Início conteúdo principal
Foto de uma sala de aula,ao fundo lousa verde com grupo de 13 pessoas - estudantes e professores -em pé pousando para foto. A frente do grupo quatro carteiras escolares unidas, acima delas mochila, computador e acessórios e projetor.

PRODUÇÃO DE ACERVO DE ÁUDIO: LETRAMENTO LITERÁRIO ESCOLAR E INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Vânia Gonçalves de Almeida (PIBID/ P AA/ FIC/ FEUC)

            O Projeto PAA – Produção de Acervo de Áudio – desenvolvido por graduandos(as) de Licenciaturas em Letras das Faculdades Integradas Campo-Grandenses (FIC/ FEUC), juntamente com o apoio da CAPES, busca promover o letramento literário de alunos(as) da rede pública da cidade do Rio de Janeiro e produzir material destinado ao uso de pessoas com deficiência visual, com intuito de contribuir para inclusão social e desenvolvimento intelectual dos mesmos.

            A proposta do projeto é fazer com que os futuros discentes da área de Letras desenvolvam estratégias pedagógicas que promovam o gosto pela leitura literária. Para tanto, são promovidas pesquisas voltadas para o letramento literário, para a mediação pedagógica e para as produções de áudio. Tais pesquisas tem o propósito de despertar nos(as) alunos(as) do segundo segmento do ensino fundamental da Escola Municipal Euclides da Cunha, – que sedia o projeto PAA – o gosto pela leitura e, também, produzir material auditivo de qualidade para que pessoas com deficiência visual possam desfrutar.

            Situada no bairro de Guaratiba, Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, a escola, sede do projeto, funciona em uma região muito carente no que diz respeito à acessibilidade ao lazer e aos espaços culturais, sendo, na maioria dos casos, o espaço escolar o único local de expressão cultural a que as crianças e jovens da região têm acesso.

           Foi por entender que a leitura proporciona ao indivíduo espaço para criar e desenvolver seus objetivos, que as Faculdades Integradas Campo-Grandenses (FEUC/ FIC) escolheram a comunidade escolar de Guaratiba para o desenvolvimento do projeto PAA, como forma de proporcionar aos discentes da escola mais uma oportunidade de lidar com as manifestações culturais de seu país através do trabalho com o texto literário, assim como, desenvolver nos colegiais o amor pelo ato de ler. Assim, consta como uma das principais ações práticas do projeto, oferecer aos alunos e alunas do referido colégio oficinas de leituras voltadas para o viés lúdico do texto literário. Tais oficinas visam ao desenvolvimento da imaginação criativa dos leitores e à expressão de uma leitura voltada para o prazer, para a imaginação e para a criação a partir do que foi lido e apreendido. Além disso, outro propósito importante é melhorar a proficiência leitora dos aprendizes e produzir material que desperte a atenção dos componentes da comunidade escolar e adjacências para a importância do produto final das gravações e atividades de leitura. As vozes eternizadas em cd’s de áudio que serão utilizados para oferecer as pessoas com deficiência visual mais oportunidades de contato com a literatura são um meio de despertar a atenção dos discentes para a importância de tornar a leitura acessível a quem não pode ler por algum tipo de deficiência visual e/ou analfabetismo.

           A proposta de criar um material de leitura inclusiva que proporcionasse aos deficientes visuais o acesso a obras literárias de qualidade e bem reproduzidas já era uma ideia antiga das FIC, que começou a ser desenvolvida através do NEL – Núcleo de Estudos da Linguagem Poeta Primitivo Paes –, juntamente com o apoio de alunos voluntários que faziam as leituras para a gravação do cd de áudio. O motivo primordial para tal ação era tornar as obras literárias mais acessíveis a um aluno da Instituição que era portador de deficiência visual. A escolha de produzir um material de áudio e não em braille, é uma proposta de inclusão social para pessoas cegas ou com baixa visão que vem da consciência da dificuldade pela qual essas pessoas passam para ter acesso a leitura literária e informativa, já que o braille ainda não é acessível a todos que precisam. Muitos deficientes visuais ainda não são alfabetizados nesse sistema de escrita que lhes é particular e, além disso, o material é de alto custo e de difícil locomoção, uma vez que um livro transcrito em braille toma proporções bem maiores do que um livro normal.

           A partir dessa iniciativa da Instituição foi gerado um cd contendo obras do Poeta Primitivo Paes e de Fernando Pessoa. A proposta de gravação em áudio de textos literários foi apresentada e aceita pela CAPES para ser desenvolvida no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), que propõe a inserção dos futuros professores de Letras no contexto da escola pública.

           Dessa maneira, o projeto Produção de Acervo de Áudio (PIBID/ PAA), mostra-se como uma extensão da formação profissional dos licenciandos em Letras, permitindo-os vivenciar a realidade da escola pública brasileira e lidar com a necessidade especial dos indivíduos, oferecendo-lhes maiores oportunidades de acesso à cultura e ao conhecimento. O grupo PIBID/ PAA/ FIC/ FEUC é composto por vinte e cinco alunos das Licenciaturas em Letras das FIC/ FEUC, que atuam diretamente com a realização de pesquisas voltadas para área de letramento literário e produção de acervos em áudio. Os resultados das pesquisas são aplicados nas oficinas de leitura e gravação de áudios. Dois professores da faculdade atuam como coordenadores de área do projeto – Professora Arlene da Fonseca Figueira e Professor Erivelto da Silva Reis – e cinco professoras da Escola Municipal Euclides da Cunha colaboram como supervisoras das oficinas, prestando apoio aos bolsistas e aos alunos e alunas da escola supracitada.

Grupo PIBID/ PAA em Seminário PIBID/ UFRRJ

Grupo PIBID/ PAA no I Seminário Institucional PIBID – FEUC

LEITURA DE APOIO: http://feucnel.blogspot.com.br/

Uma ideia sobre “PRODUÇÃO DE ACERVO DE ÁUDIO: LETRAMENTO LITERÁRIO ESCOLAR E INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

  1. Érika David Suzuki Bueno

    Faço parte da equipe pedagógica de uma unidade escolar, a E. E. Profa. Inah de Mello, no município de Santo André, região do Grande ABC, em São Paulo. Somos pólo em atendimento a deficientes visuais, com uma sala de recursos e duas especialistas. Sei, desta forma, como é importante este olhar agregador e inclusivo para com esta demanda que lê e sente o mundo com o toque e/ou pela audição. A iniciativa do projeto que apresentam é um grande diferencial na sociedade que se desenha atualmente, preocupada em inserir os deficientes de forma que seus direitos e deveres tenham o mesmo papel dos demais cidadãos, assim como as oportunidades de inserção social variada e diversificada. Parabéns pela ideia e não esqueçam de socializar as produções realizadas e seus resultados.
    Um grande abraço.
    Érika Suzuki

    Responder

Deixe uma resposta para Érika David Suzuki Bueno Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *