba Adalgisa Cunha (ICEPAC), completou o Ensino Médio, prestou vestibular e graduou-se em direito pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Hoje, Silva é Secretário Geral e membro da Diretoria Jurídica da Associação Paraibana de Cegos (APACE). Ele é casado e, nas horas vagas, pratica goalball, uma modalidade esportiva específica para pessoas com deficiência visual. Integrante do Grupo de Trabalho (GT) do seu Estado pela Rede Nacional de Leitura Inclusiva, Silva foi um dos ministrantes do 3º Seminário de Acessibilidade da Paraíba, realizado na capital em 31 de agosto, no Espaço Cultural José Lins do Rego, e que contou com a presença de estudantes de áreas distintas, professores, bibliotecários, do Promotor do Ministério Público Estadual da Paraíba e da Promotoria do Cidadão. Leitor voraz, o Secretário conta que estuda o Braille até hoje. “Para um jovem ou adulto que perde a visão, é mais difícil aprender a leitura tátil do que para uma criança com deficiência visual, mas me dediquei muito e, com o apoio de um grande amigo que também é cego, consegui dominar o código.”, explica. Silva ainda destaca o papel da era digital para a leitura acessível e a importância de eventos como o Seminário. “O Braille é indispensável para a alfabetização de crianças com deficiência visual, mas a leitura digital amplia e facilita o acesso à essa forma única de informação e cultura. E é incrível participar de um evento como esse, com pessoas que tanto lutam pela causa.”, afirma. No dia anterior ao Seminário, ocorreu também o evento Acessibilidade na Praça, graças ao intenso trabalho conjunto de mobilização dos parceiros locais da Rede. A iniciativa ocorreu na Praça da Paz, que é a mais movimentada de João Pessoa, e teve como objetivo trazer à tona, de um jeito divertido – mas, ainda assim, provocativo -, a questão da falta de acessibilidade que geralmente há nesses locais à pessoa com deficiência

CONTINUE A LEITURA
Descrição de imagem: foto de duas mãos sobre uma página em braille.
Acontece

Diversidade e inclusão: Descubra a importância da atitude no acesso à leitura

Quando falamos em acessibilidade, podemos dividi-la em algumas categorias, tais como: Acessibilidade Arquitetônica, Comunicacional, Atitudinal, entre outras. Esta última, porém, é a base para as demais, já que a atitude deve nortear ações de inclusão em todos os segmentos, inclusive no acesso à leitura. E foi a atitude que levou a pedagoga Juliana Gaudêncio a se especializar na educação de pessoas com necessidades específicas. Desde 2015, ela trabalha como analista no Setor de Educação Inclusiva do SENAC, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Este ano, assumiu a coordenação da área. “A inclusão deve ir além do cumprimento de legislações. Temos de abranger um universo onde cada um seja envolvido no respeito à diversidade, porque diversos somos todos nós.”, afirma a pedagoga. Foi com esse ideal em vista que Juliana mediou a realização de uma oficina promovida pela Rede de Leitura da Fundação Dorina Nowill para Cegos em uma das unidades do SENAC na capital mineira, em 12 de julho. Com o objetivo de promover um diálogo sobre leitura inclusiva, o encontro contou com mais de 30 participantes e incluiu bibliotecários, professores e colaboradores de outras unidades da instituição. “Temos muitos alunos com deficiência visual. O trabalho em rede que foi apresentado nos fez perceber o quanto estas parcerias são benéficas para o acesso à leitura nos diferentes espaços e, consequentemente, para a educação.”, relata Juliana. Inclusão na prática O trabalho em rede ao qual Juliana se refere acontece a partir de grupos parceiros em diferentes Estados do país. Essa dinâmica já é bem conhecida de uma das pessoas presentes na oficina: a Assistente Social Alice Meireles, parceira da Rede desde 2015. Há 11 anos, ela integra a equipe da Associação de Cegos Luiz Braille de Belo Horizonte, anexa ao Lar das Moças Cegas. Alice também é amiga de surdos e a instituição aonde ela trabalha atende pessoas cegas e com baixa visão que podem ter outras deficiências (intelectual, física, etc.). Por isso, a Assistente Social percebe na prática o quanto a sociedade ainda deve evoluir ao pensar em acessibilidade. Segundo ela, a leitura digital é um grande avanço, já que muitos cegos não leem Braille, mas ela acredita que ainda temos um longo caminho pela frente. “Quando falamos em leitura, temos de pensar no público surdo, que tem dificuldade com o português, em autistas e em outros casos, que exigem formas alternativas de comunicação. Sem falar em um calçamento ou acesso adequado para todos que desejam ir a uma biblioteca.”, diz Alice.

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de uma mulher falando ao microfone. Atrás dela, um telão com o logotipo da Rede Nacional de Leitura Inclusiva.
Santa Catarina

Membros da Rede Nacional de Leitura Inclusiva se encontram na nona edição do SENABRAILE

Qual o papel do bibliotecário na sociedade? Essa é a pergunta que impulsiona a atuação de Adriana Ferrari, presidente da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários (FEBAB), inclusive no ativismo pelo acesso à leitura. A mesma pergunta que a inspirou, por exemplo, a idealizar e coordenar o projeto da Biblioteca de São Paulo, que abre em finais de semana e feriados. “Quando falamos na leitura para todos, além de um acervo gratuito e em formatos acessíveis temos de pensar nas condições de deslocamento do público até esse material.”, diz a bibliotecária. Foi com naturalidade, portanto, que Adriana esteve à frente da nona edição do Seminário Nacional de Bibliotecas Braille (SENABRAILLE), promovido pela FEBAB nos dias 12 e 13 de julho, em Florianópolis, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Iniciado em 1995, o SENABRAILLE busca a troca de experiências e a apresentação de projetos de bibliotecários e educadores, com ênfase no atendimento a pessoas com deficiência visual. Segundo Adriana, o evento conseguiu ser mais abrangente do que em edições anteriores. “Em termos de conteúdo, o encontro correspondeu às expectativas, com apresentações e discussões inspiradoras e sobre deficiências distintas, além da visual.”, afirma a bibliotecária. Uma das apresentações do seminário foi de uma das representantes da Rede Nacional de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos, que falou das ações realizadas em parceria com os Grupos de Trabalho (GT’s) de diferentes regiões do país. Representantes dos GT’s também marcaram presença e confraternizaram em um espaço paralelo ao evento. “A reunião dos GT’s permitiu não apenas um primeiro contato presencial entre os integrantes, mas, também, que eles compartilhassem as realidades vivenciadas por cada um em seus espaços de atuação.”, explica Perla Assunção, que apresentou a Rede de Leitura durante o SENABRAILLE. Um desses integrantes é o pedagogo com deficiência visual José Carlos, o mais novo membro da Rede. Presidente do Conselho Escolar do Centro de Educação de Jovens e Adultos de Florianópolis e dono do primeiro cão guia do Estado de Santa Catarina, em 1997, Carlos sabe da importância do trabalho conjunto pela inclusão e pelo acesso à leitura. “Fico honrado em integrar a Rede de Leitura. Acredito que uma causa como a nossa precisa dessa articulação a nível nacional, mas que, ao mesmo tempo, fortalece cada membro em sua região.”, declara.

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de sete pessoas de pé, olhando pra frente e sorrindo. Duas delas seguram bengalas. Na parede atrás deles há um retrato em preto e branco de Dorina Nowill sorrindo.
Acontece

A história de uma jornada pelo acesso à Leitura

Graças ao projeto Leitura Digital Acessível, realizado pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura e Fundação Dorina Nowill para Cegos, com patrocínio da White Martins e Fox Conn, a Rede Nacional de Leitura Inclusiva pôde escrever mais este importante capítulo na história da busca por um mundo cada vez mais inclusivo – o grande ideal de nossa presidente emérita e vitalícia, Dorina de Gouvêa Nowill. Visando ampliar o acervo acessível de bibliotecas e escolas públicas do Estado de São Paulo, o projeto permitiu a produção e distribuição de mil kits com 12 obras – 3 títulos infantis, 3 infanto-juvenis, 3 Best-sellers e 3 histórias em quadrinhos – no formato Daisy, totalizando 12 mil livros. As obras nesse formato digital tornam possível o acesso da pessoa com deficiência visual – cega e com baixa visão – a materiais compostos não apenas por textos, mas, também, por imagens, gráficos, tabelas, já que permitem a inserção de recursos de apoio, como descrições de imagens e de arquivos de áudio, além de contar com opções de ampliação e contraste da letra. E para que esse material seja devidamente apreciado por muitos leitores, representantes da Rede de Leitura realizaram oficinas gratuitas de capacitação em 10 cidades do Estado de São Paulo, destinadas, principalmente, a bibliotecários e educadores da rede pública, mas abertas a todos. Além de propor uma sensibilização sobre a importância do acesso à leitura e da inclusão social, as oficinas permitiram a interação dos participantes com o kit de livros acessíveis e com o programa de leitura digital desenvolvido pela Fundação Dorina para o formato Daisy, o DDReader, disponível para computadores e smartphones. A resposta do público ultrapassou as expectativas, já que alguns encontros também contaram com participantes de cidades próximas. Com isso, foram 35 municípios beneficiados. Segundo Angelita Garcia, uma das representantes da Rede de Leitura, as oficinas demonstraram a importância da capacitação a profissionais realmente interessados na leitura acessível e na causa da inclusão. “Levando-se em conta, por exemplo, o número de pessoas com deficiência visual que não aprenderam o sistema de leitura e escrita Braille, um projeto como esse possibilita um acesso mais democrático aos livros e o público das oficinas ficou motivado a se apropriar do DDReader, tanto para uso próprio quanto para disseminar esse recurso em seus espaços de atuação”, afirma. Para divulgar o projeto, as representantes da Rede de Leitura também visitaram quatro organizações que atendem pessoas com deficiência visual: o Lar das Moças Cegas, de Santos; o Instituto de Cegos, de Presidente Prudente; a Para-DV, de Araraquara; e a Fundação do Livro, em Ribeirão Preto. Essas interações geraram importantes desdobramentos para a Rede, como convites para integrar eventos e desenvolver novas ações em prol da leitura inclusiva. Podemos dizer, portanto, que esta jornada pelo acesso ao conhecimento foi um grande processo e, ao que tudo indica, foi só mais um

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem
Acontece

Biblioteca Maria Firmina dos Reis inaugura acervo acessível

Casinhas acolchoadas e uma grande árvore baobá esculpida em madeira, típica do continente africano, embaixo da qual, tradicionalmente, os mestres griôs sentam para contar histórias. Estes elementos se destacam na ambientação da Biblioteca Maria Firmina dos Reis, que fica em Cidade Tiradentes, na capital paulista, uma região marcada pela luta histórica por habitação – abriga o maior complexo de conjuntos da América Latina, beirando a 40 mil unidades – e é composta por uma população predominantemente negra e nordestina. Foi mantendo a decoração simbólica que, no dia 29 de junho, a biblioteca comemorou mais uma conquista para a comunidade, com a inauguração de um acervo acessível de livros em Braille e em fonte ampliada para pessoas com deficiência visual. O material foi doado pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, que enviou uma representante da Rede de Leitura Inclusiva e um de seus comunicadores ao evento. Parte do público beneficiado pelo acervo frequenta o Centro Especializado em Reabilitação (CER, II Guaianases) – que atende pessoas com deficiência visual e auditiva – e constituiu a maioria dos participantes da inauguração. Também foram eles os organizadores de um Sarau Acessível para a ocasião, que incluiu a leitura em Braille e a declamação de poemas, bem como apresentações de dança e música ao som da Escaleta de dona Iolanda, com modas típicas do folclore nordestino, como a clássica Asa Branca. Durante todo o espetáculo e mesmo no bate-papo que se seguiu, era palpável a alegria e o contentamento daquela gente com histórias tão adversas, de luta e superação. Histórias como a de José Nascimento, o Seu Zeca, que a todo instante vibrava e aplaudia os presentes com grande entusiasmo. Seu Zeca possui deficiência auditiva parcial e, no dia do evento, esqueceu de levar o aparelho auditivo, o que não o impediu de acompanhar as apresentações e falas dos outros convidados. Há 10 anos, ele migrou do nordeste para a capital paulista junto da irmã, que possui deficiência visual, em busca de melhores condições de vida. “A união faz a força!”, reafirmou durante sua fala no bate-papo, referindo-se à troca de conhecimentos entre os frequentadores do CER. “Quem sabe o Braille ajuda a ensinar quem ainda não sabe, e o mesmo vale para outras atividades, como o crochê e a música”, explica Seu Zeca. Para a coordenadora da Biblioteca, Charlene Lemos, o evento representa um passo fundamental para um espaço público de acesso à informação e à cultura. “Nosso objetivo é atender a todos os públicos. Sabemos que ainda existem desafios pela frente, mas, com a inauguração desse acervo, começamos a suprir uma importante demanda local”. Charlene cresceu nas imediações do espaço e relembra que, em 2017, recebeu pela primeira vez uma visita dos alunos do CER. “Iniciamos um programa de cultura quinzenal com o grupo, mas não tínhamos livros com acessibilidade. Foi então que entrei em contato com a Fundação Dorina e expus a

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de um grupo de 20 pessoas sentadas em um semicírculo. À frente deles há uma mulher de pé e um telão com o logotipo da Fundação Dorina.
Acontece

Da escola à Biblioteca

Essa era uma rota percorrida diariamente por Eliana Hashimoto, 46, durante a infância. De Agatha Christie a Sherlock Holmes, devorava um livro policial atrás do outro. “Eram meus preferidos. Na época, livros também eram muito baratos e vendidos nas bancas de jornal. Eu comprava todos”, relembra ela. Natural da cidade de Cajati, Eliana dedicou-se à enfermagem até os 29 anos de idade, quando foi afastada da profissão devido a um diagnóstico de retinose pigmentar. Sua visão foi diminuindo aos poucos, até estacionar. Foi assim que ela passou a se enquadrar entre os cerca de 6 milhões de brasileiros com baixa visão. Mesmo aposentada, porém, Eliana seguiu mais ativa do que nunca, sempre envolvida em ações de militância pela inclusão da pessoa com alguma deficiência – incluindo a visual. Tampouco abandonou o contato com os livros. Ela conta que, de início, a leitura se tornou um problema. “Consigo identificar letras grandes, mas elas não são mais como antigamente, têm muitos detalhes e depois de algumas páginas fico bem cansada”, explica. A solução apareceu quando Eliana, por meio da Associação Beneficente São Lucas, descobriu o audiolivro ou livro falado, com um acervo que incluía títulos produzidos pela Fundação Dorina Nowill para Cegos. “De início, achei difícil me concentrar nas histórias apenas ouvindo, mas fui me acostumando e hoje escuto um depois do outro”, afirma. Foi por isso que, ao saber da oficina sobre leitura digital acessível que a Rede de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina promoveria na cidade de Bragança Paulista, em 15 de junho, com o apoio da Secretaria de Cultura e Turismo, Eliana não deixou de comparecer. Chamou a atenção da leitora o predomínio de educadores presentes no evento, bem como a apresentação do programa de leitura acessível criado pela Fundação Dorina, o DDReader. “Acredito que a oficina foi destinada ao público certo. Além do debate sobre o acesso à leitura para todos, penso que o DDReader supre uma demanda de estudantes com deficiência visual, que precisam marcar e buscar trechos de textos longos, recursos que ainda não encontramos de forma tão acessível em programas tradicionais”, observa ela. Um dos educadores presentes à oficina foi a pedagoga Cecilia Jorge, 59, que atende alunos com deficiência visual na Associação São Lucas e foi quem convidou Eliana para o encontro. Cecilia, que também atua com outras deficiências na Rede Municipal, trabalha desde Orientação e Mobilidade com seus alunos, que visa a locomoção independente da pessoa com deficiência visual, até o ensino do sistema Braille e o estímulo de quem tem baixa visão. “É importante que o aluno com alguma parcela de visão aprenda como utilizá-la da melhor forma possível. No caso da leitura, geralmente começamos com letras maiores e, aos poucos, vamos reduzindo, de modo que a pessoa se adapte ao tamanho que realmente é ideal para ela”, explica a pedagoga. Cecilia recebeu um convite da Secretaria de Cultura para a oficina

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de um grupo de pessoas sentadas em um semicírculo. À frente deles há uma mulher de pé.
Acontece

De um castelo medieval À Mogi-Mirim: Contador de histórias participa de oficiina sobre literatura acessível

História e arte povoam o cotidiano do pedagogo Almir Rogério Ferraz, 35. Ele é Coordenador Pedagógico na Escola Estação Municipal de Apoio ao Atendimento Integral à Criança (EMAIC), pela Rede Municipal de Pirassununga. A escola desenvolve atividades recreativas e lúdicas para alunos da Rede, como teatro, dança e contação de histórias. Um dos atrativos da Estação é o EMAIC-Castelinho, construção de 80 anos que imita um castelo medieval. É nesse ambiente que Ferraz também desempenha sua formação como ator. “Adoro a relação humana que a educação envolve e um bom exemplo disso é interpretar a leitura de uma história”, declara o pedagogo. Foi essa relação com os livros que levou Ferraz até a oficina sobre Leitura Digital Acessível, promovida pela Rede de Leitura da Fundação Dorina Nowill para Cegos, em parceria com a Secretaria de Educação de Mogi-Mirim, cidade localizada a 87 quilômetros de Pirassununga. O ator conta que, além de interagir pela primeira vez com um livro acessível por meio do programa de leitura da Fundação Dorina, o DDReader, pôde debater sobre o acesso à informação e à cultura com pessoas inseridas em realidades profissionais distintas. “O público predominante na oficina era de educadores, cada um com as próprias ideias, vivências e dúvidas, mas também tivemos a presença de um produtor cultural, que agregou muito para a conversa com o seu ponto de vista.”, explica Ferraz. O produtor cultural ao qual o pedagogo se refere é Lucas Silveira Delfino, 28. Natural de Pirassununga, aos 18 anos Delfino mudou-se para a capital paulista afim de cursar publicidade. Em paralelo, dedicava-se à sua paixão desde a infância: o teatro musical. “Eu fazia cursos livres e assim fui acumulando bagagem. Em 2009, a escola de teatro onde eu estava resolveu abrir uma produtora e foi assim que iniciei minha profissão atual”, relata ele. Delfino retornou à cidade natal, onde, além de atuar como produtor, dedica-se à contação de histórias para crianças, como Ferraz. Foi um convite do pedagogo, aliás, que também levou Delfino à oficina da Rede de Leitura Inclusiva. Mesmo adepto da interpretação oral na contação de histórias, o ator destacou a importância de outros formatos além do audiolivro. “Ouvir uma história não tem preço, mas uma criança ou adulto com deficiência visual tem o direito de ler um livro sem uma interferência externa. Também adorei o livro no formato tinta-braille, porque além de alfabetizar ele aproxima crianças videntes e cegas”, observa Delfino, e acrescenta: “Leis como a LBI são louváveis para a acessibilidade, mas sempre existiram pessoas diferentes umas das outras, então só lamento que a inclusão ainda não seja um processo natural”. Leitura inclusiva Seja você uma pessoa com deficiência visual adepta do livro digital, em Braille ou do audiolivro, confira o portal de leitura da Fundação Dorina, o Dorinateca. Além de contemplar pessoas com deficiência visual, o espaço também é voltado a escolas, bibliotecas e associações, possibilitando até

CONTINUE A LEITURA
Descrição de imagem: foto de duas mãos sobre uma página em braille.
Acontece

Histórias de inclusão se encontram na 45ª Feira do Livro de Santa Maria

Seja em um filme, nas poucas linhas de um blog, jornal, revista ou mesmo ao longo das páginas de um livro, encontramos recortes narrativos da vida de alguém, de um certo episódio ou evento histórico, visando o que há de mais importante a ser dito. No caso deste texto, por exemplo, poderíamos dizer que o encontro das histórias do pedagogo com deficiência visual total, Cristian Sehnem, 42, e da Fundação Dorina Nowill para Cegos começou na ação da Rede de Leitura Inclusiva realizada no dia 8 de maio, com o apoio do Grupo de Leitura Inclusiva RS/Centro, durante a 45ª Feira do Livro de Santa Maria. A verdade, porém, é que uma história passou a fazer parte da outra ainda em 2001, quando Sehnem começou a trabalhar na Biblioteca Central da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), cidade onde residia na época. “Eu era responsável pelo acervo acessível, grande parte fornecido pela Fundação Dorina. Foi quando passei a conhecer e me aprofundar na leitura inclusiva”, lembra o educador. Em 2015, já atuando no Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Sehnem participou de um seminário na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), durante o qual foi integrado a Rede de Leitura da Fundação Dorina e ajudou a articular o Grupo de Leitura na região de Santa Maria. “Desde então, fazemos pelo menos dois eventos de leitura inclusiva por ano aqui e, com ações como a realizada na Feira do Livro, a ideia é mostrar que a limitação não está nas pessoas com deficiências como a visual, mas, sim, no meio social”, explica o pedagogo. A ação na Feira incluiu uma série de atividades, como contação de histórias em formato acessível para crianças da Rede Municipal, uma exposição de equipamentos e materiais para acessibilidade (máquina Braille, lupa, sorobã, notebook com softwares para escrita e leitura, entre outros) e uma roda de conversa entre leitores com deficiência visual. Segundo uma das representantes da Rede de Leitura Inclusiva, Angelita Garcia, no ano anterior a ação foi realizada em um espaço paralelo ao da Feira. “Instiguei nossos parceiros em Santa Maria a investir em um passo além, para que pudéssemos falar da importância do acesso à leitura inclusiva no próprio evento e, este ano, eles conseguiram.”, diz Angelita. Escrevendo a própria história Não existem leitores sem escritores. Por sorte, existem pessoas como a também educadora Maria Esther Gomes de Souza, 45, que não deixa o mundo ficar sem boas histórias, incluindo a dela própria. Parceira do Grupo de Leitura na Secretaria Estadual de Educação, Maria é escritora e tem deficiência auditiva adquirida (surdez parcial). Em 1991, ela formou-se em Magistério de 1º a 5º ano e em Educação Especial em 1997. Desde então, trabalhou sempre com essa especialização na Rede Pública e em abrigo de menores. Também foi voluntária na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) por 20

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de um homem manuseando um celular. Outro homem ao lado dele observa o aparelho.
Acontece

Os livros não incluem o mundo, quem inclui o mundo e os livros são as pessoas

Essa adaptação da famosa máxima do poeta Mário Quintana bem poderia ser de autoria da pedagoga Milena Bertoni Romera, 40, levando-se em conta o sentido que o termo “inclusão” possui para a educadora. Há 13 anos, Milena presta atendimento pedagógico especializado a crianças e adolescentes com deficiência visual associada ou não a outras deficiências, no Centro de Reabilitação Visual (CRV) de São José do Rio Preto, preparando os alunos para frequentar uma escola regular. “Existem escolas que acreditam que inclusão se resume a aprender a ler e a escrever, mas esquecem de estimular a autonomia e as relações interpessoais”, afirma a pedagoga. Milena já é parceira anual da Rede de Leitura da Fundação Dorina Nowill para Cegos e apoiou a oficina A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy, realizada na sede do CRV em 25 de maio. Ela acredita que programas como o DDReader, desenvolvido pela Fundação Dorina e apresentado na oficina, representam, justamente, o respeito à adversidade. “Ainda que o Braille seja indispensável para a alfabetização de crianças com deficiência visual, existe aquele público que perdeu a visão total ou parcialmente ao longo da vida e que precisa de formas alternativas de acesso à leitura. Além disso, comercialmente falando e também pensando no contexto universitário, o livro digital ou mesmo o audiolivro é mais viável do que o Braille”, explica. Adversidade também é uma palavra comum ao cotidiano da pedagoga Sirlei Maria Montes, 52. Ao contrário de Milena, porém, Sirlei é uma pessoa com deficiência visual total, em decorrência de um descolamento de retina, aos 14 anos de idade. Inspirada pela educadora Tânia Resende, resolveu dedicar a vida a ensinar pessoas em condição visual idêntica ou semelhante. Há 22 anos, ela atua tanto na rede estadual, prestando atendimento a crianças e jovens com deficiência visual em uma sala de recursos (atividade complementar ao ensino regular), quanto em âmbito acadêmico, lecionando pedagogia em duas faculdades. Enquanto educadora, Sirlei trabalha com múltiplas ferramentas para ajudar o aluno e desempenhar sua função com maior praticidade. Além do Braille, a pedagoga instrui os estudantes no uso do sorobã, um tipo de ábaco muito útil a pessoas com deficiência visual para cálculos matemáticos, e recorre ao computador tanto no caso de crianças ou jovens com baixa visão como para fazer anotações. Após interagir com o DDReader durante a oficina, Sirlei destaca que o programa é mais um agregador de possibilidades, já que contempla o público cego e com baixa visão simultaneamente. “Ser uma professora com deficiência visual é um desafio constante, porque o preconceito social ainda é grande e, a todo o instante, você tem que provar sua capacidade. Todo ser humano tem potencialidades e limitações e só precisa de um investimento nas suas competências.”, declara a educadora. Uma história real Além de contemplar a diversidade, as tecnologias também inspiram pessoas a apresentar novas ideias, inclusive em prol da leitura acessível, e

CONTINUE A LEITURA
demonstração
Acontece

Atividades sensoriais aproximam alunos com deficiência visual do universo literário

A literatura vai muito além das páginas de um livro. Ela afeta a mente e o espírito, estimula os sentidos e se molda a diferentes formatos e linguagens. Foi a partir dessa percepção que a equipe da Rede de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos, com o apoio do SENAC Tiradentes, SENAC ACLIMAÇÃO e Museu de Arte Sacra organizaram, no dia 27 de abril, um encontro com atividades sensoriais para alunos com deficiência visual do Colégio Vicentino Padre Chico. Promovido como parte da Semana SENAC de Leitura – uma ação desenvolvida em todas as unidades do SENAC do Estado de São Paulo e que, este ano, adotou como temática “Livros que viraram filmes” -, o encontro teve como foco o livro Capitães de Areia, publicado por Jorge Amado em 1939, e adaptado para o cinema pela neta, Cecília Amado, em 2011. Com essa proposta, a visita dos alunos começou com uma roda de conversa dedicada à obra de Amado. Em seguida, os estudantes foram conduzidos a uma sala com cerca de cinco metros quadrados, na qual um dos cenários do filme foi reconstruído para que os jovens com deficiência visual o explorassem com os demais sentidos. “Os alunos com algum resquício visual vendaram os olhos.”, explica a pedagoga e bibliotecária do SENAC Tiradentes, Adriana Rafael Pinto. Para a educadora, a parceria com a Fundação Dorina não é novidade, estando à frente de atividades anuais de inclusão entre as instituições desde 2015. “Eles cheiraram o perfume das rosas, tocaram composições de renda em alusão à saia típica das baianas e sentiram um chão de palha debaixo dos pés.”, conta Adriana. Para um dos estudantes do Colégio Vicentino Padre Chico, a experiência foi uma grande aventura. “A sala tinha tantos cheiros, sons e coisas pra tocar… Nunca tinha entrado em um lugar assim. Fui percebendo que tudo naquela sala fazia parte da história Capitães de Areia.”, relata. Além da visão A experiência dos alunos, porém, não terminou aí. Eles também visitaram o Museu de Arte Sacra, que abriga objetos religiosos de valor estético e histórico. Educador no museu há nove anos, Anderson Shimamoto foi um dos profissionais responsáveis por receber e guiar os estudantes durante o passeio. Como o acervo, que inclui pinturas, prataria e ornamentos diversos, não pode ser tocado em prol da preservação dos materiais, Shimamoto e os demais educadores descreveram as peças para os visitantes, além de situar cada uma historicamente. Não foi tudo, porém. “O museu possui maquetes e réplicas táteis de algumas peças e os alunos também puderam interagir com elas. Todos têm direito a uma experiência plena a partir das suas capacidades, é só uma questão de adaptar a proposta.”, declara Shimamoto.

CONTINUE A LEITURA
demonstração
Acontece

“Não sabia que existia uma lei me dando o direito de receber livros das editoras em formato acessível”

A frase é de Nayara Dionysio, 23, acerca do Estatuto da Pessoa com Deficiência, que entrou em vigor no começo de 2016. Nayara tem baixa visão e soube que contava com esse direito durante a oficina A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy, promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, no dia 18 de maio, na Secretaria de Educação de Araraquara. A jovem é estudante de psicologia e estagiária no Núcleo de Atendimento a Pessoas Especiais (NAPE), em Botucatu. Ela explica que, em seu campo de atuação, é necessário ler muito e, por quase não encontrar livros de psicologia em fonte ampliada, teve de forçar a vista durante o curso. “Nasci com toxoplasmose congênita e, clinicamente falando, tenho 15% de resíduo visual em cada olho, mas, por sorte, sempre estimulei bastante esse resíduo desde a infância”, conta Nayara. Durante a oficina, a estudante testou pelo celular o aplicativo de leitura criado pela Fundação Dorina para o formato Daisy, o DDReader, e apreciou os recursos de contraste da letra e ampliação da tela oferecidos pelo programa. Desta vez, a oficina contou com a parceria da Associação para o Apoio e a Integração do Deficiente Visual (Para-DV). Maria Helena, 61, é pedagoga e coordenadora administrativa da associação e atuou à frente dessa parceria, que, na verdade, representa só a página mais recente da história que a educadora tem com a Fundação Dorina. Tudo começou com seu filho Alex, que nasceu com deficiência visual total. Na época, Maria residia na capital paulista e, após o filho completar dois anos, passou a levá-lo à Fundação Dorina para que ele se desenvolvesse apesar da cegueira. Quando Alex completou quatro anos, porém, mudaram-se para Araraquara e enfrentaram todo o despreparo que ainda existia para a inclusão de uma pessoa com deficiência visual, do ambiente escolar a tantos outros. “Foi bem difícil, mas nos adaptamos e, em setembro de 1995, com o apoio de pais, amigos e profissionais dedicados à pessoa com deficiência visual, fundamos a Para-DV”, relata Maria. Hoje, Alex, que também esteve presente à oficina, tem 27 anos, é paratleta de natação – competindo, inclusive, no exterior – e professor de Educação Física na Para-DV. Enquanto pedagoga e mãe que acompanhou de perto a formação do filho com deficiência visual por meio dos recursos disponíveis na infância do garoto, Maria vê no DDReader um grande aliado no processo de alfabetização, complementando o que já é ensinado com o sistema Braille. “Com a possibilidade de inserção da leitura em voz humana junto ao texto acessível, fica mais fácil trabalhar os sons das letras com as crianças de um jeito interativo”, explica a educadora. Acesso à leitura Além do direito de solicitar livros em formato acessível às editoras, como prevê a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), as pessoas com deficiência visual podem contar com projetos como o Leitura Digital Acessível para o acesso à novos

CONTINUE A LEITURA
demonstração
Acontece

Formato de leitura acessível inspira professor de música

“O Braille ainda é um sistema de escrita e leitura tátil indispensável à alfabetização das crianças cegas, mas o livro digital representa um grande avanço às pessoas com deficiência visual”. É este o parecer da diretora da Associação dos Deficientes Visuais de Ribeirão Preto e Região (ADEVIRP), Marlene Cintra, acerca do programa de leitura acessível DDReader, desenvolvido e apresentado pela Fundação Dorina na oficina A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy, sediada pela própria ADEVIRP no dia 19 de abril. Cega desde o berço, Marlene nasceu em um sítio do município paulista de Pedregulho, em 1958. Quando a menina tinha nove anos de idade, os pais mudaram-se com ela e com as duas irmãs caçulas, também cegas, para a cidade de Franca, pois ouviram falar que lá as filhas poderiam aprender a ler e a escrever. Foi assim que Marlene se alfabetizou no sistema Braille e acabou se tornando educadora de crianças cegas. Ela conta que, em 1980, enquanto lecionava e cursava psicologia em Lorena, no Vale do Paraíba, frequentava esporadicamente a Fundação Dorina, inclusive para adquirir materiais pedagógicos, e se encontrava com a sua fundadora. “Sempre admirei a dona Dorina. Na época, eu era jovem e achava ela um pouco rígida, mas depois que fundei e assumi a ADEVIRP, em 1998, percebi que foi graças àquele pulso firme e àquela determinação que a Fundação chegou aonde chegou e eventos como essa oficina são um reflexo disso”, declara Marlene. As possibilidades da leitura digital também empolgam o professor da ADEVIRP Alexandre Mazzer, 33. Graduado em música pela Universidade de São Paulo (USP), Mazzer teve estimulada a vocação para os ritmos desde pequeno. Segundo ele, os pais adoravam música e seu passatempo era com instrumentos de brinquedo. “Quando tinha oito ou nove anos, frequentava a igreja com minha avó e gostava de ouvir o coral”, lembra o professor. Para Mazzer, ensinar música a pessoas com deficiência visual é uma constante troca de conhecimentos. “Ensino e aprendo com eles ao mesmo tempo. Acompanhar a evolução do aluno é algo que salário algum pode pagar”, afirma o docente. Além de elogiar o material de música do projeto Coleção Regionais, o professor observou o potencial lúdico do formato Daisy para suas aulas: “Gravo trechos das músicas para os alunos estudarem, mas o Daisy permite a criação de um material bem mais interativo, já que podemos combinar texto acessível com música em um mesmo ambiente”, explica Mazzzer. Além da oficina A você que é uma pessoa com deficiência visual ou instituição que promove o acesso gratuito desta à leitura – escola, biblioteca, associação etc – e não pôde acompanhar uma das oficinas do projeto Leitura Digital Acessível, temos uma boa notícia! Os 12 títulos do kit destinado a mil instituições do estado de São Paulo, todos no formato Daisy, estão disponíveis no portal de livros da Fundação Dorina, o Dorinateca. Então, se você

CONTINUE A LEITURA
demonstração
Acontece

Oficina de leitura inclusiva é recebida com entusiasmo em Campinas

Educadores, bibliotecários e pessoas com deficiência visual preencheram o auditório da Secretaria da Pessoa com Deficiência, no último dia 13 de abril, para compartilhar informações e aprendizados sobre leitura e acessibilidade. Promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, a oficina “A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy” contou com uma sensibilização para a temática do acesso à leitura e com uma apresentação do programa desenvolvido pela Fundação Dorina para viabilizar a leitura acessível a pessoas com deficiência visual, o DDReader. “A maioria das pessoas não conhecia o programa, mas se entusiasmou com recursos que ele oferece, como a opção de ouvir o texto escrito gravado em voz humana, de marcar o ponto de leitura e da busca por palavras”, afirma Luiz Antonio Rodrigues, uma pessoa com deficiência visual e coordenador da Secretaria da Pessoa com Deficiência – que sediou a ação. Elizabeth Barboza Fontanini também foi uma das participantes da oficina. Professora de Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de Campinas e profissional do Centro de Produção de Materiais Adaptados (CEPROMAD), que adequa materiais escolares para alunos com diferentes deficiências, Fontanini afirma que está ansiosa para poder levar o conhecimento adquirido ao seu encontro mensal de professores. “Recebemos materiais acessíveis da Fundação no CEPROMAD em diferentes formatos, incluindo CD’s, e eles são ricos em detalhes, abordando temas como música, culinária e regionalismo brasileiro”, relembra. O projeto Livros acessíveis, como os citados por Elizabeth, fazem parte do kit do Projeto Leitura Digital Acessível. Cada kit possui 12 títulos, que, em breve, estarão disponíveis no portal Dorinateca, um serviço da Fundação Dorina voltado apenas a pessoas com deficiência visual e a instituições vinculadas a elas e à leitura – como bibliotecas e escolas. Se atende ao perfil e ainda não tem seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se já!

CONTINUE A LEITURA
demonstração
Acontece

Oficina de leitura inclusiva promove troca de conhecimentos entre diferentes públicas em Presidente Prudente

No dia 4 de abril, o Centro Cultural Matarazzo recebeu a oficina “A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy”, na cidade de Presidente Prudente. O evento promovido pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, com apoio da Secretaria de Cultura de Presidente Prudente foi aberto a alunos, educadores e representantes de órgãos e escolas municipais. Mantendo o objetivo de fomentar a discussão sobre o acesso a livros acessíveis, a oficina foi dividida em dois momentos. Inicialmente, representantes da Fundação Dorina conduziram uma roda de conversa acerca do tema e, posteriormente, apresentaram o formato de leitura digital acessível Daisy. Para a coordenadora da Biblioteca Municipal de Presidente Prudente, Sonia Aparecida Costa Vilela, o encontro trouxe muito aprendizado e novas perspectivas para a leitura acessível. “A vivência e a troca de experiências que acontece durante a oficina é muito importante para o nosso crescimento enquanto instituição e para o aprimoramento do nosso atendimento aos diferentes públicos”, afirma Sonia. Ampliando conhecimentos As representantes da Fundação Dorina Nowill para Cegos também visitaram a Associação Filantrópica de Proteção aos Cegos. Durante o encontro, elas falaram sobre os serviços prestados pela Fundação Dorina, bem como pela Rede de Leitura, e conheceram a biblioteca e as demais dependências da Associação. Segundo a Assistente Social Camila Fernandes Goes, a visita representou uma grande realização. “A Associação é bem pequena e a maior parte do nosso acervo é de livros da Fundação Dorina”, conta ela. Vale lembrar que o projeto Leitura Digital Acessível contempla a distribuição de kits de leitura com 12 livros acessíveis, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira. Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

CONTINUE A LEITURA

Oficina de leitura inclusiva chega a São José dos Campos

No dia 22 de março, foi a vez da cidade de São José dos Campos receber a oficina “A leitura inclusiva e o livro digital Daisy”. Alunos, educadores, terapeutas ocupacionais e psicólogos de órgãos e escolas municipais participaram do evento na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo, que contou, no período da manhã,  com uma sensibilização sobre os desafios de acesso de pessoas com deficiência visual a livros acessíveis e, no período da tarde, com uma apresentação sobre o formato de leitura digital Daisy. Para a professora e representante da Biblioteca Cassiano Ricardo, Flavia Mara, participar da oficina permitiu a ela refletir sobre questões pertinentes à acessibilidade e sobre o seu papel como educadora. “Acredito que a oficina é de grande relevância, considerando a importância de momentos e espaços de reflexão acerca de temas tão atuais e necessários, como a leitura inclusiva e as novas tecnologias que permitem o acesso de pessoas com deficiência visual ao conhecimento com autonomia”, opina Flavia. Já segundo Luís Gonzaga, que chegou a atuar como professor de leitura e escrita pelo Sistema Braille na Biblioteca Cassiano Ricardo e participou da oficina como cursista, o evento ajuda a difundir a leitura inclusiva. Sendo uma pessoa com deficiência visual total, ele relembra a aquisição da Fundação Dorina de uma das primeiras Imprensas Braille no país, em 1948, pela presidente emérita e vitalícia da organização. “Tive o prazer de conhecer dona Dorina pessoalmente e, interagindo com essa ferramenta de leitura digital, sinto que os avanços estão à altura do seu legado”, declara Gonzaga. Leitura Digital Acessível As oficinas ministradas pela equipe da Rede de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos são parte do projeto Leitura Digital Acessível, que contou em São José dos Campos com a parceria da Biblioteca Pública Cassiano Ricardo. O projeto prevê ainda a distribuição de kits de leitura com 12 livros acessíveis, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira. Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

CONTINUE A LEITURA
demonstração
Acontece

Santos recebe oficina de leitura inclusiva

Santos foi a primeira cidade do estado de São Paulo – das 10 selecionadas – a receber a oficina “A leitura inclusiva e o livro digital Daisy”. O evento ocorreu no último dia 14 de março de 2018, no Centro de Atividades Integradas (Cais) Milton Teixeira (Vila Mathias). Promovido pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, o projeto Leitura Digital Acessível contou com o apoio da Coordenadoria de Defesa das Políticas para Pessoas com Deficiência da Prefeitura Municipal de Santos. Alunos, educadores, terapeutas ocupacionais e psicólogos de órgãos e escolas municipais aprenderam mais sobre os recursos do formato de leitura digital Daisy, que contempla, além do texto escrito, gravação em voz humana e audiodescrição (tradução de imagens em palavras), entre outros recursos, como opções de contraste, ampliação da tela, anotações no texto e busca de palavras específicas. Para o coordenador de Políticas para a Pessoa com Deficiência de Santos, Daniel de Morais Monteiro, a oficina representou um ponto de partida para a valorização das políticas de acessibilidade comunicacional às pessoas com deficiência na cidade de Santos. “Esta oficina e a Rede de Leitura Inclusiva pavimentam o caminho para fortalecer a educação, a cultura e o acesso de cidadãos com dificuldades de leitura ao conhecimento e a melhor qualidade de vida a partir da instrução adquirida”, declara Monteiro. Além das oficinas, as 10 cidades selecionadas pelo projeto receberão mil kits de leitura. Cada kit possui 12 livros, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira. Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

CONTINUE A LEITURA