Acontece

Descrição da imagem: banner virtual na cor azul com o texto "2º Encontro Nacional da Rede de Leitura Inclusiva". Nas extremidades há pontos coloridos interligados.
Acontece

Ler, incluir e transformar: quando os nós em rede se conectam e promovem a leitura para todos

Há 73 anos atrás, nascia um sonho em páginas brancas cheias de pontinhos. Ele foi crescendo e se transformando em sons e em tecnologias. Em 2019, ele já é uma realidade e congrega muitos outros sonhadores pelo Brasil, conectados pela Rede Nacional de Leitura Inclusiva. Para conhecer mais sobre essa história, a Fundação Dorina Nowill para Cegos realiza o  2º Encontro Nacional de Leitura Inclusiva, reunindo os parceiros promotores da leitura das cinco regiões brasileiras que participam deste projeto iniciado em  2013. O evento é gratuito, acontece entre os dias 7 e 9 de agosto em São Paulo e traz em sua programação o lançamento da pesquisa Cenários sobre a Leitura Acessível no Brasil, desenvolvida junto com o Instituto Data Folha, além de painéis inspiradores sobre leitura inclusiva em diferentes territórios e conversas com escritores convidados. A programação aberta ao público será no dia 9 de agosto e terá a presença do ator e escritor Lázaro Ramos numa manhã de “Conversas sobre os meus livros” com editores, bibliotecários, educadores e leitores. Participe! Contamos com a sua participação neste diálogo! Clique AQUI  para se inscrever. As vagas são limitadas! Programação: – Abertura poética com Kiara Terra Kiara é escritora e contadora de histórias, criou o método de narração chamado A História Aberta, que são narrativas colaborativas que estimulam a participação do público. – Apresentação da Rede Nacional de Leitura Inclusiva Uma sociedade inclusiva em construção, com Angelita Garcia e Perla Assunção, da Fundação Dorina Nowill para Cegos. – Painel 1: Gente que põe a Leitura Inclusiva na Agenda Pública Experiências das Redes de Leitura Inclusiva de Sergipe, com Maria Caitana Lima Mota; e Santa Maria (RS), com Maria Esther Gomes de Souza. – Painel 2: Gente que faz histórias e livros inclusivos “Nega Lilu”, editora goiana que já nasce inclusiva, apresentada pela sua criadora, Larissa Mundim. – Painel 3: Gente que escreve pra gente, que adora ler! Bate-papo com o ator e escritor Lázaro Ramos e parceiros das Redes de Leitura Inclusiva do Acre (Héliton Nascimento) e da Bahia (Ednilson Sacramento) Onde: Hotel Radisson Paulista. Alameda Santos, 85, Paraíso. Quando: 9 de agosto de 2019, sexta-feira, das 8h30 às 12h. Acessibilidade: O evento contará com intérpretes de Libras e audiodescritores.

CONTINUE A LEITURA

Leitura inclusiva, representatividade negra e educação sexual são temas da Semana da Diversidade e Inclusão, em João Pessoa

“Use as mãos para o bem!”, foi o tema da Semana da Diversidade e Inclusão, que aconteceu entre os dias 25 e 29 de setembro, no Instituto Federal Paraíba, em João Pessoa. Na programação questões sobre gênero, autismo, oficina de modas em libras, braile e saúde sexual entraram em pauta. Para abrir a edição o Centro de Atividades Especiais Helena Holanda, envolveu e comoveu, com uma dança, que expôs: cada pessoa pode ultrapassar seus limites apesar das limitações físicas, mentais e emocionais. Já na mesa sobre Saúde Sexual, a enfermeira Eva Nascimento, do Núcleo de Prevenção em Educação e Saúde,  discorreu sobre gravidez na adolescência e métodos contraceptivos. Segundo a enfermeira, o objetivo da atividade fortalece as ações educativas e preventivas, além de trazer reflexão sobre autocuidado. Entre as ações relacionadas a inclusão literária, a participação foi da articuladora Angelita Garcia, da Rede de Leitura, que levou a Coleção Regionais com objetivo estimular conhecimento e diversidade inclusiva. “As atividades foram muito ricas, após as apresentações foi feita a entrega simbólica da Coleção Regionais à Valéria Marques, da Coordenação de Assistência às Pessoas com Necessidades Específicas. A partir disso, discutimos sobre a importância da leitura e o direito à informação para as pessoas com deficiência”, conta Angelita. Antes da roda de leitura os alunos do Instituto de Cegos da Paraíba, fizeram a apresentação do Boi e, logo em seguida, veio a narração de Bumba Meu Boi, obra da Coleção. Após a ação, todos os presentes conversaram sobre o material e experimentaram os livros da coletânea. Outro momento importante foi a performance dos alunos do curso de Instrumento Musical. Os estudantes interpretaram versos sobre a condição social das mulheres cisgêneros e transgêneros, denunciando o machismo e os preconceitos relativos à diversidade sexual, contra os quais estas minorias lutam diariamente. Em seguida, na mesa “Você pode ser o que você quiser!  Antônio Eduardo de Oliveira recitou uma poesia de sua autoria ”, conduzida pelo bacharel em Direito, deficiente visual e representante do Instituto dos Cegos da Paraíba, Robson Santos. “Estamos conseguindo cada vez mais ocupar os lugares que nos são de direito. Aqui em João Pessoa, a acessibilidade ainda é muito precária. Onde existe respeito, existe acessibilidade”, finaliza, Robson. E a gente completa, onde existe respeito, existe inclusão. Fonte: IFBP, Instituto Federal da Paraíba

CONTINUE A LEITURA

Virado à paulista, tecnologia assistiva e literatura inclusiva são pautas da 4ª Semana Acadêmica do Curso de Letras da Unilago

A Rede de Leitura Inclusiva aportou dessa vez na IX Semana Acadêmica do Curso de Letras da Unilago, em São José do Rio Preto. O evento que teve como tema “Inclusão com todas as letras”, aconteceu entre os dias 25 a 29 de Setembro colocou em pauta discussões sobre soluções relacionadas a inclusão na área da educação. Entre as atividades a Rede participou da mesa: Leitura Inclusiva e Tecnologias Assistivas, mediada pela profa. Dra. Janara Barbosa e compartilhadas pelas articuladoras Perla Assunção, representando a Fundação Dorina Nowill e Thiare  Brito, Regiane Pires e Fernanda Calixto, do Centro de Reabilitação Visual de São José do Rio Preto. A programação também foi marcada com uma apresentação cultural protagonizada por Graça Aristóteles que soltou a voz, cantou em inglês e conversou com alunos de letras e de assistência social, sobre a vida com deficiência visual, uma ação que entende ser necessária para preparar os educandos para essa realidade. LITERATURA INCLUSIVA Durante a Semana Acadêmica aproveitamos e colocamos na roda a Coleção Regionais. Por lá, desenvolvemos três atividades, uma delas deficientes visuais foram para cozinha e tiraram das caçarolas uma das receitas do livro de culinária da Coleção – Virado à Paulista. “Foi um atividade muita dinâmica, enquanto o pessoal estava nos preparativos na cozinha, acontecia outras ações, no caso, uma banda de cegos tocava e contava a história da moda de viola. Eles puxaram uns clássicos e todo mundo cantarolava junto”, conta Perla Assunção. Já na última atividade, foi a vez de uma importante e conhecida personagem do universo do folclore brasileiro entrar em cena, a famosa Cuca. A obra foi lida pela atriz Mariana da Cruz Martins Bressan, que fez a narração pela primeira vez para um público cego e recriou uma nova construção através da leitura. Essas ações criam pautas sobre a emergente necessidade de se construírem espaços sociais e ações educacionais menos excludentes, e as transformações que um processo como este provocam. “Tanto a coleção, quanto a Roda, são de extrema importância para alavancarmos a inclusão. Sabemos que por mais que a inclusão esteja em pauta, na prática ela ainda é um bebê recém nascido. Trabalho com esse público há 12 anos, no entanto, vejo o quanto os profissionais envolvidos no assunto pecam em relação as pessoas com deficiência. Em uma roda e com a Coleção podemos vivenciar ações e na prática conseguir trocar essas experiências. Com isso todos ganham”, explica Milena Bertoni Romera, pedagoga e organizadora da Semana Acadêmica. O evento teve a participação do Sesi, Senac, Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência, Secretaria da Mulher, Secretaria Municipal da Educação, Biblioteca Pública AMICC, Universidade UNILAGO, APAE e Rodobéns.  

CONTINUE A LEITURA

Biblioteca Municipal de Imbituba, Santa Catarina, recebe a Coleção Regionais

A Biblioteca Pública Municipal Cônego Itamar Luiz da Costa, na cidade de Imbituba, Santa Catarina, recebeu um conjunto da Coleção Regionais. As obras já estão disponíveis para empréstimo e consulta. Os livros detalham a diversidade cultural brasileira em formatos acessíveis às pessoas cegas e com baixa visão – braille, impressão em fonte ampliada, digital acessível Daisy e áudio. A Biblioteca começou o contato com a Fundação Dorina em 2011, quando começou a receber materiais que compõem o acervo acessível formado por livros em braille e livros em áudio. Em 2014, a relação se intensificou quando a biblioteca passou a participar dos encontros da Rede Leitura Inclusiva, integrando o Grupo de Trabalho de Santa Catarina – GT SC. No mesmo ano, Imbituba recebeu a Oficina de Leitura Inclusiva e o Encontro da Rede de Leitura Inclusiva GT SC, incentivado pela Fundação Dorina, o que impulsionou o início dos encontros do GT na cidade. Em 2016, o GT SC participou, em São Paulo, do I Encontro Nacional da Rede de Leitura Inclusiva e também do Seminário Educação Inclusiva: Avanços e Possibilidades, que oportunizou uma vivência única e transformadora aos profissionais que atuam no grupo. Já em 2017, o GT SC contou com a realização de uma Roda de Conversa Leitura e inclusão com Educadores da Rede Municipal de Ensino e participantes do GT Imbituba. E na mesma sintonia, a Rede Leitura Inclusiva SC e a Fundação Dorina realizaram na Tenda Literária a vivência Leitura com Sentidos: conhecendo os formatos de livros acessíveis para leitores com deficiência visual. No próximo dia 03 de outubro, terça-feira, o GT Imbituba fortalece o lançamento da Coleção Regionais em conjunto com a Fundação Dorina e levará cerca de 40 alunos de educação especial para uma atividade na comunidade tradicional dos Areais da Ribanceira. A Acordi – Associação Comunitária Rural de Imbituba receberá os participantes com seus agricultores e agricultoras, que apresentarão o contato com a sua cultura local, fazendo manuseio e tendo interação diretamente com a colheita de mandioca. Haverá também uma condução por uma trilha sensitiva do Coletivo TaiáTerra de Condução Ambiental Local. Para o GT Imbituba, estes serão momentos diferenciados de contato e entrega à natureza tanto para os profissionais da leitura, bibliotecários e professores que atuam no grupo de trabalho quanto para os alunos convidados para esta atividade. Lançamento da “Coleção Regionais – a cultura brasileira em suas expressões” Data: 03/10/2017 Horário: das 14h às 18h Local: Acordi – Associação Comunitária Rural de Imbituba Preparamos um mapa para você chegar na Acordi, confira: http://bit.ly/enderecoacordi    

CONTINUE A LEITURA

Coleção Regionais ganha destaque no 2º Encontro da Rede de Leitura Inclusiva de Sergipe

No último dia, 20/09, foi a vez de Aracaju receber nossa Roda de Leitura e a Coleção Regionais – A inclusão através da cultura brasileira em suas expressões, durante a segunda edição do Encontro de Leitura Inclusiva de Sergipe, no mirante da Treze de Julho. Com a participação da nossa articuladora Ana Paula Silva, o evento fez um mergulho no diálogo e experiências literárias inclusivas, como rodas de leitura com audiodescrição e interpretação em libras e atividades como a trilha da inclusão, além disso, a edição proporcionou um estande sensorial, um jardim com plantas, sementes, frutos e atividades que auxiliaram à desenvolver os sentidos dos participantes. Segundo organizadores, cerca de 150 pessoas com deficiência participaram do evento, dentre elas Maria Verônica Esteves, 62 anos, que compartilhou suas recentes experiências com a leitura e história de vida, e encheu o público de emoção. “Mesmo sem professor de braille, comecei a aprender há cerca de oito anos, em Boquim, minha comunidade (cidade ao sul de Sergipe, cerca de 84 km da capital Aracaju), com livros religiosos, ao lado dos meus amigos e familiares. Foi muito bom saber que eu poderia contar com eles, e hoje eu conto as histórias que consigo ler para todos”, explica. “A Verônica é uma mulher de um senso de humor e garra que me impressiona. Ela aprendeu braile aos 54 anos, mas não sabe escrever, só ler. No evento ela ganhou um curso e vai aprender a escrever agora. E graças a Fundação Dorina Nowill e ao projeto Rede de Leitura Inclusiva temos a oportunidade de ampliar o acervo de livros para ela e outros aqui em Boquim, e, podemos explorar nossa cultura. Ah, posso contar? Quando vi a caixa da Coleção Regionais até pulei de alegria”, conta  empolgada Maria Caitana Lima Mota da Biblioteca Pública Municipal Hermes, de Boquim. O RESPEITO À DIVERSIDADE Um dos principais objetivos do encontro além de ampliar o acesso a leitura foi respeitar toda a diversidade humana, colocar em pauta e apresentar as formas, como os livros com texturas e a audiodescrição, que são partes de um processo de construção de imagens através das palavras para as pessoas cegas. Porque mesmo no braile, as ilustrações precisam ser ditas. “Vejo essas ações como uma grande colaboração para acessibilidade ao conhecimento, não apenas para as pessoas com deficiência visual, mas para toda a sociedade”, conta a Professora Dra. Rita de Cácia Santos Souza, da Universidade Federal de Sergipe. E completa. “O que mais me chamou atenção na edição foi a forma como jovens e crianças se encantaram com a leitura acessível, pois durante a contação de história havia o contador em português, o intérprete de libras, o livro em braile e recursos pedagógicos táteis de elementos da história”, finaliza.

CONTINUE A LEITURA

Coleção Regionais é lançada com o tema Diversidade cultural brasileira e tem sua primeira roda de leitura

Depois de muito trabalho, horas de reuniões e ajustes, lançamos na última semana, aqui na Fundação Dorina Nowill, em São Paulo, a Coleção Regionais, a cultura brasileira acessível a todos. O projeto vai distribuir 63 mil livros (para instituições, organizações, escolas e bibliotecas que atendem pessoas com deficiência visual) em formatos acessíveis e interativos: braile, impressão em fonte ampliada, ilustrações, áudio e digital acessível Daisy, sobre a literatura, folclore, culinária, música e turismo brasileiros. Cada conjunto da coletânea é composto por 21 títulos que expõem a cultura popular nacional. As obras de culinária e folclore são em fonte ampliada e braile; as de literatura tem adaptação para versão em áudio de títulos já existentes no mercado editorial; o de turismo em digital acessível Daisy; e os de música oferecem as informações em fonte ampliada e braile, além de partituras acessíveis. Com a participação dos membros da Rede Nacional de Leitura Inclusiva mais de 300 organizações que constroem coletivamente ações culturais em todas as regiões brasileiras foram colaboradores e indicaram personagens folclóricos, receitas típicas e músicas de suas regiões. “A Rede Nacional de Leitura Inclusiva é um projeto da Fundação Dorina tem um papel muito importante na disseminação de conhecimento e garantia do direito à leitura da pessoa com deficiência”, afirma Ana Paula Silva, coordenadora deste projeto. “Além de nortear sobre as demandas de cada região, que muito contribuíram para a construção do projeto, atuam como multiplicadoras locais, disseminam práticas de leitura inclusiva e sensibilizam a sociedade, e ampliam as oportunidades de leitura das pessoas com deficiência visual em todo o Brasil”, explica. CONFIRA ABAIXO O VÍDEO SOBRE A COLEÇÃO REGIONAIS COM AUDIODESCRIÇÃO: Círculo cultural Como forma de estimular a literatura inclusiva, serão realizadas rodas de leitura em 20 municípios brasileiros com a utilização da Coleção. “Cada roda de leitura é desenhada considerando a riqueza e diversidade local, com o apoio dos Grupos de Trabalho da Rede Nacional de Leitura Inclusiva, proporcionará aos participantes uma rica experiência cultural, com livros para leitura sem barreiras à pessoa com deficiência visual, incentivando os presentes a serem promotores e disseminadores da inclusão”, explica Ana Paula Silva. A primeira roda já aconteceu, foi no dia do lançamento, na quarta-feira, 30/08. Quem compartilhou com a gente dessa primeira propagação foi a Biblioteca Maria Firmina dos Reis, temática em Direitos Humanos, da Cidade Tiradentes, extremo leste da capital paulista. A leitura proposta foi umas das mais conhecidas da nossa cultura, Bumba Meu Boi, no círculo a escritora Nireuda Longobardi leu a obra para alunos, pais e educadores, enquanto uma das articuladoras do projeto , Perla Assunção, fazia a audiodescrição e convidou todos os participantes a fechar os olhos e vivenciar essa construção de imagens com palavras. “Foi um momento lindo! Esse projeto abre muitas possibilidades. A mais importante é transmitir a relação livro, leitura e deficiência visual, em seguida, a exploração da leitura sensorial, agora vou conseguir trabalhar a leitura com mais riqueza, utilizando outros sentidos, especialmente por esse

CONTINUE A LEITURA

XXI Semana da Pessoa com Deficiência

Dia 29 de agosto de 2017, a Escola Estadual Adriano Jorge participou XXI Semana da Pessoa com Deficiência em Arapiraca – AL. O evento foi organizado pela 5ª Gerência Regional de Ensino da Secretaria da Educação do Estado de Alagoas. Realizado no período de 8h às 15h, no auditório da Escola Estadual Professora Izaura Antônia Lisboa-EPIAL. No decorrer do evento aconteceram: entrevistas, apresentações, palestras e exposições, para profissionais da área da inclusão e alunos. Durante a exposição, Eu, Maria Silvana Maranhão da Costa (Transcritora e Ledora Braille) apresentei os recursos utilizados para o atendimento aos alunos com deficiência visual na sala de AEE da Escola Estadual Adriano Jorge. Os equipamentos utilizados para alfabetização, a escrita e a leitura do Sistema Braille: a máquina Perkins Braille; a reglete tradicional; o punção; a borracha; o papel e as lupas. Os materiais doados pela Fundação Dorina Nowill à Escola: os livros em Braille; livros com letras ampliadas e áudio livros em cd’s. Apresentei o soroban, o Communicare, o quadro sensitivo e outros materiais adaptados. Foi mais um dia em prol da disseminação da educação inclusiva. A Escola Estadual Adriano Jorge parabeniza a toda equipe da 5ª Gere pelo evento, em nome da Gerente Regional, Eliete Rocha e agradece a grande parceria com a Fundação Dorina Nowill. Maria Silvana Maranhão da Costa Transcritora e Ledora Braille Escola Estadual Adriano Jorge Arapiraca-AL

CONTINUE A LEITURA

GTParaíba da Rede de Leitura: ações em João Pessoa e Campina Grande

No dia 16 de agosto, o GTPB realizou duas atividades para compartilhar as experiências na área de livro, leitura e inclusão da pessoa com deficiência.A primeira foi uma roda de conversa no Instituto Federal da Paraíba – Campus João Pessoa, que contou com membros do GT e parceiros do IF. Esse encontro também contou com a parceria do GTPE, que veio de Recife para compartilhar saberes e estratégias de atuação em rede. Na roda de conversa foram abordados temas na área do direito à informação e leitura; disponibilização de livros acadêmicos em formato acessível; articulação entre instituições de ensino e de atendimento aos jovens com deficiência e o fortalecimento de práticas esportivas; e uma agenda temática a ser construída pelo GT. Durante o encontro foi feita uma articulação para o lançamento do projeto Regionais na capital João Pessoa. A segunda agenda foi uma visita ao Instituto de Educação e Assistência aos Cegos do Nordeste, na cidade de Campina Grande. Nessa atividade parceiros do GTPB,do GTPE, do Instituto, da Universidade, do IFPB (Campus João Pessoa) dialogaram com crianças, jovens e adultos, profissionais e participantes dos projetos do Instituto, sobre a importância da leitura e da produção de materiais acessíveis para as pessoas com deficiência visual.  

CONTINUE A LEITURA

Reunião GTMS: diálogo em rede para lançamento do projeto Regionais

Dia 23 de agosto o GTMS ser reuniu na biblioteca do ISMAC – Instituto Sul Mato Grossense para Cegos Florivaldo Vargas, para articular ações de livro e leitura em parceria. O encontro contou com a presença de parceiros do CAPDV/MS, da Biblioteca Municipal de Campo Grande e da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – SECTUR e teve como principal objetivo dialogar sobre uma ação local voltada para o direito à leitura inclusiva para a pessoa com deficiência e outras populações do estado. Essa ação também será feito o lançamento do Projeto Regionais no Mato Grosso do Sul.

CONTINUE A LEITURA

GT Paraíba da Rede de Leitura: parceria intermunicipal e interestadual

No dia 16 de agosto, o GTPB realizou duas atividades para compartilhar as experiências na área de livro, leitura e inclusão da pessoa com deficiência. A primeira foi uma roda de conversa no Instituto Federal da Paraíba – Campus João Pessoa, que contou com membros do GT e parceiros do IF. Esse encontro também contou com a parceria do GTPE, que veio de Recife para compartilhar saberes e estratégias de atuação em rede. Na roda de conversa foram abordados temas na área do direito à informação e leitura; disponibilização de livros acadêmicos em formato acessível; articulação entre instituições de ensino e de atendimento aos jovens com deficiência e o fortalecimento de práticas esportivas; e uma agenda temática a ser construída pelo GT. Durante o encontro foi feita uma articulação para o lançamento do projeto Regionais na capital João Pessoa. A segunda agenda foi uma visita ao Instituto de Educação e Assistência aos Cegos do Nordeste, na cidade de Campina Grande. Nessa atividade parceiros do GTPB,do GTPE, do Instituto, da Universidade, do IFPB (Campus João Pessoa) dialogaram com crianças, jovens e adultos, profissionais e participantes dos projetos do Instituto, sobre a importância da leitura e da produção de materiais acessíveis para as pessoas com deficiência visual.

CONTINUE A LEITURA

VI Encontro da Rede de Leitura Inclusiva GT Pernambuco

Nessa terça-feira, dia 16, participamos dos eventos em comemoração a Semana Estadual e Municipal da Pessoa com Deficiência, organizado pelo GT Pernambuco da Rede de Leitura Inclusiva em parceria com Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco  e a Secretarias Estadual e Municipal de Educação. Esse foi o VI Encontro da Rede de Leitura Inclusiva GT Pernambuco que possibilitou o diálogo com alunos, professores e demais profissionais da área de livro, leitura e pessoa com deficiência. Durante a atividade o público abordou os desafios e potências de promover a leitura em diversas formas e com diferentes públicos, pensando em parceria. As atividades da Semana Estadual e Municipal da Pessoa com Deficiência realizada na Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco se estenderá até dia 18/08, com mesas de diálogos, Momento Poético, Visita Guiada com acessibilidade e Contação de Histórias em formatos acessíveis: libras e audiodescrição. Participem!  

CONTINUE A LEITURA

Rede de Leitura Inclusiva na 2ª edição da Fligê – Feira Literária de Mucugê

A Rede de Leitura Inclusiva foi convidada a participar da 2ª edição da Fligê – Feira Literária de Mucugê/BA, que aconteceu de 10 a 13 de agosto. O tema “Os percursos da leitura inclusiva” foi o foco do diálogo mediado pela professora Selma Matos (UESB) e contou também com os convidados Arnaldo Godoy (Uberlândia/MG) Lilian Menenguci (Rede GTES). Além dessa roda de conversa, participamos com exposição dos livros da Fundação em parceria com a Acide – Associação Conquistense de Integração do Deficiente, organização parceira da Rede sediada em Vitória da Conquista. No stand foram realizadas atividades de leitura com crianças que participaram da Fligezinha.  

CONTINUE A LEITURA

Piauí dialoga sobre Leitura Inclusiva e Projeto Regionais

O Grupo de Trabalho da Rede de Leitura Inclusiva do Piauí se reuniu em 02 de agosto para dialogar sobre ferramentas e estratégias colaborativas que incluam as pessoas com deficiência visual e outras deficiências nas ações locais de educação, cultura e comunicação, entre outras áreas. Reunidos na Universidade Federal do Piauí – UFPI, parceiros da Universidade, do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência – CONADE, da Associação dos Cegos do Piauí – ACEP, Comradio do Brasil, da Fundação de Apoio às Entidades dos Cegos do Piauí – FACEP, abordaram as conquistas e potencialidades para a efetivação da participação das pessoas com deficiência em ações de livro, leitura e direito à informação. O GT dialogou sobre o Projeto Regionais e pré-agendou a Roda de Leitura para uma ação, que será construída pelo GT e seus parceiros locais, nas atividades de celebração do aniversário do Estado do Piauí, em 19 de outubro de 2017.

CONTINUE A LEITURA

Concurso de Leitura Braille

A Rede Nacional de Leitura Inclusiva – FDNC com o GT Goiás Quer saber: Será que os cegos estão abandonando o sistema Braille? Será que os leitores de tela com suas vozes sintetizadas podem proporcionar o mesmo prazer na leitura de um livro como o tatear das letras inventadas por Louis Braille? Para descobrir como está a capacidade de leitura e percepção dos pontos em relevo na ponta dos dedos das pessoas com deficiência visual, venha participar do concurso de leitura Braille. Os participantes serão divididos em categorias: crianças, adolescentes e adultos. O primeiro lugar de cada categoria receberá um prêmio especial, e todos receberão medalha pela participação. Apoio: Associação dos deficientes Visuais do Estado de Goiás – ADVEG Centro Brasileiro de Reabilitação e Apoio às Pessoas com Deficiência Visual – CAP/CEBRAV Realização: Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo” – BBJAA   O quê? Concurso de leitura Braille Quando? 30 de junho de 2017 às 14:00 Onde? Praça Cívica, número 02, hall de entrada do Centro Cultural “Marieta Telles Machado”.    

CONTINUE A LEITURA

Itabuna: FURC realiza o II encontro Rede de Leitura Inclusiva

Aconteceu na terça – feira, 06 de Junho, na Fundação Regina Cunha – FURC, auditório DEHORC, o II Encontro da Rede de Leitura Inclusiva do GT Itabuna – Bahia. No período da manhã foi realizada a Oficina de Leitura Inclusiva, e à tarde uma roda de conversa com o tema “Fortalecimento do Trabalho em Rede”. Angelita Garcia, representante da Fundação Dorina Nowill, conduziu a Oficina de Leitura Inclusiva, que teve como objetivo fomentar ações para que pessoas com deficiência disponham de oportunidades diversificadas de acesso ao livro e à leitura, e também mediou a roda de conversa. Estiveram presentes representantes de instituições de Itabuna, Itapetinga e Una: CEPEI, Secretaria de Educação, CIONF, COMPEDE, FICC, APAE, UESC, Núcleo Territorial de Educação, Agentes Comunitários de Saúde, CAP Grapiúna, professores da rede Municipal e Estadual de ensino.

CONTINUE A LEITURA

GT ESPÍRITO SANTO POTENCIALIZA AS AÇÕES DA REDE DE LEITURA INCLUSIVA NA CAPITAL CAPIXABA

Potencializar e democratizar o acesso ao livro, à leitura e à literatura para pessoas com deficiência. Essa foi a proposta do V Encontro da Rede de Leitura Inclusiva – GT Espírito Santo, que aconteceu nestas quinta (25) e sexta (26), no Museu Capixaba do Negro “Veronica da Pas” (Mucane), na capital capixaba. O encontro se deu em dois dias. No primeiro, fora realizada a Oficina de Leitura Inclusiva. No segundo, uma roda de conversa a partir do tema “Fortalecimento do Trabalho em Rede”. “Participar dessa ação reitera nosso compromisso, pessoal e coletivo, com as políticas e práticas da área de acessibilidade para a construção de uma sociedade que seja, indistintamente, para todos”, afirmou Lilian Menenguci, assessora técnica da Secretaria de Cultura de Vitória e integrante da Rede de Leitura Inclusiva – GT Espírito Santo. Angelita Garcia, representante da Fundação Dorina Nowill, conduziu a Oficina de Leitura Inclusiva, que teve como objetivo fomentar ações para que pessoas com deficiência disponham de oportunidades diversificadas de acesso ao livro e à leitura e também mediou a roda de conversa. A Oficina A oficina, que aconteceu na quinta-feira (25), das 14h às 18h, teve início com uma provocação acerca de “mitos” que envolvem a questão da pessoa com deficiência, de modo geral, e da pessoa com deficiência visual, de maneira particular. Como elemento disparador, foram apresentadas frases que reproduzem estereótipos de questões inerentes ao processo inclusivo. Em seguida, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer alguns recursos utilizados para escrita, leitura e cálculo, como: reglete, punção, máquina braille e sorobã. Esse momento, absolutamente rico pela troca de saberes e fazeres, contou com a participação das professoras Erondina Miguel Vieira e Helena Abreu, ambas especialistas na educação de pessoas com deficiência visual, que se propuseram a apresentar, didaticamente, cada um dos recursos capazes de tornar acessível a leitura e a produção de textos por pessoas com baixa visão e cegueira. As ações foram referenciadas por Sandro Bermudes, profissional que atua no Setor Braille da Biblioteca Pública Estadual, pessoa com deficiência visual. Livros em formatos acessíveis, também foram apresentados aos participantes. Angelita também abordou o tema “audiodescrição”. Durante a sua explanação, destacou a importância de se pensar na técnica que sustenta tal atividade. Segundo ela, “é de extrema importância não atribuir juízo de valor às descrições”. A atividade envolveu todo o grupo que sempre se apresentou ativo, curioso e disponível para a tarefa de seguir tecendo em rede. A Roda de Conversa Encerrando as atividades do V Encontro, aconteceu, na manhã da sexta-feira (26), das 10h às 12h, a roda de conversa “Fortalecimento do Trabalho em Rede”, que tratou das experiências sobre a leitura na perspectiva inclusiva, além da ampliação e do fortalecimento de políticas e práticas de acessibilidade construídas por meio de ações colaborativas entre os parceiros da rede. Como iniciativa para a ampliação de experiências sobre a leitura na perspectiva inclusiva, o GT encaminhou

CONTINUE A LEITURA

Lançamento de Livro Acessível

Amigos, na nossa décima Tarde cultural tivemos o lançamento do livro acessível Abracadabras: crio enquanto falo, da autora Cássia Fernandes. Tivemos uma boa participação dos usuários da Biblioteca Braille “José Álvares de Azevedo” Premiado pelo Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás, esta é uma obra literária inclusiva – pode ser acessada por todos e por todas. Publicado em formato eletrônico, este trabalho poético permite a aproximação de leitores com deficiência visual. Abracadabras: crio enquanto falo é, ao mesmo tempo, um livro de poemas que associa o gênero lírico ao épico, unindo o lirismo em essência definidor da poesia ao aspecto épico das narrativas. Nos textos é recorrente a busca pelo amor no universo contemporâneo das relações virtuais, da rede mundial de computadores. Simultaneamente, a temática é abordada de forma atual, há um diálogo com hábitos, comportamentos, valores e mesmo com a literatura do passado. Para tanto, a obra nos coloca em contato com três vozes: Miss Austen, Condessa e Madame Natasha. Atenciosamente, Nega Lilu Editora www.negalilu.com.br O quê? Lançamento do livro acessível Abracadabras: crio enquanto falo Quem? Cássia Fernandes Onde? No hall de entrada do Centro Cultural Marieta Telles Machado Quando? 26/05/2017, 15 horas.    

CONTINUE A LEITURA

GT ESPÍRITO SANTO PROMOVE V ENCONTRO DA REDE DE LEITURA INCLUSIVA

Com a proposta de potencializar e democratizar o acesso ao livro, à leitura e à literatura para pessoas com deficiência, acontece nestas quinta (25) e sexta (26), no Museu Capixaba do Negro “Veronica da Pas” (Mucane), o V Encontro da Rede de Leitura Inclusiva – GT Espírito Santo, que vai realizar atividades para discutir políticas e práticas inclusivas. O encontro será mediado por Angelita Garcia, da Fundação Dorina Nowill para Cegos de São Paulo, e será dividido em dois momentos: no primeiro dia, acontecerá uma oficina sobre “Leitura Inclusiva”; no segundo dia, uma roda de conversa sobre “Fortalecimento do Trabalho em Rede”. “A expectativa é estreitar laços e consolidar estratégias que culminem em ações de leitura inclusiva para a diversidade da população”, disse a mediadora. O evento reunirá um público diverso, composto por colaboradores de diferentes áreas como comunicação, direitos humanos, educação e cultura, entre outras. Inclusão “O trabalho da Rede promove o encontro de diversas representações da sociedade capixaba que buscam oportunizar a inclusão de pessoas com deficiência. Na educação, onde registramos a matrícula de 1.218 estudantes, várias ações são organizadas nas unidades escolares e nos Centros de Ciência, Educação e Cultura do município, com o objetivo de garantir o acesso à escrita, à leitura e às demais atividades que a pessoa com deficiência tem por direito”, disse a coordenadora de Educação Especial de Vitória, Ana Lúcia Sodré de Oliveira. “Democratizar o acesso; fomentar a leitura e a formação de mediadores; valorizar, institucionalmente, a leitura e seu valor simbólico e, ainda, fomentar a cadeia criativa e a cadeia produtiva do livro também são objetivos da Rede que nos fazem pensar e trabalhar na direção da garantia do direito à cultura, por todos os cidadãos, indistintamente. Nesse sentido, atuar em rede (re)inaugura, em nós, a importância do trabalho colaborativo na construção da cultura da acessibilidade”, disse Lilian Menenguci, assessora técnica da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) e integrante da Rede de Leitura Inclusiva- GT Espírito Santo. Leitura inclusiva: o que é? O objetivo principal da leitura inclusiva é tornar a leitura acessível a todas as pessoas. Nesse caso, de maneira particular, para as pessoas com deficiência, mobilidade reduzida, surdez, entre outras, por meio de diferentes estratégias, metodologias e recursos de tecnologia assistiva. A intenção do projeto Rede de Leitura Inclusiva é mobilizar e estreitar o relacionamento entre estudantes, professores, pesquisadores, mediadores de leitura, agentes de bibliotecas, artistas, produtores culturais, organizações sociais e governos, para disseminar a leitura inclusiva pelo Brasil. Serviço V Encontro da Rede de Leitura Inclusiva – GT Espírito Santo Quando: – oficina de Leitura Inclusiva: 25 de maio, quinta-feira, das 14 às 18 horas – roda de Conversa sobre “Fortalecimento do Trabalho em Rede”: 26 de maio, sexta-feira, das 10 às 12 horas Onde: Museu Capixaba do Negro (Mucane), localizado à Avenida República, 121 – Centro Aberto ao público (inscrições feitas na hora) Fonte: com informações da

CONTINUE A LEITURA

Técnico de farmácia & Padre Chico: aprendizado com significado

    Em 2016, o curso técnico em farmácia, no módulo de IV, que estuda entre outros assuntos as plantas medicinais e os fitoterápicos viabilizou uma vivência diferenciada aos alunos. Com o objetivo de inovar, transformar e significar o ensino a professora Liliane Barros tinha em mente fazer com que os alunos estudassem as plantas medicinais e no sentido prático, cultivassem essas plantas, acompanhando assim todo o processo de plantio, cuidado e preparo para consumo das plantas medicinais. Mas isso era só o começo desse projeto. A professora sabendo que a Biblioteca fazia parte da Rede de Leitura Inclusiva, veio conversar sobre a possibilidade desse módulo ser tratado e discutido de forma inclusiva e como a biblioteca poderia viabilizar tudo isso. A bibliotecária Adriana Rafael, entrou em contato com a Rede e levou a sugestão da professora para o Grupo, que respondeu imediatamente com sugestões para que a atividade fosse feita em parceria. O Colégio Vicentino Padre Chico, que alfabetiza deficientes visuais, gostou da proposta e achou que traria ganhos para seus alunos. A Fundação Dorina Nowill, também manifestou interesse em participar e sua contribuição seria uma aula com o tema inclusão para os alunos do técnico de farmácia. O Senac Aclimação, através da biblioteca auxiliou na conversão dos documentos para o Braille e Fonte Ampliada. Segundo a Professora Liliane “A ideia veio ao encontro do desafio do desenvolvimento de práticas pedagógicas, valorizando o ensino com significado, estimulando o estudante a assumir seu papel e compromisso do aprender a aprender, tornando-o sensível para ser ator atuante na sociedade, sua percepção de respeito às diferenças”. O projeto teve início em junho, com a construção da proposta, execução das etapas e a apresentação final no Colégio Padre Chico, que foi em outubro de 2016. O grande diferencial foi o planejamento e o envolvimento com antecedência das partes envolvidas. No depoimento a aluna do SENAC Kimberly Mendes de Souza, disse que foi bom trabalhar com este público diferenciado, ela afirma “É difícil descrever a sensação de alegria e entusiasmo que senti. Confesso que senti um pouco de medo no início, por nunca ter tido contato. Levarei em minha vida esta experiência que gostaria que todos experimentassem”. Dessa opinião compartilha a docente Liliane: “ Foi um projeto gratificante onde senti como é importante compartilhar e trocar conhecimento. O Colégio Vicentino Padre Chico nos recebeu com muito carinho e foi enriquecedor o interesse que os alunos demonstraram na atividade”. O método: os alunos do SENAC foram envolvidos no processo de cultivo das plantas medicinais, bem como deveriam pesquisar os benefícios, o preparo e dose correta, eles tiveram uma aula sobre o tema inclusão, visitaram a biblioteca para conhecerem os recursos e discutiram como fariam a abordagem junto aos alunos e deficientes visuais do Colégio Padre Chico. No dia do evento, contamos com a presença de outros parceiros do GTSP da Rede de Leitura Inclusiva para

CONTINUE A LEITURA

OFICINA DE LEITURA INCLUSIVA DISCUTE ACESSIBILIDADE – SANTA MARIA/RS

Na tarde da quarta-feira, 4 de maio, o auditório da SUCV recebeu mais uma atração da Feira do Livro 2017:  a oficina de leitura inclusiva, produzida pelo Centro da Rede de Leitura Inclusiva e Fundação Dorina Nowill para Cegos. A fundação possui uma biblioteca virtual – a Dorinateca – que disponibiliza livros por download nos formatos Braille, Falado e Digital Acessível (DAISY) – para pessoas com deficiência visual, bibliotecas, associações, escolas e universidades cadastradas de todo o país. Angelita Garcia – que participa da rede nacional da fundação – comandou a conversa que abordou as tecnologias de leitura existentes para deficientes visuais. Cristian Evandro Sehnem, pedagogo e Técnico em Educação no Núcleo de Acessibilidade da UFSM, compartilhou suas experiências como deficiente visual. Foi destacada a importância de derrubar alguns mitos, como o de que deficientes visuais não conseguem ser independentes ou de que só é deficiente visual a pessoa que nasce cega. Ele também falou da importância da leitura em Braille: “Ela não pode ser substituída pelas outras tecnologias existentes pois  é através dela que os deficientes visuais conseguem aprender a escrever de forma gramaticalmente correta”, revela Sehnem. Questões de políticas públicas também foram discutidas. Segundo Angelita, elas sofrem mudanças quando nós provocamos, por isso é tão importante discutir e estar ciente da presença dos deficientes na sociedade.

CONTINUE A LEITURA

Oficina de Leitura Inclusiva na Feira do Livro de Santa Maria – RS

Na tarde de 04 de maio aconteceu, no auditório da Sociedade União dos Caixeiros Viajantes (SUCV), uma Oficina de Leitura Inclusiva, programação concomitante a Feira do Livro de Santa Maria. A oficina foi ministrada por Angelita Garcia, da Fundação Dorina Nowill para Cegos e pelo GT Centro RS da Rede de leitura Inclusiva. Os temas abordados foram sensibilização e desconstrução de mitos sobre a deficiência visual e a leitura inclusiva; livros acessíveis, suas especificidades e utilização; e recursos de acessibilidade à leitura. A Rede de Leitura Inclusiva é um projeto mobilizado pela Fundação Dorina Nowill para Cegos na perspectiva de fomentar o acesso à Leitura e à informação para pessoas com deficiência. Esta ação acontece em âmbito nacional onde cada Estado é mobilizado a formar Grupos de Trabalho para que construam novas ações de leitura e inclusão ou potencializem as já existentes. Tendo a ACESSIBILIDADE ATITUDINAL como foco, a participação nesta proposta é voluntária e as ações gratuitas. São representantes da UFSM e moderadores do GT Centro RS da Rede de Leitura Inclusiva Cristian Evandro Sehnem do Núcleo de Acessibilidade e Cristina Strohschoen dos Santos do Departamento de Arquivo Geral (DAG). O GT Centro RS tem 80 integrantes e foi criado em dezembro de 2015. (Fotografias: Lidiane Castagna e Marcos Machado Paulo)

CONTINUE A LEITURA