Nossas Atividades Regionais

Biblioteca Municipal de Imbituba, Santa Catarina, recebe a Coleção Regionais

A Biblioteca Pública Municipal Cônego Itamar Luiz da Costa, na cidade de Imbituba, Santa Catarina, recebeu um conjunto da Coleção Regionais. As obras já estão disponíveis para empréstimo e consulta. Os livros detalham a diversidade cultural brasileira em formatos acessíveis às pessoas cegas e com baixa visão – braille, impressão em fonte ampliada, digital acessível Daisy e áudio. A Biblioteca começou o contato com a Fundação Dorina em 2011, quando começou a receber materiais que compõem o acervo acessível formado por livros em braille e livros em áudio. Em 2014, a relação se intensificou quando a biblioteca passou a participar dos

Pesquisadores criam jogo de tabuleiro para crianças aprenderem Braille

Jogo de tabuleiro para crianças aprenderem braille permite alfabetização e desenvolvimento de habilidades táteis. Segundo o Portal Correio, pesquisadoras da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) desenvolveram um dispositivo para auxiliar no aprendizado de crianças cegas ou com baixa visão. Por meio da ferramenta lúdica, é possível alfabetizar em Braille, explorar habilidades táteis e reconhecer formas 2D (em duas dimensões). A tecnologia associativa, patenteada pela Agência UFPB de Inovação Tecnológica (Inova) e criada em parceria com o Instituto de Cegos da Paraíba, em João Pessoa, é constituída de um tabuleiro com espaços quadriculares para o encaixe de peças que representam coisas do cotidiano. Cada peça contém o nome da respectiva forma, tanto em Braille, para crianças cegas, quanto em caixa alta e em alto-contraste, para crianças com baixa visão. O jogo de tabuleiro para crianças é feito de polímero ABS, um

CONTINUE A LEITURA

Empresário com baixa visão cria agência de viagens para pessoas com deficiência

Praia, cidade, serra ou campo. Quem é que não quer ter o direito de “ir e vir” garantido e ser atendido em suas necessidades independentemente de onde esteja? Foi pensando nisso que o empresário Arthur Minitti, que é de São Paulo, mas mora em Curitiba, criou a Viagem Acessível, uma agência de viagens específica para pessoas com algum tipo de deficiência física ou intelectual, e tem ajudado a construir boas memórias. A ideia surgiu quase três anos atrás, depois de sua própria experiência tendo deficiência visual, mas mantendo uma rotina de viagens. “Eu sempre viajei muito, tanto com a minha família quanto a trabalho e as pessoas tinham curiosidade em saber como eu fazia para comprar as passagens, reservar hotel e tudo mais. Aí eu percebi que existia uma carência no mercado de turismo voltado a esse público”, diz. Arthur conta

CONTINUE A LEITURA

Máscaras transparentes geram renda para costureiras e promovem acessibilidade

Um grupo de costureiras de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, está em plena atividade na pandemia de covid-19. O trabalho na crise provocada pelo coronavírus é centralizado na produção de 100 mil máscaras com uma característica importante e específica. Os modelos em algodão têm na região da boca uma lâmina transparente, o que permite ver durante a fala movimentos do rosto, expressões e até sorrisos. É uma dinâmica fundamental para pessoas com deficiência auditiva que fazem leitura labial. Com o uso obrigatório das máscaras de proteção em todo o País, a leitura dos lábios, única maneira para muitos surdos entenderem o que outras pessoas estão falando, se tornou impossível, especialmente nos telejornais, com repórteres de rosto coberto do nariz ao queixo. Desde o começo da pandemia, surgiram em vários países ideias para confecção de itens transparentes que mantêm

CONTINUE A LEITURA

Vagas para Bacharelado e Licenciatura na UFBA em EAD

A UFBA – Universidade Federal da Bahia – está abrindo 550 vagas em três curso de Graduação em EAD. São  duzentas (200) vagas para Bacharelado em Biblioteconomia distribuídas por 05 Polos, duzentas (200) vagas para Licenciatura em Matemática, em 05 Polos e cento e cinquenta (150) vagas para Licenciatura em Teatro em 05 Polos. A forma de ingresso é diferenciada e voltada para servidores do campo da Educação, além de professores da Educação. O bacharelado em Biblioteconomia visa o público que tenha obrigatoriamente concluído o Ensino Médio e, preferencialmente atuaram, atuam ou podem vir atuar em ambientes voltados à informação. Polos: Brumado, Ilhéus, Juazeiro, Santo Amaro e Vitória da Conquista. A licenciatura em Matemática tem como público-alvo professores da rede pública e candidatos que tenham concluído o ensino médio e tenham realizado o ENEM em qualquer edição entre 2015 a

CONTINUE A LEITURA

Curso de Inglês Gratuito à Distância

O Grupo Retina São Paulo está com inscrições abertas para o curso de Inglês gratuito à distância para pessoas com deficiência visual, com ênfase na conversação. As aulas serão ministradas virtualmente, com carga horária de 2 horas semanais, totalizando 20 horas ao final do módulo. Não perca a chance de aprimorar seu inglês! Pré-requisitos: Ter conhecimento prévio no nível básico Inscrições até dia 30 de agosto de 2020 Para se inscrever e participar do processo seletivo, envie seu nome completo e telefone para o email [email protected]

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: banner virtual na cor azul com o texto "2º Encontro Nacional da Rede de Leitura Inclusiva". Nas extremidades há pontos coloridos interligados.
Acontece

Ler, incluir e transformar: quando os nós em rede se conectam e promovem a leitura para todos

Há 73 anos atrás, nascia um sonho em páginas brancas cheias de pontinhos. Ele foi crescendo e se transformando em sons e em tecnologias. Em 2019, ele já é uma realidade e congrega muitos outros sonhadores pelo Brasil, conectados pela Rede Nacional de Leitura Inclusiva. Para conhecer mais sobre essa história, a Fundação Dorina Nowill para Cegos realiza o  2º Encontro Nacional de Leitura Inclusiva, reunindo os parceiros promotores da leitura das cinco regiões brasileiras que participam deste projeto iniciado em  2013. O evento é gratuito, acontece entre os dias 7 e 9 de agosto em São Paulo e traz em sua programação o lançamento da pesquisa Cenários sobre a Leitura Acessível no Brasil, desenvolvida junto com o Instituto Data Folha, além de painéis inspiradores sobre leitura inclusiva em diferentes territórios e conversas com escritores convidados. A programação aberta ao público será

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de quatro pessoas sentadas, olhando para uma mulher de pé. Ao lado direito há uma mesa com um cartaz escrito "Aqui tem Agosto das Letras 2018 - Festival de Leitura da Paraíba"
Acontece

Encontro em Paraíba: Conheça histórias de protagonismo pela inclusão

“Temos que mostrar as nossas capacidades.”, diz o paraibano Robson Silva acerca do universo da pessoa com deficiência e, mais especificamente, da deficiência visual. Não por acaso, já que nasceu com retinose pigmentar e, aos quinze anos, perdeu completamente a visão. A retinose hereditária também afetou seus três irmãos. Natural da cidade interiorana de Bananeiras, o quarteto encontrou dificuldades na escola. “Eu sabia responder às questões, mas assinalava no lugar errado e o professor não entendia”, lembra Silva. O problema persistiu até os anos 2000, quando ele completou quinze anos. “Fiquei totalmente cego e acompanhava as aulas só de ouvido, enquanto respondia às questões oralmente. Era horrível, mas daí viram que eu sabia as respostas e finalmente comecei a avançar nos estudos.”, relata. O atraso fez com que, em 2008, o rapaz decidisse migrar sozinho para João Pessoa. Lá, além

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de uma mulher falando ao microfone. Atrás dela, um telão com o logotipo da Rede Nacional de Leitura Inclusiva.
Santa Catarina

Membros da Rede Nacional de Leitura Inclusiva se encontram na nona edição do SENABRAILE

Qual o papel do bibliotecário na sociedade? Essa é a pergunta que impulsiona a atuação de Adriana Ferrari, presidente da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários (FEBAB), inclusive no ativismo pelo acesso à leitura. A mesma pergunta que a inspirou, por exemplo, a idealizar e coordenar o projeto da Biblioteca de São Paulo, que abre em finais de semana e feriados. “Quando falamos na leitura para todos, além de um acervo gratuito e em formatos acessíveis temos de pensar nas condições de deslocamento do público até esse material.”, diz a bibliotecária. Foi com naturalidade, portanto, que Adriana esteve à frente da nona edição do Seminário Nacional de Bibliotecas Braille (SENABRAILLE), promovido pela FEBAB nos dias 12 e 13 de julho, em Florianópolis, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Iniciado em 1995, o SENABRAILLE busca a troca de experiências e

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem
Acontece

Biblioteca Maria Firmina dos Reis inaugura acervo acessível

Casinhas acolchoadas e uma grande árvore baobá esculpida em madeira, típica do continente africano, embaixo da qual, tradicionalmente, os mestres griôs sentam para contar histórias. Estes elementos se destacam na ambientação da Biblioteca Maria Firmina dos Reis, que fica em Cidade Tiradentes, na capital paulista, uma região marcada pela luta histórica por habitação – abriga o maior complexo de conjuntos da América Latina, beirando a 40 mil unidades – e é composta por uma população predominantemente negra e nordestina. Foi mantendo a decoração simbólica que, no dia 29 de junho, a biblioteca comemorou mais uma conquista para a comunidade, com a inauguração de um acervo acessível de livros em Braille e em fonte ampliada para pessoas com deficiência visual. O material foi doado pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, que enviou uma representante da Rede de Leitura Inclusiva e um

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de um grupo de pessoas sentadas em um semicírculo. À frente deles há uma mulher de pé.
Acontece

De um castelo medieval À Mogi-Mirim: Contador de histórias participa de oficiina sobre literatura acessível

História e arte povoam o cotidiano do pedagogo Almir Rogério Ferraz, 35. Ele é Coordenador Pedagógico na Escola Estação Municipal de Apoio ao Atendimento Integral à Criança (EMAIC), pela Rede Municipal de Pirassununga. A escola desenvolve atividades recreativas e lúdicas para alunos da Rede, como teatro, dança e contação de histórias. Um dos atrativos da Estação é o EMAIC-Castelinho, construção de 80 anos que imita um castelo medieval. É nesse ambiente que Ferraz também desempenha sua formação como ator. “Adoro a relação humana que a educação envolve e um bom exemplo disso é interpretar a leitura de uma história”, declara o pedagogo. Foi essa relação com os livros que levou Ferraz até a oficina sobre Leitura Digital Acessível, promovida pela Rede de Leitura da Fundação Dorina Nowill para Cegos, em parceria com a Secretaria de Educação de Mogi-Mirim, cidade localizada

CONTINUE A LEITURA
Descrição de imagem: foto de duas mãos sobre uma página em braille.
Acontece

Histórias de inclusão se encontram na 45ª Feira do Livro de Santa Maria

Seja em um filme, nas poucas linhas de um blog, jornal, revista ou mesmo ao longo das páginas de um livro, encontramos recortes narrativos da vida de alguém, de um certo episódio ou evento histórico, visando o que há de mais importante a ser dito. No caso deste texto, por exemplo, poderíamos dizer que o encontro das histórias do pedagogo com deficiência visual total, Cristian Sehnem, 42, e da Fundação Dorina Nowill para Cegos começou na ação da Rede de Leitura Inclusiva realizada no dia 8 de maio, com o apoio do Grupo de Leitura Inclusiva RS/Centro, durante a 45ª Feira do Livro de Santa Maria. A verdade, porém, é que uma história passou a fazer parte da outra ainda em 2001, quando Sehnem começou a trabalhar na Biblioteca Central da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), cidade onde

CONTINUE A LEITURA
Descrição da imagem: foto de um homem manuseando um celular. Outro homem ao lado dele observa o aparelho.
Acontece

Os livros não incluem o mundo, quem inclui o mundo e os livros são as pessoas

Essa adaptação da famosa máxima do poeta Mário Quintana bem poderia ser de autoria da pedagoga Milena Bertoni Romera, 40, levando-se em conta o sentido que o termo “inclusão” possui para a educadora. Há 13 anos, Milena presta atendimento pedagógico especializado a crianças e adolescentes com deficiência visual associada ou não a outras deficiências, no Centro de Reabilitação Visual (CRV) de São José do Rio Preto, preparando os alunos para frequentar uma escola regular. “Existem escolas que acreditam que inclusão se resume a aprender a ler e a escrever, mas esquecem de estimular a autonomia e as relações interpessoais”, afirma a pedagoga. Milena já é parceira anual da Rede de Leitura da Fundação Dorina Nowill para Cegos e apoiou a oficina A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy, realizada na sede do CRV em 25 de maio. Ela

CONTINUE A LEITURA