Acontece

Descrição da imagem: banner virtual na cor azul com o texto "2º Encontro Nacional da Rede de Leitura Inclusiva". Nas extremidades há pontos coloridos interligados.
Acontece

Ler, incluir e transformar: quando os nós em rede se conectam e promovem a leitura para todos

Há 73 anos atrás, nascia um sonho em páginas brancas cheias de pontinhos. Ele foi crescendo e se transformando em sons e em tecnologias. Em 2019, ele já é uma realidade e congrega muitos outros sonhadores pelo Brasil, conectados pela Rede Nacional de Leitura Inclusiva. Para conhecer mais sobre essa história, a Fundação Dorina Nowill para Cegos realiza o  2º Encontro Nacional de Leitura Inclusiva, reunindo os parceiros promotores da leitura das cinco regiões brasileiras que participam deste projeto iniciado em  2013. O evento é gratuito, acontece entre os dias 7 e 9 de agosto em São Paulo e traz em sua programação o lançamento da pesquisa Cenários sobre a Leitura Acessível no Brasil, desenvolvida junto com o Instituto Data Folha, além de painéis inspiradores sobre leitura inclusiva em diferentes territórios e conversas com escritores convidados. A programação aberta ao público será no dia 9 de agosto e terá a presença do ator e escritor Lázaro Ramos numa manhã de “Conversas sobre os meus livros” com editores, bibliotecários, educadores e leitores. Participe! Contamos com a sua participação neste diálogo! Clique AQUI  para se inscrever. As vagas são limitadas! Programação: – Abertura poética com Kiara Terra Kiara é escritora e contadora de histórias, criou o método de narração chamado A História Aberta, que são narrativas colaborativas que estimulam a participação do público. – Apresentação da Rede Nacional de Leitura Inclusiva Uma sociedade inclusiva em construção, com Angelita Garcia e Perla Assunção, da Fundação Dorina Nowill para Cegos. – Painel 1: Gente que põe a Leitura Inclusiva na Agenda Pública Experiências das Redes de Leitura Inclusiva de Sergipe, com Maria Caitana Lima Mota; e Santa Maria (RS), com Maria Esther Gomes de Souza. – Painel 2: Gente que faz histórias e livros inclusivos “Nega Lilu”, editora goiana que já nasce inclusiva, apresentada pela sua criadora, Larissa Mundim. – Painel 3: Gente que escreve pra gente, que adora ler! Bate-papo com o ator e escritor Lázaro Ramos e parceiros das Redes de Leitura Inclusiva do Acre (Héliton Nascimento) e da Bahia (Ednilson Sacramento) Onde: Hotel Radisson Paulista. Alameda Santos, 85, Paraíso. Quando: 9 de agosto de 2019, sexta-feira, das 8h30 às 12h. Acessibilidade: O evento contará com intérpretes de Libras e audiodescritores.

CONTINUE A LEITURA
imagem demo
Acontece

Tubarão recebe seminário sobre cultura e acessibilidade

O grupo Encantados Contadores de Histórias, juntamente com o Colegiado de Gestores de Cultura e Turismo da AMUREL – Associação de Municípios da Região de Laguna – e com a Rede Leitura Inclusiva realizou, na sede da AMUREL, na tarde do dia 22/03/2018, o Seminário Cultura e Acessibilidade. Além de propiciar um debate sobre os requisitos de acessibilidade em produtos e ações culturais inclusivas para pessoas com deficiência visual, o evento também apresentou exemplos de instituições que fazem parte da Rede de Leitura Inclusiva em âmbito regional e nacional e promoveu o lançamento do CD do espetáculo teatral Boi Encantado – Uma história cantada, com audiodescrição. O lançamento do CD abriu o seminário, com entrada do cortejo do espetáculo, audiodescrição ao vivo e exibição do making of. Participaram da mesa de palestras a bibliotecária, educadora e Coordenadora Institucional do Programa de Promoção de Acessibilidade (PPA) da Unisul, Salete Cecília de Souza, que falou sobre ações voltadas para a inclusão de pessoas com deficiência visual e Gláucia Maindra, da Biblioteca Pública Municipal Cônego Itamar Luiz da Costa – Imbituba, SC, que abordou os desafios da acessibilidade cultural. Gecioni Maria Miranda da Rosa e Neusa Mendes (Associação Tubaronense de Integração do Deficiente Visual – ATIDEV) falaram sobre reabilitação, inclusão e acessibilidade para deficientes visuais. Por fim, Perla Assunção, educadora da Fundação Dorina Nowill para Cegos, abordou o tema: Articulação de redes colaborativas como estratégias de disseminação de uma cultura inclusiva. Para a educadora e produtora cultural Giselle Paes Horacio, do grupo Encantados, o evento permitiu que as vozes das pessoas com deficiência visual, no que diz respeito ao acesso à informação e à cultura, fossem de fato ouvidas. “Elas mesmas falaram das suas necessidades, não foram só pessoas videntes falando em nome de pessoas cegas ou com baixa visão”, afirma Giselle. Confira aqui, na íntegra, o CD Boi Encantado – Uma história cantada, disponibilizado no Youtube pelo grupo Encantados. O making of também está disponível.

CONTINUE A LEITURA

Debate sobre "O nome da Rosa" de Umberto Eco.

O nome da rosa, publicado em 1980 pelo italiano Umberto Eco, se tornou referência no enredo do estilo medieval. A história se passa num mosteiro beneditino localizado na Itália durante a baixa idade média. Um frade franciscano, Guilherme William de Baskerville e seu discípulo, o noviço Adso de Melk resolvem investigar os estranhos crimes. Estranhas mortes começam a ocorrer, onde as vítimas aparecem sempre com os dedos e a língua roxos. Ambos começam a agir como verdadeiros detetives e fica óbvio a semelhança da prática dos dois com os métodos utilizados pelo inglês Sherlok Holmes. Todos os mistérios, permeados pelo contexto da época: desintegração do feudalismo, e formação do capitalismo na Europa Ocidental; projeção da burguesia e sua aliança com o rei; (formação das monarquias nacionais representadas pelos reis absolutistas) e até religiosas, que culminarão com o cisma do ocidente, através do protestantismo iniciado por Martinho Lutero na Alemanha em 1517. Culturalmente, destaca-se o movimento renascentista que surgiu em Florença no século XIV e se propagou pela Itália e Europa, entre os séculos XV e XVI. Este é o pano de fundo para o debate de hoje à tarde na Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo”. Esta será a primeira reunião do Clube de leitura da BBJAA. Os participantes estão bem afiados com o tema do livro e a discussão promete pegar fogo, mas não tão grande como o incêndio da Abadia. O quê? Debate sobre o livro O nome da rosa – Umberto Eco. Quando? Hoje dia 02/02/2018, às 14:00. Onde? Na BBJAA, Goiânia GO.

CONTINUE A LEITURA

Livros acessiveis: uma realidade na inclusão

Por Damaris Pegoraro É praticamente unanimidade entre os educadores e pesquisadores que, desde os primeiros anos de vida, criar o hábito da leitura na criança impacta no seu desenvolvimento de maneira tão significativa que a levará a adquirir uma bagagem cultural que vai acompanhá-la pelo resto da vida. A leitura promove o desenvolvimento, apura o senso crítico, proporciona entretenimento, amplia o conhecimento, enriquece o vocabulário, aprimora a escrita, minimiza dificuldades acadêmicas, desenvolve o afeto, ajuda no desenvolvimento da linguagem, desenvolve a criatividade, promove a descoberta do mundo imaginário, ajuda a lidar com questões de forma ética e com as emoções. Enfim, é uma forma de interação com o ambiente do qual estamos inseridos assim como nossa compreensão do mundo. Ainda hoje percebemos que, para as pessoas com deficiência, o direito de livre escolha de leitura é muito restrito e, quando estão disponíveis, são materiais apresentados muito diferentes dos demais. Imagine uma sala de aula inclusiva, onde encontramos crianças sem deficiência ou dificuldade de aprendizagem e, encontramos crianças com deficiência intelectual, física, com baixa visão, cegas, surdas, autistas, entre muitas outras deficiências, quantos tipos de livros precisamos para trabalhar o mesmo conteúdo com todos? O professor, diante desta situação, procura materiais adaptados para atender todos os alunos, seja livro em braile, fonte ampliada, com ilustrações, áudio livros… Enfim, precisa de vários materiais diferentes para atender essas crianças. É nesse contexto que quero falar sobre livro acessível. O livro acessível é diferente do livro adaptado, pois com o mesmo material é possível atender a necessidade de todos os alunos. Um livro acessível pode ser utilizado pela criança cega ou com baixa visão, assim como pela família, pelo surdo, pelo autista, pelo deficiente intelectual, pelos colegas de sala e pelo professor. Esse livro é impresso em braille, mas em tinta também e com fonte ampliada, o que possibilita que a criança cega leia, assim como a criança com baixa visão, mas as pessoas que não possuem deficiência visual também podem ler. É um material feito para que todos leiam juntos. Além da edição em papel, acompanha um CD com as audiodescrições das imagens e um audiobook, para quem quiser ouvir o livro narrado. Quanto às imagens, o livro acessível preza pela ludicidade, onde essas imagens são grandes e coloridas possibilitando que a criança com baixa visão também tenha acesso às ilustrações e possuem os traços, dessas imagens, em alto relevo para que o cego leia a imagem. Eu acredito que Incluir é minimizar as diferenças e tornar o dia a dia de todos dentro da mesma realidade, sem esquecer que há sim a necessidade de adaptações, mas que devemos priorizar a igualdade e os direitos de todos e, com o livro acessível a criança não fica excluída dentro da sala de aula e nem dentro da família. Os benefícios desse tipo de material não é exclusivo da criança com deficiência, pois quando todos

CONTINUE A LEITURA

Roraima sedia Encontro Regional sobre Leitura Inclusiva

A Biblioteca Pública de Roraima realizou no dia ,13/12/2017, no CAP-DV (Centro de Apoio a Pessoa com Deficiência Visual), um encontro que abordou temas relacionados à inclusão da pessoa com deficiência em todos os campos da cultura, desde a leitura, acesso ao cinema, televisão e à disponibilidade desses meios acessíveis. Durante o encontro aconteceu palestra com a presidente do Conselho Estadual da Pessoa com Deficiência, Maria Auxiliadora, além de rodadas de conversas sobre os caminhos para a inclusão e trocas de experiências. Um dos organizadores do evento, Tanner Menezes, destacou o momento de mostrar o trabalho que a Biblioteca Pública Estadual tem realizado no campo da inclusão. “Temos avançado muito nas ações voltadas para os deficientes visuais, por isso fomos escolhidos para sediar o encontro, onde representantes de outros Estados presentes trocaram informações”, informou. COLEÇÕES REGIONAIS – Ainda no dia 13, às 17h, no Jardim do Palácio Senador Hélio Campos foi realizado o Lançamento da Coleção  Regionais, que conta com livros que detalham a diversidade cultural brasileira em formatos acessíveis às pessoas cegas e de baixa visão – braile, impressão em fonte ampliada, digital acessível Daisy e áudio. fonte: http://portal.rr.gov.br/?p=2875

CONTINUE A LEITURA

O dia 13 de Dezembro é o Dia Nacional do Deficiente Visual e será comemorado no dia 16 de Dezembro em Arapiraca-AL.

                Cartaz retangular, na vertical. Fundo: olho castanho e cílios pretos. Texto com letras coloridas. No canto superior, com letras brancas, legenda: Dia Nacional do Deficiente Visual. Centralizado, em frente ao globo ocular, palavras soltas, amarelas: “ Exposição Braille, Apresentações Artísticas, Exposição Tátil, Bate-papo”. No canto inferior, à esquerda, em um quadro com bordas amarelas, fundo branco e letras vermelhas: “16 de Dezembro de 2017. Sábado. Horário: 10h às 22h. Local: Arapiraca Garden Shopping. Entre parênteses: corredor próximo à praça de alimentação”. No canto inferior direito, logomarcas: do Arapiraca Garden Shopping; da Rádio Gazeta FM Arapiraca, 101,1 MHZ e da Escola Estadual Adriano Jorge.

CONTINUE A LEITURA

"Foi emocionante ver as crianças lerem os livros acessíveis com tanto entusiasmo"

A Roda de Leitura realizada pela Fundação Dorina Norwill,  foi uma oportunidade para as crianças  e adultos atendidos pela Sala Braille,  se apresentarem para a  comunidade local, um incentivo para continuarem a superar os desafios.  Aqui na Biblioteca Pública  de Lagoa Santa, foi emocionante ver as crianças lerem os livros acessíveis com tanto entusiasmo e alegria  para o público presente. O mais emocionante foi ver as crianças se ajudarem, uma incentivando e apoiando a outra durante a hora da leitura.  Ver a força de vontade delas  para vencer as dificuldades não só em virtude da questão da deficiência visual, mas pelas advindas da condição social-financeira tão desfavorável sempre nos motiva e serve de exemplo, elas são crianças determinadas, inteligentes, encantadora, solidárias,  sempre alegres dispostas a  enfrentar a vida com leveza e alegria contagiante. Ações como esta incentivam o gosto e o prazer pela leitura literária, mostram a importância  do objeto livro, e todo seu potencial de transformação que está no texto. Ações que mostram a importância da biblioteca e do livro, que valorizam  o espaço como centro de convivência e interação,  fonte de informação e cultura são fundamentais. A transformação da educação passa pelo reconhecimento da biblioteca  como instrumento fundamental no processo de aprendizagem e de formação do individuo  como cidadão consciente,  agente de transformação  na comunidade onde vive.  A realidade do país não favorece a criação e manutenção de boas bibliotecas públicas e escolares, ações como essa, chamam a atenção para essa questão, podem sensibilizar os gestores e a sociedade. É preciso valorizar esses espaços de leitura pelo seu potencial de transformação da realidade social. Tatiana Soares Brandão. Bibliotecária | Biblioteca Pública Municipal Pe. Agenor de Assis Alves Pinto – Prefeitura Municipal de Lagoa Santa  

CONTINUE A LEITURA

"A coleção Regionais é um passeio pela riqueza cultural brasileira de forma acessível"

As atividades da Rede de Leitura em Goiás, têm caminhado de forma peculiar. A Biblioteca Braille José Álvares de Azevedo reformulou o calendário de 2017 mantendo as ações que não haviam sido realizadas e acrescentou outras.  Algumas dessas atividades foram desenvolvidas em conjunto com o CAP/CEBRAV que também faz parte da Rede. Exemplos desses eventos: 1. Gincana musical: Qual é a música? 2. Convívio literário – Roda de leitura 3. Festival de música, prosa e poesia 4. Festival musical com temas de novelas e adivinhações 5. Torneio de dominó entre amigos 6. Lançamento do livro acessível – “Abracadabra: crio enquanto falo” da autora Cássia Fernandes 7. Concurso de leitura Braille 8. Exibição do filme “Minha mãe é uma peça 2” com audiodescrição 9. Exibição do filme “Mulher do pai” com audiodescrição Coleção Regionais. O lançamento dessa riquíssima aquisição aconteceu em Goiás no último, dia 07/11, e contou com a parceria da Biblioteca Braille, CEBRAV e de um novo parceiro: Comissão Goiana de Folclore. O evento teve a participação de cerca de 80 pessoas bastante interessadas na leitura dos livros, depoimentos de usuários sobre a coleção, principalmente dos livros de culinária. houve apresentação musical do violeiro Arthur Noronha, tocando e cantando músicas da região Centro-Oeste. A coleção Regionais é um passeio pela riqueza cultural brasileira de forma acessível. É uma viajem pelo Brasil com a Fundação Dorina e os livros acessíveis que trazem a literatura, a música, a culinária, o folclore e o turismo de cada região brasileira. Nessa viagem, passamos pela literatura com o livro falado e pela riqueza musical com as partituras Braille. Experimentamos os sabores pelo livro de culinária e histórias de infância com o livro de folclore ilustrado em tinta e em Braille. E, por fim, visitamos cidades brasileiras com o livro de turismo em formato Daisy. A Coleção possui 15 volumes em Braille e em fonte ampliada, mais 5 obras literárias de autores regionais (Érico Veríssimo, Patativa Assaré, Cora Coralina, Milton Hatoun, Carlos Drummond de Andrade). Apresenta bastante ilustrações coloridas atrativas para o leitor com baixa visão e em relevo agradável ao tato. Destaco o depoimento da usuária da biblioteca, Jane, mãe de dois filhos, presente ao evento que falou sobre a importância das obras: “Muito importante o cuidado que a terapeuta ocupacional, autora dos livros de culinária teve com as pessoas com deficiência visual. Ela acreditou na nossa capacidade e nos deu dicas práticas, com a convicção de quem sabe que realmente podemos manipular os ingredientes e transformá-los em alimentos gostosos e saudáveis. Continue trabalhando nessa linha de valorização da pessoa com deficiência”. Jane Vieira dos Santos” Maria Eunice Suares Barboza, Diretora da Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo” Abaixo dois vídeos com trechos da apresentação de MODA DE VIOLA. SEGUNDO VÍDEO:

CONTINUE A LEITURA

Coleção Regionais contribui na formação leitores e consequentemente cidadãos no Espírito Santo

Na quinta-feira, 23/11, por volta de 13 horas, foi realizada uma roda de conversa com o tema “Minha leitura de mundo e os diferentes contextos de Leitura Inclusiva”, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Adilson da Silva Castro, em Ilha de Monte Belo,Vitória/ES. O bate-papo contou com a participação da articuladora Angelita Garcia da Rede de Nacional de Leitura Inclusiva, Fundação Dorina Nowill para Cegos, professor Arnaldo Lino (surdo), da Escola Oral Auditiva de Vila Velha, Sandro Bermudes Machado (cego), do setor Braille da Biblioteca Pública do Estado do Espírito Santo, Katiane da Silva Binda, da Escola Adilson da Silva Castro, Joelma Neves, prof.ª de teatro do Centro de Vivência da APAE-Serra, pais e alunos matriculados na escola atendidos na Educação Especial e GTES Grupo de Trabalho do Espírito Santo da Rede de Leitura Inclusiva. No dia seguinte, sexta-feira, 24/11, das 9 às 12 horas, no Museu Capixaba do Negro “Verônica da Pas” (Mucane), foi apresentado à “Coleção Regionais” e colocado em pauta as possibilidades de exploração do material pelo seu público-alvo, o evento foi mediado por Angelita Garcia. Na roda de leitura ao vedar os olhos dos participantes e fazer a leitura, foi extraordinário pois despertou a percepção audição, concentração, audição e a imaginação dos convidados presente. Os livros despertaram o  interesse não somente dos alunos que tem baixa visão mas também de todos os outros , professores e pais que estavam ali presente. Essas ações são importantes porque amplia as possibilidades de acesso ao livro e a leitura possibilitando novos conhecimentos em formato acessível, assim contribuindo com a democratização do acesso a leitura. Desta forma potencializando e contribuindo na formação dos leitores, e, consequentemente, cidadãos, dentro de uma perspectiva inclusiva, acessível e para todos. O hábito da leitura deve ser estimulado ainda na infância até a vida adulta para que o indivíduo aprenda   que ler é algo importante e, acima de tudo, prazeroso. Uma leitura realizada com prazer desenvolve a imaginação, a escuta atenta e a linguagem. Desta forma essas ações vem contemplando com todos os recursos de acessibilidade de uma leitura Inclusiva para os cegos. Alnínive Correia Araújo Martini – Pedagoga da EMEF Adilson da Silva Castro e Integrante GT- ES da Rede de Leitura Inclusiva.  

CONTINUE A LEITURA

A Coleção Regionais é finalista do II Prêmio IPL!

O Projeto “Coleção Regionais – a cultura em suas diversas expressões”, promovido pela Fundação Dorina, é finalista do II Prêmio Instituto Pró Livro 2017, na categoria OnG. A Coleção Regionais é um projeto que nasceu com a proposta de compartilhar a cultura brasileira com seus diversos povos de forma acessível, para que cada um tivesse no livro da sua região uma história, uma música, uma receita, um autor que traduzisse sua identidade. É composta por 21 títulos, com temas e formatos diferentes e acessíveis sobre cada região do Brasil. As publicações de culinária e folclore são em tinta e braille; as de literatura tem adaptação para versão em áudio de títulos de mercado; o de turismo foi disponibilizado em formato digital acessível Daisy; e os de música oferecem além das partituras , as informações em fonte ampliada, ambas em braille.

CONTINUE A LEITURA

Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Visual – DEZEMBRO 2017

Olá para todos que fazem a Rede Nacional de Leitura Inclusiva. Estou realizando mais um evento em Arapiraca–AL, dia 16 de DEZEMBRO de 2017, para comemorarmos ” O dia Nacional da Pessoa com Deficiência Visual ” que é dia 13 de dezembro. E gostaria de convidar todos vocês para fazer parte deste momento, junto comigo e todos os profissionais voluntários que estarão abraçando o Projeto: “Nas entrelinhas, a deficiência visual”. O evento é gratuito e acontecerá, sábado, dia 16 de Dezembro de 2017, no Arapiraca Garden Shopping, no corredor que dá acesso à praça de alimentação, no horário das 10h às 22h. O projeto tem dois objetivos: 1. destacar a importância da prevenção da deficiência visual e 2. ressaltar a atenção da sociedade e das Instituições, para uma proposta de inclusão social dos deficientes visuais dentro da sociedade e principalmente dentro das Instituições Educacionais. É notória a necessidade do desenvolvimento de projetos nessa área, para que se possa proporcionar aos deficientes visuais independência, com qualidade de vida, através da acessibilidade, da comunicação, da mobilidade e da integração. Além de ressaltar a importância da Educação tirando-os da exclusão. Para abraçar o nosso público é uma exigência, que os livros sejam impressos em Braille e à tinta, com letras ampliadas. E os livros foram fornecidos por esta Instituição Fundação Dorina Nowill para Cegos à Escola Estadual Adriano Jorge. Teremos ainda materiais diversos e adaptados, com texturas, e muito mais. Além de apresentações Musicais e Teatral. Estou tentando conseguir ainda áudio-descrição e intérprete de libras, que são importantíssimos. Será um projeto que envolve a pessoa com deficiência, a educação e a cultura. Venham fazer parte deste momento, que será muito legal. Agradeço em nome de toda a equipe. Silvana Maranhão

CONTINUE A LEITURA

Coleção Regionais é lançada em Manaus na comemoração dos 18 anos da Biblioteca Braille do Estado

Na manhã dessa última quarta-feira, 08 de novembro, professores, estudantes e articuladores participaram do lançamento da coleção Regionais no auditório do Palacete Provincial, na Praça Heliodoro Balbi, Centro de Manaus, Amazonas. Para o evento, a articuladora Ana Paula Santos apresentou as obras da coleção e contou a parceria de 10 anos entre a Biblioteca Braille do Amazonas e a Fundação Dorina Nowill, que doa livros acessíveis e engaja profissionais e educadores com ações inclusivas. Além da leitura, o Grupo de Trabalho de Amazonas, parceiros da Rede de Leitura, apresentaram suas iniciativas de leitura e uso da coleção. No Amazonas, o projeto atende diversas escolas da rede pública, da Universidade Federal do Amazonas e também da Universidade do Estado do Amazonas. O diretor da Biblioteca Braille do Amazonas (BBAM), Gilson Mauro Pereira, considera eventos como este uma oportunidade de divulgar a deficientes visuais a existência de projetos de acessibilidade. “Diante da demanda de quase 70 mil deficientes visuais que nós temos na cidade de Manaus, é necessário a criação de obras acessíveis porque são essas pessoas que nós representamos. Essas pessoas são o alvo que a Secretaria de Cultura de Estado pretende trabalhar e incluir”, pontuou.   Para conhecer as obras, a Biblioteca Braille do Amazonas disponibiliza exemplares para consulta, atuando em conjunto com Complexo Municipal de Educação Especial André Vidal de Araújo, Escola Estadual Professora Hilda de Azevedo Tribuzy, Centro de Apoio Pedagógico para Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual do Amazonas – CAPS, Senai – AM, Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Universidade do Estado do Amazonas – UEA, Escola Estadual Joana Rodrigues Vieira e com entidades de Parintins.   Abaixo vídeo: Descrição do vídeo – Paulo lê o livro em braile sentado em uma cadeira, ao seu lado uma mulher segura o microfone e à direita Marcos, sentado em uma cadeira, traduz em libras.

CONTINUE A LEITURA

II Encontro de Leitura Inclusiva do Rio Grande do Sul

Aconteceu no Campus Porto Alegre, no dia 31 de outubro, o II Encontro de Leitura Inclusiva. Organizado pelo Grupo Interinstitucional de Pesquisa LEIA: leitura, informação e acessibilidade, do IFRS e da UFRGS, o evento é uma iniciativa da Rede de Leitura Inclusiva no Rio Grande do Sul (GT-RS POA), juntamente com o Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB10), o Conselho Municipal do Livro e da Leitura, entre outras instituições, a partir de uma parceria com a Fundação Dorina Nowill para Cegos (FDN), de São Paulo. O encontro tem como objetivo mostrar que a sociedade e as Instituições que recebem acervos da FDN unam-se ao grupo na construção uma grande rede de ações em prol das pessoas com deficiência para acesso ao livro, leitura, literatura e bibliotecas e um estímulo para que desenvolvam ações de inclusão. Estudantes de Biblioteconomia do IFRS e da UFRGS, estudantes de outros Cursos e Instituições, bibliotecários, técnicos em Biblioteconomia, professores, técnicos, mediadores de leitura, pessoas com deficiência, representantes de Instituições parceiras e comunidade em geral, puderam assistir palestras, na parte da manhã, e participar de oficinas, no turno da tarde. Após a abertura oficial, houve momento cultural com apresentação musical do professor e músico Márcio Fumaco. Márcio é deficiente visual e apresentou duas canções gaúchas tocadas no teclado. Estas canções fazem parte da coletânea de músicas que compõem a Coleção Regionais.  Em seguida, deu-se início aos painéis, que prosseguiram abordando temas como Rede Nacional de Leitura Inclusiva e “Coleções Regionais – A cultura brasileira em suas expressões”, com Perla Assunção; Rede Nacional de Leitura Inclusiva GT – RS POA: Leitura, informação e acessibilidade, com a Profª Drª Lizandra Brasil Estabel; e Acessibilidade em ambientes culturais, com a Profª Drª  Jeniffer Alves Cuty. Entre as palestras, houve mais um momento cultural, com uma Contação de Histórias realizada pela Técnica em Biblioteconomia e acadêmica da FABICO/UFRGS Andréa Bitencourt, que apresentou a lenda gaúcha “Negrinho do Pastoreio”, da Coleção Regionais. Na parte da tarde, os participantes puderam se inscrever e realizar as oficinas: “A Inclusão dos Cegos e as Tecnologias” – Prof. Alexandre Cardoso, Larissa de Arruda Machado e Crystian de Lima Antunes; “A Contribuição da Audiodescrição para Leitura Inclusiva” – Audiodescritora Consultora Marilena Assis e Audiodescritora Roteirista e Narradora Letícia Schwartz, que compõe a Equipe da Audiodescrição da empresa Mil Palavras Acessibilidade Cultural; “Noções de Conservação e Recuperação de livros em Braille” – Profª Drª Angela Flach; “Língua Brasileira de Sinais: que língua é essa?”- Profª Drª Carolina Comerlato Sperb; “Mediação da Leitura: afetos e fazeres” – Profª Drªnda Ketlen Stueber e “A Literatura de Tradição Oral: o cordel e a gauchesca” – Prof. Dr. Marlon de Almeida. “Sempre que investimos em leitura, literatura e nas bibliotecas promovendo a inclusão de todos, sem exceção, estamos mudando os rumos da Educação. Efetivamente no nosso caso, atuamos com os alunos do Curso Técnico em Biblioteconomia propiciando que sejam partícipes desde a organização, planejamento do Evento, bem como, na participação efetiva assistindo as

CONTINUE A LEITURA

Lançamento da coleção "Regionais" GT- Goiás.

Lançamento da coleção “Regionais” Livros em Braille, em fonte ampliada e em áudio A coleção “Regionais” da Fundação Dorina Nowill para Cegos é composta de 21 livros acessíveis. Edição em áudio, em Braille e fonte ampliada, com ilustrações coloridas, mapas, abrange a literatura, a música, a culinária, o folclore e o turismo de cada uma das cinco regiões brasileiras. Para enriquecer esse evento e ilustrar a cultura de Goiás, contamos  com a presença dos escritores goianos Bariani Ortêncio, escritor e folclorista e de Pedro Ivo, escritor autor da coleção “O cerrado na escola”. O lançamento da Coleção no nosso Estado conta com a colaboração dos seguintes parceiros: Rede Nacional de Leitura Inclusiva, Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo”, Centro Brasileiro de Reabilitação e Apoio às Pessoas com Deficiência Visual CEBRAV e a Comissão Goiana de Folclore, que a partir desse evento passa a fazer parte do GT-GO.   O quê? Lançamento da coleção “Regionais” Quando? Dia 07 de novembro de 2017 a partir das 15:00. Onde? CEBRAV Rua 134, número 235, Setor Oeste. Contato: Biblioteca Braille 62 3201-4648.

CONTINUE A LEITURA

Coleção Regionais é apresentada na Biblioteca Pública do Estado com trilha sonora e culinária local

Com a participação da Universidade Federal de Pernambuco, artistas como Geraldo Feitosa, Vitória Maria Marinho e Luiz Carlos, lançamos no dia 26 de outubro, a Coleção Regionais na Biblioteca Pública do Estado, em Recife, Pernambuco. Na tradicional roda de leitura teve contação de história de Bumba Meu Boi para uma turma de alunos com deficiência visual e sarau poético. “ Fiquei emocionada, especialmente com a leitura de cordel, foi simplesmente lindo, aprendi muito com eles, precisamos incluir cada vez mais, conviver com o outro independente das limitações, a  educação é para todos, e que surjam mais oportunidades para mais edições de diversos autores e títulos, conta Rosimery Carneiro, da UFPE. “A leitura inclusiva é uma forma de fortalecimento das deficiências. Essa coleção vem reforçar que a nossa cultura deve ser acessível a todos, sem exceção”, explica a articuladora Angelita Garcia, da Fundação Dorina Norwill. Algumas ações especiais e inclusivas foram exercitadas, entre elas a degustação da culinária regional, com comidinhas preparadas por uma cozinheira cega. Para finalizar teve apresentação musical e todos cantaram ” Hoje me sinto mais forte, só levo a certeza, de que muito pouco sei”, Tocando em Frente, de Almir Sater.  

CONTINUE A LEITURA

I Semana da leitura

Em comemoração ao dia Nacional da leitura e do livro (12 e 29/10), a biblioteca circulante da Fundação Dorina organizou para seus usuários uma semana com muitas atividades de incentivo a leitura. As atividades aconteceram do dia 23 ao dia 27 do mês de outubro e nessas atividades os leitores tiveram a oportunidade de trocas de experiências, interação e maior integração e contato com a biblioteca. Na segunda-feira (23) tivemos o café literário que nos proporcionou um debate reflexivo e com muitas trocas de ideias e pensamentos distintos. O livro discutido foi “A insustentável leveza do ser” do autor Milan Kundera. O segundo dia (25) de atividades foi direcionada ao publico infantil. Neste dia, as crianças puderam ouvir a historinha da “Menina sem cor” pela autora Fernanda Emediato. Além da contação de histórias as crianças receberam desenhos dos personagens em relevo para colorirem em grupo. No terceiro dia (26) tivemos a presença do professor, palestrante, tradutor e escritor brasileiro Gabriel Perissé que nos falou sobre “Ler, pensar e escrever”. O último dia de atividades (27) foi marcado por um bate papo descontraído e divertido com alguns de nossos ledores. Neste dia, os leitores tiveram a oportunidade de conhecer as pessoas que gravam os livros disponibilizados para empréstimo na biblioteca e puderam tirar todas as dúvidas relacionadas a está linda profissão. A semana da leitura promoveu atividades que visam estimular e desenvolver o hábito pela leitura e incentivar ainda mais aqueles que amam este universo recheado de encantamento, descobertas e informação.

CONTINUE A LEITURA

"A Roda de Leitura é uma proposta de acolhimento das diferenças, momento importante para mudar os rumos da educação"

Dia, 26/10/ 2017, conhecemos a Coleção Regionais aqui no Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal do Piauí . A compilação é apresentada em material de excelente qualidade e com temáticas que abrangem uma gama de informações , desde a culinária regional até as informações de turismo de nossa região. A roda de leitura é um momento impar, traz novas possibilidades de se relacionar com o conhecimento, é uma partilha de experiências tanto para o deficiente visual quanto para os demais públicos. Ao final do evento tivemos a participação de uma contadora de histórias, a Carla Sena, ela conseguiu fazer com que todos os participantes fruíssem daquele momento, as histórias contadas encantou a todos, foi lindo ver a participação e o envolvimento de todos, deixou gostinho de quero mais. Acredito que o maior destaque dessa ação é possibilitar a ampliação do acesso ao livro e a leitura, com destaque para as produções regionais , fato que aumenta a possibilidade de maior conhecimento cultural dos deficientes visuais. A Roda de Leitura é uma proposta de acolhimento das diferenças, momento importante para mudar os rumos da educação. Acredito que à medida que são oportunizados momentos de compartilhamento de saberes e disponibilizado o acesso a obras como a das Coleções Regionais, mais próximos estamos de uma educação inclusiva. A Fundação Dorina é não apenas mentora e articuladora de importante ação inclusiva, mas é sobretudo, modelo inspirador para que possamos pensar em uma educação que rompa com as fronteiras, que salte os muros acadêmicos e promova interações, que nos aproxime do outro,  enfim, que nos humanize. Maria Dilma Andrade Vieira dos Santos | Pedagoga do Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal do Piauí

CONTINUE A LEITURA

"Rede de Leitura Inclusiva , é uma ferramenta de intervenção que motiva a sociedade a olhar a pessoa com deficiência"

A coleção Regionais é de uma importância muito grande ao meu ver , por reunir a cultura das cinco regiões do País. Acredito que essa publicação vai proporcionar ao público com deficiência transpor suas fronteiras de conhecimento sobre as diversas expressões do povo brasileiro . O evento aqui em Vitória da Conquista, na Bahia, aconteceu entre os dias 19 e 20/10. Foram momentos agradáveis onde o público presente se alegrou e participou com prazer. Fiquei bastante emocionada quando o grupo do Conquista Down cantou com entusiasmo a música “ O que é, o que é”, de Gonzaguinha. Na leitura,  a história Bumbá-boi ( região nordeste) e O Boto cor-de –rosa (região norte) protagonizaram as narrativas. A importância dessas ações, para além do incentivo à leitura, está na possibilidade da sociabilidade das pessoas com deficiência com outros grupos trocando ideias, experiências , conhecimento e emoções. Acreditamos que ações inclusivas de leitura colabora para criar espaços de reflexão no que tange ao desenvolvimento intelectual das pessoas com deficiência e chama a atenção das instituições que atuam no campo da educação para um maior comprometimento com esses grupos sociais, que são capazes, mas que necessitam gozar da igualdade de direitos, da acessibilidade atitudinal, e dos suportes para um aprendizado efetivo . Entendemos que a ampliação e aprofundamento das políticas públicas de Estado é fator decisivo para virarmos essa página de exclusão das pessoas com deficiência. Ressaltamos que o projeto da Rede de Leitura Inclusiva , é uma ferramenta de intervenção que motiva a sociedade a olhar a pessoa com deficiência como cidadãos participativos. Mércia Carvalho Andrade

CONTINUE A LEITURA

Agricultura, gastronomia e leitura inclusiva mostram como abraçar a diversidade

Temos entre nossas missões compartilhar o compromisso social em diversas comunidades do Brasil, não apenas para divulgar o conhecimento mas também para promover ações que contribuem com a formação integral, um exercício de cidadania por meio da cultura e educação que geram a inclusão como um todo. Na primeira semana de outubro participamos nas cidades de Palhoça e Imbituba, em Santa Catarina, de diversas atividades que reforçam nossa filosofia. Lá, disseminamos informações e ampliamos as práticas de leitura às pessoas com deficiência, misturadas às atividades que despertam outras sensibilidades, junto com outros grupos de trabalho proporcionamos tarefas agrícolas, como reconhecer as ramas, regar e plantar ou fazer uma trilha sensitiva com o Coletivo Taiá, Terra de Condução Ambiental Local, vivenciando a natureza em suas variadas formas e sensações e oficinas de sensibilização inclusiva. Nas leituras, a articuladora Angelita Garcia, falou na 10ª Semana de Integração Docente e Discente sobre a concepção de metodologias e práticas inclusivas aos caminhos que as pessoas podem encontrar na literatura para os profissionais de educação e convidou os presentes para uma dinâmica que despertou para ações inclusivas e participativas e ainda apresentou a Coleção Regionais. “Os livros foram dispostos para que todos pudessem ter contato com a obra. A Coleção Músicas Regionais, foi apresentada através de uma atração musical preparada pelo Professor de Arte Gean, que trabalha em um projeto que atende crianças em vulnerabilidade social e também inclui crianças com diferentes diagnósticos”, conta a professora. Suyana Custódio. As atividades realizadas em Santa Catarina dão aos deficientes um verdadeiro empoderamento, além da capacidade de ler, o contato sensitivo com a natureza e os produtos proporcionados por ela faz delas pessoas mais independentes, confiantes e entre esse boom de coisas boas a deficiência chega a passar despercebida aos nossos olhos, como conta Gláucia Maindra, da Biblioteca Pública Municipal Cônego Itamar Luiz da Costa. “Essas ações são fundamentais para o cotidiano da comunidade. Trago aqui dois relatos que no meu entender refletem a importância desta ação. Clara, uma criança que é neta de uma das condutoras do Coletivo Taiá, que nos levaram até o boqueirão, ao chegar em casa comentou: ‘Vó, onde estavam as pessoas cegas que você comentou?’. Depois a Avó, comentando conosco acrescentou, realmente somos nós adultos que deixamos de ver com outros olhos. Assim, como o seu Luis, Presidente da Acordi. Ele chegou bem no final e fez a mesma pergunta às agricultoras que prepararam o nosso café: mas, afinal, onde estão as pessoas cegas? E assim, sigo acreditando que ações como essa são primordiais para enxergarmos com outros olhos”. Encontros como os realizados em Santa Catarina vão além da “simples” e mera inclusão dos deficientes visuais na sociedade, como planejado por nós, mas esses acontecimentos atingem um patamar acima do imaginável, para muitos deficientes ser de fato incluídos na sociedade e conviver com todos independente de suas dificuldades ou singularidades torna sua vida

CONTINUE A LEITURA

Convite para lançamento da coleção "Regionais" em Goiás.

A Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo”, juntamente com o CEBRAV (Centro de Apoio às Pessoas com Deficiência Visual) promove lançamento da Coleção “Regionais” (livros em Braille e com fontes ampliadas). Endereço: CEBRAV – Rua 134, número 135, Setor Oeste (fundos do Externato São José). Data: 07/11/2017 Horário: 15h00min Telefones.: CEBRAV – (62) 3201-7425/ BBJAA – (62) 3201-4648 A cultura brasileira acessível a todos. Seja bem-vindo à coleção Regionais e à riqueza cultural brasileira de forma acessível! Viaje pelo Brasil com a Fundação Dorina e os livros acessíveis que trazem a literatura, a música, a culinária, o folclore e o turismo de cada uma das cinco regiões. Nessa viagem, passamos pela literatura com o livro falado e pela riqueza musical com as partituras Braille. Experimentamos os sabores pelo livro de culinária e histórias de infância com o livro de folclore ilustrado em tinta e em Braille. E, por fim, visitamos cidades brasileiras com o livro de turismo em formato Daisy. A “Coleção Regionais” foi desenvolvida pela Rede Nacional de Leitura Inclusiva. A edição possui 15 volumes em Braille e em fonte ampliada, com bastante ilustrações coloridas e em relevo agradável ao tato. O lançamento dessa riquíssima aquisição conta com a parceria da Biblioteca Braille e do CEBRAV que realizarão um evento com a presença de vários escritores goianos para falar da cultura goiana e contar histórias engraçadas retiradas de suas obras.

CONTINUE A LEITURA
São Paulo

Precisamos falar sobre Verônica

Por Fabiano Cameran Entre as inúmeras surpresas que a segunda edição do Encontro de Leitura Inclusiva de Sergipe nos trouxe, umas das mais marcantes, certamente, foi a história de Maria Verônica Esteves, nascida na cidade de Boquim, localizada cerca de 84 km de Aracaju. Com um astral contagiante e uma alegria que erradia a todos a sua volta, Verônica, 62 anos, dá aula de força de vontade e mostra através de seu testemunho que nunca é tarde para aprender a ler e a vencer as barreiras (mesmo físicas) impostas pela vida. Verônica nasceu com uma deficiência visual, em sua cidade os recursos eram escassos e até mesmo viajar para a capital sergipana era uma empreitada complexa para uma família que lidava com a roça em meio ao sertão nordestino, as barreiras faziam com que a cada dia a expectativa de enxergar o mundo fosse mais remota para a jovem, alguns médicos diziam que a única esperança  estava localizada a muitos quilômetros, mais precisamente em São Paulo, e nenhum tratamento existente na época garantiria a sua cura. De família católica, Verônica teve seu primeiro contato a um ensino ainda em sua infância através da catequese, onde absorvia todo o conteúdo passado por sua catequista através de uma atenta escuta de tudo o que era dito. Mas por lidar desde cedo com o trabalho do campo Verônica nunca teve oportunidade de estudar, mesmo que tivesse não haviam escolas com estrutura para a receberem, uma vez que os professores além de não terem preparo não tinham também materiais em acessíveis. Da infância, a adolescência e tão logo Verônica já era uma mulher, guerreira e trabalhadora mas sem ter acesso a informação e tão pouco a educação, a cura de sua deficiência era ainda mais difícil. Certo dia, após uma consulta um médico falou para sua mãe que não havia mais o que ser feito pela medicina local, mais uma vez a solução se mostrava presente em São Paulo, mas as chances de cura eram de no máximo 10% e ainda assim a visão seria parcial. Foi então que Verônica disse a sua mãe que não queria correr mais atrás de tratamentos para seu problema, uma vez que ela veio ao mundo assim então aceitava aquilo como seu destino. O tempo passou, Verônica era sempre rodeada por amigos e familiares sempre dispostos a ajudarem quando ela precisasse, mas ainda lhe faltava algo, e aquilo que lhe faltava por mais incrível que pudesse parecer não era a sua visão, mas sim a oportunidade de conhecer o mundo mesmo que de maneira lúdica através da leitura. Foi então que ela conheceu uma senhora evangélica, que a estimulou a aprender a ler pois nunca era tarde para o Saber. Essa senhora então, mesmo sem também saber ler em braile, conseguiu algumas cartilhas que ensinavam o alfabeto braile e juntas elas aprenderam a decorar cada uma das letras,

CONTINUE A LEITURA