Arquivo do autor:Fundação Dorina Nowill

HISTÓRIAS DE INCLUSÃO SE ENCONTRAM NA 45ª FEIRA DO LIVRO DE SANTA MARIA

Seja em um filme, nas poucas linhas de um blog, jornal, revista ou mesmo ao longo das páginas de um livro, encontramos recortes narrativos da vida de alguém, de um certo episódio ou evento histórico, visando o que há de mais importante a ser dito.

No caso deste texto, por exemplo, poderíamos dizer que o encontro das histórias do pedagogo com deficiência visual total, Cristian Sehnem, 42, e da Fundação Dorina Nowill para Cegos começou na ação da Rede de Leitura Inclusiva realizada no dia 8 de maio, com o apoio do Grupo de Leitura Inclusiva RS/Centro, durante a 45ª Feira do Livro de Santa Maria. A verdade, porém, é que uma história passou a fazer parte da outra ainda em 2001, quando Sehnem começou a trabalhar na Biblioteca Central da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), cidade onde residia na época.

“Eu era responsável pelo acervo acessível, grande parte fornecido pela Fundação Dorina. Foi quando passei a conhecer e me aprofundar na leitura inclusiva”, lembra o educador. Em 2015, já atuando no Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Sehnem participou de um seminário na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), durante o qual foi integrado a Rede de Leitura da Fundação Dorina e ajudou a articular o Grupo de Leitura na região de Santa Maria. “Desde então, fazemos pelo menos dois eventos de leitura inclusiva por ano aqui e, com ações como a realizada na Feira do Livro, a ideia é mostrar que a limitação não está nas pessoas com deficiências como a visual, mas, sim, no meio social”, explica o pedagogo.Descrição de imagem: Foto de uma mesa com dois livros infantis em tinta-braile. O livro no centro da mesa tem o desenho de um menino com boné e o título, em amarelo: "O grande dia”. À direita, está o livro “Cavalinho de Balanço”, que tem fundo azul e a ilustração de duas crianças em um cavalo de madeira. Na mesa, há ainda uma máquina Braille, duas lupas e uma prancheta com uma folha em branco, em cima da qual há uma reglete e uma punção.

A ação na Feira incluiu uma série de atividades, como contação de histórias em formato acessível para crianças da Rede Municipal, uma exposição de equipamentos e materiais para acessibilidade (máquina Braille, lupa, sorobã, notebook com softwares para escrita e leitura, entre outros) e uma roda de conversa entre leitores com deficiência visual.

Escrevendo a própria história

Não existem leitores sem escritores. Por sorte, existem pessoas como a também educadora Maria Esther Gomes de Souza, 45, que não deixa o mundo ficar sem boas histórias, incluindo a dela própria. Parceira do Grupo de Leitura na Secretaria Estadual de Educação, Maria é escritora e tem deficiência auditiva adquirida (surdez parcial).

Em 1991, ela formou-se em Magistério de 1º a 5º ano e em Educação Especial em 1997. Desde então, trabalhou sempre com essa especialização na Rede Pública e em abrigo de menores. Também foi voluntária na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) por 20 anos. Só que, ao optar por esse caminho profissional, não havia adquirido a surdez. “Sempre gostei de interagir com surdos e tenho um primo na mesma condição que, na época, me motivou a procurar a formação. Quem diria!”, declara. Maria é autora de três livros: um sobre Educação Especial, outro de poesias e crônicas e de uma novela – um quarto está em produção.

Para a escritora, ações como a da Feira representam uma oportunidade única. “Podemos trocar experiências e, acima de tudo, falar por nós mesmos, em vez de sermos representados por quem desconhece nossa realidade”, afirma Maria.

Descrição de imagem: Dois homens utilizam o DDReader em um aparelho celular. Os dois estão sentados um ao lado do outro.

OS LIVROS NÃO INCLUEM O MUNDO, QUEM INCLUI O MUNDO E OS LIVROS SÃO AS PESSOAS

Essa adaptação da famosa máxima do poeta Mário Quintana bem poderia ser de autoria da pedagoga Milena Bertoni Romera, 40, levando-se em conta o sentido que o termo “inclusão” possui para a educadora. Há 13 anos, Milena presta atendimento pedagógico especializado a crianças e adolescentes com deficiência visual associada ou não a outras deficiências, no Centro de Reabilitação Visual (CRV) de São José do Rio Preto, preparando os alunos para frequentar uma escola regular.

“Existem escolas que acreditam que inclusão se resume a aprender a ler e a escrever, mas esquecem de estimular a autonomia e as relações interpessoais”, afirma a pedagoga. Milena já é parceira anual da Rede de Leitura da Fundação Dorina Nowill para Cegos e apoiou a oficina A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy, realizada na sede do CRV em 25 de maio. Ela acredita que programas como o DDReader, desenvolvido pela Fundação Dorina e apresentado na oficina, representam, justamente, o respeito à adversidade. “Ainda que o Braille seja indispensável para a alfabetização de crianças com deficiência visual, existe aquele público que perdeu a visão total ou parcialmente ao longo da vida e que precisa de formas alternativas de acesso à leitura. Além disso, comercialmente falando e também pensando no contexto universitário, o livro digital ou mesmo o audiolivro é mais viável do que o Braille”, explica.

Descrição de imagem: Milena está ao lado de dois rapazes. Eles estão em pé. Milena segura um microfone, enquanto o vocalista da banda A Visão do Coração aponta um celular para um livro. O terceiro rapaz segura o livro abaixo do celular. Ao fundo, estão diversos armários de parede.Adversidade também é uma palavra comum ao cotidiano da pedagoga Sirlei Maria Montes, 52. Ao contrário de Milena, porém, Sirlei é uma pessoa com deficiência visual total, em decorrência de um descolamento de retina, aos 14 anos de idade. Inspirada pela educadora Tânia Resende, resolveu dedicar a vida a ensinar pessoas em condição visual idêntica ou semelhante. Há 22 anos, ela atua tanto na rede estadual, prestando atendimento a crianças e jovens com deficiência visual em uma sala de recursos (atividade complementar ao ensino regular), quanto em âmbito acadêmico, lecionando pedagogia em duas faculdades.

Enquanto educadora, Sirlei trabalha com múltiplas ferramentas para ajudar o aluno e desempenhar sua função com maior praticidade. Além do Braille, a pedagoga instrui os estudantes no uso do sorobã, um tipo de ábaco muito útil a pessoas com deficiência visual para cálculos matemáticos, e recorre ao computador tanto no caso de crianças ou jovens com baixa visão como para fazer anotações. Após interagir com o DDReader durante a oficina, Sirlei destaca que o programa é mais um agregador de possibilidades, já que contempla o público cego e com baixa visão simultaneamente. “Ser uma professora com deficiência visual é um desafio constante, porque o preconceito social ainda é grande e, a todo o instante, você tem que provar sua capacidade. Todo ser humano tem potencialidades e limitações e só precisa de um investimento nas suas competências.”, declara a educadora.

Uma história real

Descrição de imagem: Cinco homens estão sentados em semicírculo e tocam diferentes instrumentos. Na ponta esquerda, um rapaz toca um surdo, seguido por um senhor que toca um tantan; ao lado dele, está um homem tocando pandeiro; no centro, está o vocalista, que toca um ganzá e segura um tamborim; e ao lado dele está outro cantor tocando guitarra. Ao fundo, há uma caixa de som.

Além de contemplar a diversidade, as tecnologias também inspiram pessoas a apresentar novas ideias, inclusive em prol da leitura acessível, e foi o que aconteceu durante a oficina. Trata-se de uma iniciativa conjunta do músico com deficiência visual Rodrigo Rocha, do químico ambiental Gustavo Prione e do primo deste, o analista de sistemas Hugo Prione.

Tudo começou com Rodrigo. Ele é membro do grupo musical de Samba Rock “A Visão do Coração”, que abriu a oficina com uma apresentação. Rodrigo tem um filho pequeno. Certo dia, Gustavo, amigo de Rodrigo, foi visitá-lo e presenciou o rapaz contando uma história para a criança, ao mesmo tempo que, de vez em quando, virava uma das páginas de um livro infantil. Descobriu, então, que o amigo inventava a história para o garoto, fingindo que a lia.

Hoje, porém, Rodrigo pode realmente ler a história do livro para o filho, graças ao projeto BRCode – assim batizado pelo trio em homenagem ao sistema Braille. Trata-se de uma plataforma para celular que opera a partir de um QRCode, que pode ser inserido em um espaço com cerca de um centímetro da página de um livro. Basta tocar a tela do aparelho no QRCode e o conteúdo da página em questão será lido pelo dispositivo para a pessoa com deficiência visual.

“A ideia é que o sistema permita o consumo de um mesmo produto tanto por pessoas videntes quanto pelo público com deficiência visual, além de não onerar tanto as editoras em termos de custos”, explica Gustavo. Atualmente, o trio está em busca de parcerias para aprimorar e, eventualmente, lançar a plataforma em caráter oficial.

Lembramos que os 12 títulos em formato acessível Daisy que compõem o kit apresentado na oficina, pelo projeto Leitura Digital Acessível, estão disponíveis no portal de livros da Fundação Dorina, o Dorinateca, voltado a pessoas com deficiência visual e a escolas, bibliotecas e associações. Se corresponde a esse perfil e ainda não se cadastrou, crie sua conta e aproveite a magia da leitura!

ATIVIDADES SENSORIAIS APROXIMAM ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL DO UNIVERSO LITERÁRIO

A literatura vai muito além das páginas de um livro. Ela afeta a mente e o espírito, estimula os sentidos e se molda a diferentes formatos e linguagens.

Foi a partir dessa percepção que a equipe da Rede de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos, com o apoio do SENAC Tiradentes, SENAC ACLIMAÇÃO e Museu de Arte Sacra organizaram, no dia 27 de abril, um encontro com atividades sensoriais para alunos com deficiência visual do Colégio Vicentino Padre Chico. Promovido como parte da Semana SENAC de Leitura – uma ação desenvolvida em todas as unidades do SENAC do Estado de São Paulo e que, este ano, adotou como temática “Livros que viraram filmes” -, o encontro teve como foco o livro Capitães de Areia, publicado por Jorge Amado em 1939, e adaptado para o cinema pela neta, Cecília Amado, em 2011.

Com essa proposta, a visita dos alunos começou com uma roda de conversa dedicada à obra de Amado. Em seguida, os estudantes foram conduzidos a uma sala com cerca de cinco metros quadrados, na qual um dos cenários do filme foi reconstruído para que os jovens com deficiência visual o explorassem com os demais sentidos.

“Os alunos com algum resquício visual vendaram os olhos.”, explica a pedagoga e bibliotecária do SENAC Tiradentes, Adriana Rafael Pinto. Para a educadora, a parceria com a Fundação Dorina não é novidade, estando à frente de atividades anuais de inclusão entre as instituições desde 2015. “Eles cheiraram o perfume das rosas, tocaram composições de renda em alusão à saia típica das baianas e sentiram um chão de palha debaixo dos pés.”, conta Adriana.

Para um dos estudantes do Colégio Vicentino Padre Chico, a experiência foi uma grande aventura. “A sala tinha tantos cheiros, sons e coisas pra tocar… Nunca tinha entrado em um lugar assim. Fui percebendo que tudo naquela sala fazia parte da história Capitães de Areia.”, relata.

Além da visão

A experiência dos alunos, porém, não terminou aí. Eles também visitaram o Museu de Arte Sacra, que abriga objetos religiosos de valor estético e histórico. Educador no museu há nove anos, Anderson Shimamoto foi um dos profissionais responsáveis por receber e guiar os estudantes durante o passeio. Como o acervo, que inclui pinturas, prataria e ornamentos diversos, não pode ser tocado em prol da preservação dos materiais, Shimamoto e os demais educadores descreveram as peças para os visitantes, além de situar cada uma historicamente. Não foi tudo, porém. “O museu possui maquetes e réplicas táteis de algumas peças e os alunos também puderam interagir com elas. Todos têm direito a uma experiência plena a partir das suas capacidades, é só uma questão de adaptar a proposta.”, declara Shimamoto.

Descrição de imagem: Foto de três participantes da oficina, um homem e duas mulheres, sentados em volta de uma mesa redonda acessando o Daisy no computador. Nayara está à esquerda. Ela é negra, tem cabelo liso e preto na altura dos ombros. Usa uma camisa branca, blayzer vermelho e calça jeans.

“Não sabia que existia uma lei me dando o direito de receber livros das editoras em formato acessível”

A frase é de Nayara Dionysio, 23, acerca do Estatuto da Pessoa com Deficiência, que entrou em vigor no começo de 2016. Nayara tem baixa visão e soube que contava com esse direito durante a oficina A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy, promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, no dia 18 de maio, na Secretaria de Educação de Araraquara.

A jovem é estudante de psicologia e estagiária no Núcleo de Atendimento a Pessoas Especiais (NAPE), em Botucatu. Ela explica que, em seu campo de atuação, é necessário ler muito e, por quase não encontrar livros de psicologia em fonte ampliada, teve de forçar a vista durante o curso. “Nasci com toxoplasmose congênita e, clinicamente falando, tenho 15% de resíduo visual em cada olho, mas, por sorte, sempre estimulei bastante esse resíduo desde a infância”, conta Nayara. Durante a oficina, a estudante testou pelo celular o aplicativo de leitura criado pela Fundação Dorina para o formato Daisy, o DDReader, e apreciou os recursos de contraste da letra e ampliação da tela oferecidos pelo programa.Descrição de imagem: Foto de Maria Helena, fundadora da Para-DV, em uma sala. Ela está em pé, atrás de uma mesa com artigos de escritório. Maria Helena é branca, tem cabelos curtos e castanhos. Usa óculos de grau e brincos pequenos, camisa azul e calça jeans.

Desta vez, a oficina contou com a parceria da Associação para o Apoio e a Integração do Deficiente Visual (Para-DV). Maria Helena, 61, é pedagoga e coordenadora administrativa da associação e atuou à frente dessa parceria, que, na verdade, representa só a página mais recente da história que a educadora tem com a Fundação Dorina.

Tudo começou com seu filho Alex, que nasceu com deficiência visual total. Na época, Maria residia na capital paulista e, após o filho completar dois anos, passou a levá-lo à Fundação Dorina para que ele se desenvolvesse apesar da cegueira. Quando Alex completou quatro anos, porém, mudaram-se para Araraquara e enfrentaram todo o despreparo que ainda existia para a inclusão de uma pessoa com deficiência visual, do ambiente escolar a tantos outros. “Foi bem difícil, mas nos adaptamos e, em setembro de 1995, com o apoio de pais, amigos e profissionais dedicados à pessoa com deficiência visual, fundamos a Para-DV”, relata Maria. Hoje, Alex, que também esteve presente à oficina, tem 27 anos, é paratleta de natação – competindo, inclusive, no exterior – e professor de Educação Física na Para-DV.

Enquanto pedagoga e mãe que acompanhou de perto a formação do filho com deficiência visual por meio dos recursos disponíveis na infância do garoto, Maria vê no DDReader um grande aliado no processo de alfabetização, complementando o que já é ensinado com o sistema Braille. “Com a possibilidade de inserção da leitura em voz humana junto ao texto acessível, fica mais fácil trabalhar os sons das letras com as crianças de um jeito interativo”, explica a educadora.Descrição de imagem: Foto de uma sala com aproximadamente dez pessoas. Todas estão sentadas em cadeiras espalhadas no espaço e utilizam o Daisy pelo celular.

Acesso à leitura

Além do direito de solicitar livros em formato acessível às editoras, como prevê a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), as pessoas com deficiência visual podem contar com projetos como o Leitura Digital Acessível para o acesso à novos títulos. A iniciativa prevê a entrega de kits com 12 títulos a mil instituições do estado de São Paulo – entre escolas, bibliotecas e associações. A boa notícia é que os 12 títulos já estão disponíveis, na íntegra, no portal de livros da Fundação Dorina, o Dorinateca. Trata-se de um espaço voltado exclusivamente a pessoas com deficiência visual e a instituições como as contempladas pelo projeto. Se corresponde ao perfil e ainda não tem seu cadastro, crie uma conta e aproveite a leitura!

Descrição de imagem: Foto de uma sala ampla com grupos de cinco pessoas separados em cinco rodas. Elas conversam entre si e algumas fazem anotações. Ao fundo, há uma parede verde com uma televisão, que mostra um slide branco com uma faixa azul, na qual se lê, em letras brancas: “Rede Nacional de Leitura Inclusiva”.

FORMATO DE LEITURA ACESSÍVEL INSPIRA PROFESSOR DE MÚSICA

“O Braille ainda é um sistema de escrita e leitura tátil indispensável à alfabetização das crianças cegas, mas o livro digital representa um grande avanço às pessoas com deficiência visual”. É este o parecer da diretora da Associação dos Deficientes Visuais de Ribeirão Preto e Região (ADEVIRP), Marlene Cintra, acerca do programa de leitura acessível DDReader, desenvolvido e apresentado pela Fundação Dorina na oficina A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy, sediada pela própria ADEVIRP no dia 19 de abril.

Cega desde o berço, Marlene nasceu em um sítio do município paulista de Pedregulho, em 1958. Quando a menina tinha nove anos de idade, os pais mudaram-se com ela e com as duas irmãs caçulas, também cegas, para a cidade de Franca, pois ouviram falar que lá as filhas poderiam aprender a ler e a escrever. Foi assim que Marlene se alfabetizou no sistema Braille e acabou se tornando educadora de crianças cegas.

Ela conta que, em 1980, enquanto lecionava e cursava psicologia em Lorena, no Vale do Paraíba, frequentava esporadicamente a Fundação Dorina, inclusive para adquirir materiais pedagógicos, e se encontrava com a sua fundadora. “Sempre admirei a dona Dorina. Na época, eu era jovem e achava ela um pouco rígida, mas depois que fundei e assumi a ADEVIRP, em 1998, percebi que foi graças àquele pulso firme e àquela determinação que a Fundação chegou aonde chegou e eventos como essa oficina são um reflexo disso”, declara Marlene.Descrição de imagem: Foto de Marlene Cintra, da Adevirp, em frente a uma parede verde com uma televisão desligada. Marlene está em pé e fala em um microfone. Ela usa camisa de manga longa azul com o logo da Adevirp. Ao fundo, há uma mesa com uma caixa pequena, que contém os livros digitais em Daisy do projeto Leitura Digital Acessível.

As possibilidades da leitura digital também empolgam o professor da ADEVIRP Alexandre Mazzer, 33. Graduado em música pela Universidade de São Paulo (USP), Mazzer teve estimulada a vocação para os ritmos desde pequeno. Segundo ele, os pais adoravam música e seu passatempo era com instrumentos de brinquedo. “Quando tinha oito ou nove anos, frequentava a igreja com minha avó e gostava de ouvir o coral”, lembra o professor.

Para Mazzer, ensinar música a pessoas com deficiência visual é uma constante troca de conhecimentos. “Ensino e aprendo com eles ao mesmo tempo. Acompanhar a evolução do aluno é algo que salário algum pode pagar”, afirma o docente. Além de elogiar o material de música do projeto Coleção Regionais, o professor observou o potencial lúdico do formato Daisy para suas aulas: “Gravo trechos das músicas para os alunos estudarem, mas o Daisy permite a criação de um material bem mais interativo, já que podemos combinar texto acessível com música em um mesmo ambiente”, explica Mazzzer.

Além da oficina

A você que é uma pessoa com deficiência visual ou instituição que promove o acesso gratuito desta à leitura – escola, biblioteca, associação etc – e não pôde acompanhar uma das oficinas do projeto Leitura Digital Acessível, temos uma boa notícia! Os 12 títulos do kit destinado a mil instituições do estado de São Paulo, todos no formato Daisy, estão disponíveis no portal de livros da Fundação Dorina, o Dorinateca. Então, se você faz parte desses grupos e ainda não tem seu cadastro, crie uma conta e boa leitura!

Descrição de imagem: Cerca de 15 pessoas estão sentadas no auditório da Secretaria da Pessoa com Deficiência. Célia, da Rede de Leitura Inclusiva, está à frente da plateia. Atrás dela, está um slide com o cabeçalho azul e fundo branco, apresentando os sites da Fundação Dorina, Dorinateca, Rede de Leitura Inclusiva, Trocando Saberes, Portal do livro Acessível e Guia de Mediação de Leitura Acessível e Inclusão.

OFICINA DE LEITURA INCLUSIVA É RECEBIDA COM ENTUSIASMO EM CAMPINAS

Educadores, bibliotecários e pessoas com deficiência visual preencheram o auditório da Secretaria da Pessoa com Deficiência, no último dia 13 de abril, para compartilhar informações e aprendizados sobre leitura e acessibilidade.

Promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, a oficina “A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy” contou com uma sensibilização para a temática do acesso à leitura e com uma apresentação do programa desenvolvido pela Fundação Dorina para viabilizar a leitura acessível a pessoas com deficiência visual, o DDReader.Descrição de imagem: Cerca de 15 pessoas estão sentadas no auditório da Secretaria da Pessoa com Deficiência. Célia, da Rede de Leitura Inclusiva, está à frente, caminhando entre os participantes. Atrás dela, está um slide com a imagem da tela “Minha Biblioteca” do DDReader – nas cores preto e amarelo.

“A maioria das pessoas não conhecia o programa, mas se entusiasmou com recursos que ele oferece, como a opção de ouvir o texto escrito gravado em voz humana, de marcar o ponto de leitura e da busca por palavras”, afirma Luiz Antonio Rodrigues, uma pessoa com deficiência visual e coordenador da Secretaria da Pessoa com Deficiência – que sediou a ação.

Elizabeth Barboza Fontanini também foi uma das participantes da oficina. Professora de Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de Campinas e profissional do Centro de Produção de Materiais Adaptados (CEPROMAD), que adequa materiais escolares para alunos com diferentes deficiências, Fontanini afirma que está ansiosa para poder levar o conhecimento adquirido ao seu encontro mensal de professores. “Recebemos materiais acessíveis da Fundação no CEPROMAD em diferentes formatos, incluindo CD’s, e eles são ricos em detalhes, abordando temas como música, culinária e regionalismo brasileiro”, relembra.

O projeto

Livros acessíveis, como os citados por Elizabeth, fazem parte do kit do Projeto Leitura Digital Acessível. Cada kit possui 12 títulos, que, em breve, estarão disponíveis no portal Dorinateca, um serviço da Fundação Dorina voltado apenas a pessoas com deficiência visual e a instituições vinculadas a elas e à leitura – como bibliotecas e escolas. Se atende ao perfil e ainda não tem seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se já!

Descrição de imagem: Foto de cinco pessoas em pé. Elas estão em roda. Entre elas, à esquerda, há um homem lendo um livro em braile.

OFICINA DE LEITURA INCLUSIVA PROMOVE TROCA DE CONHECIMENTOS ENTRE DIFERENTES PÚBLICOS EM PRESIDENTE PRUDENTE

No dia 4 de abril, o Centro Cultural Matarazzo recebeu a oficina “A Leitura Inclusiva e o Livro Digital Acessível Daisy”, na cidade de Presidente Prudente. O evento promovido pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, com apoio da Secretaria de Cultura de Presidente Prudente foi aberto a alunos, educadores e representantes de órgãos e escolas municipais.

Mantendo o objetivo de fomentar a discussão sobre o acesso a livros acessíveis, a oficina foi dividida em dois momentos. Inicialmente, representantes da Fundação Dorina conduziram uma roda de conversa acerca do tema e, posteriormente, apresentaram o formato de leitura digital acessível Daisy.Descrição de imagem: Foto de 10 pessoas em pé, homens e mulheres, posando para uma foto. Eles estão atrás de uma mesa com livros e audiolivros do projeto Leitura Digital Acessível.

Para a coordenadora da Biblioteca Municipal de Presidente Prudente, Sonia Aparecida Costa Vilela, o encontro trouxe muito aprendizado e novas perspectivas para a leitura acessível. “A vivência e a troca de experiências que acontece durante a oficina é muito importante para o nosso crescimento enquanto instituição e para o aprimoramento do nosso atendimento aos diferentes públicos”, afirma Sonia.

Ampliando conhecimentos

As representantes da Fundação Dorina Nowill para Cegos também visitaram a Associação Filantrópica de Proteção aos Cegos. Durante o encontro, elas falaram sobre os serviços prestados pela Fundação Dorina, bem como pela Rede de Leitura, e conheceram a biblioteca e as demais dependências da Associação. Segundo a Assistente Social Camila Fernandes Goes, a visita representou uma grande realização. “A Associação é bem pequena e a maior parte do nosso acervo é de livros da Fundação Dorina”, conta ela.Descrição de imagem: Célia posa para foto ao lado de três integrantes da associação. Ao fundo há uma estante com livros.

Vale lembrar que o projeto Leitura Digital Acessível contempla a distribuição de kits de leitura com 12 livros acessíveis, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira.

Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

Descrição de imagem: Angelita apresenta um livro em braile à quatro participantes da oficina, que estão em pé em uma roda. No chão, há uma toalha preta com diversos livros dispostos e o calendário acessível 2018 da Fundação Dorina.

OFICINA DE LEITURA INCLUSIVA CHEGA A SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

No dia 22 de março, foi a vez da cidade de São José dos Campos receber a oficina “A leitura inclusiva e o livro digital Daisy”. Alunos, educadores, terapeutas ocupacionais e psicólogos de órgãos e escolas municipais participaram do evento na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo, que contou, no período da manhã,  com uma sensibilização sobre os desafios de acesso de pessoas com deficiência visual a livros acessíveis e, no período da tarde, com uma apresentação sobre o formato de leitura digital Daisy.

Para a professora e representante da Biblioteca Cassiano Ricardo, Flavia Mara, participar da oficina permitiu a ela refletir sobre questões pertinentes à acessibilidade e sobre o seu papel como educadora. “Acredito que a oficina é de grande relevância, considerando a importância de momentos e espaços de reflexão acerca de temas tão atuais e necessários, como a leitura inclusiva e as novas tecnologias que permitem o acesso de pessoas com deficiência visual ao conhecimento com autonomia”, opina Flavia.

Já segundo Luís Gonzaga, que chegou a atuar como professor de leitura e escrita pelo Sistema Braille na Biblioteca Cassiano Ricardo e participou da oficina como cursista, o evento ajuda a difundir a leitura inclusiva. Sendo uma pessoa com deficiência visual total, ele relembra a aquisição da Fundação Dorina de uma das primeiras Imprensas Braille no país, em 1948, pela presidente emérita e vitalícia da organização. “Tive o prazer de conhecer dona Dorina pessoalmente e, interagindo com essa ferramenta de leitura digital, sinto que os avanços estão à altura do seu legado”, declara Gonzaga.

Descrição de imagem: Diversas pessoas estão sentadas em roda. No centro, há uma toalha preta estendida no chão com diversos livros dispostos.

Leitura Digital Acessível

As oficinas ministradas pela equipe da Rede de Leitura Inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos são parte do projeto Leitura Digital Acessível, que contou em São José dos Campos com a parceria da Biblioteca Pública Cassiano Ricardo.

O projeto prevê ainda a distribuição de kits de leitura com 12 livros acessíveis, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira.

Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

Descrição de imagem: Cerca de trinta pessoas sentadas em roda em uma sala ampla. À frente uma mesa com kits de audiolivros do projeto Leitura Digital Acessível.

Santos recebe oficina de leitura inclusiva

Santos foi a primeira cidade do estado de São Paulo – das 10 selecionadas – a receber a oficina “A leitura inclusiva e o livro digital Daisy”. O evento ocorreu no último dia 14 de março de 2018, no Centro de Atividades Integradas (Cais) Milton Teixeira (Vila Mathias). Promovido pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e pela Fundação Dorina Nowill para Cegos, o projeto Leitura Digital Acessível contou com o apoio da Coordenadoria de Defesa das Políticas para Pessoas com Deficiência da Prefeitura Municipal de Santos.

Alunos, educadores, terapeutas ocupacionais e psicólogos de órgãos e escolas municipais aprenderam mais sobre os recursos do formato de leitura digital Daisy, que contempla, além do texto escrito, gravação em voz humana e audiodescrição (tradução de imagens em palavras), entre outros recursos, como opções de contraste, ampliação da tela, anotações no texto e busca de palavras específicas.

Descrição de imagem: Foto de 29 pessoas em uma sala. Algumas seguram kits de audiolivro do projeto, outros estão com bengalas e uma moça está sentada em uma cadeira de rodas. Ao fundo um slide com fundo branco escrito em letras pretas "Projeto Leitura Digital Acessível" no centro.

Para o coordenador de Políticas para a Pessoa com Deficiência de Santos, Daniel de Morais Monteiro, a oficina representou um ponto de partida para a valorização das políticas de acessibilidade comunicacional às pessoas com deficiência na cidade de Santos. “Esta oficina e a Rede de Leitura Inclusiva pavimentam o caminho para fortalecer a educação, a cultura e o acesso de cidadãos com dificuldades de leitura ao conhecimento e a melhor qualidade de vida a partir da instrução adquirida”, declara Monteiro.

Além das oficinas, as 10 cidades selecionadas pelo projeto receberão mil kits de leitura. Cada kit possui 12 livros, incluindo clássicos e best-sellers, literatura nacional e estrangeira.

Outra boa notícia é que a biblioteca digital gratuita da Fundação Dorina, a Dorinateca, portal voltado apenas a pessoas com deficiência visual, incluirá, em breve, o material do kit em seu acervo! Caso tenha um cadastro no portal, portanto, acompanhe a seção Recentes. Já se for uma pessoa com deficiência visual e ainda não tiver seu cadastro, não perca tempo e inscreva-se pelo link!

Descrição de imagem: Foto das integrantes do grupo Encantados ao lado dos parceiros da Rede de Leitura Inclusiva. Todos estão em pé e sorrindo. Em frente ao grupo há uma mulher segurando um estandarte vermelho com a inscrição "Boi Encantado" com retalhos de pano coloridos.

TUBARÃO RECEBE SEMINÁRIO SOBRE CULTURA E ACESSIBILIDADE

O grupo Encantados Contadores de Histórias, juntamente com o Colegiado de Gestores de Cultura e Turismo da AMUREL – Associação de Municípios da Região de Laguna – e com a Rede Leitura Inclusiva realizou, na sede da AMUREL, na tarde do dia 22/03/2018, o Seminário Cultura e Acessibilidade. Além de propiciar um debate sobre os requisitos de acessibilidade em produtos e ações culturais inclusivas para pessoas com deficiência visual, o evento também apresentou exemplos de instituições que fazem parte da Rede de Leitura Inclusiva em âmbito regional e nacional e promoveu o lançamento do CD do espetáculo teatral Boi Encantado – Uma história cantada, com audiodescrição. O lançamento do CD abriu o seminário, com entrada do cortejo do espetáculo, audiodescrição ao vivo e exibição do making of.

Descrição da imagem: Foto de uma plateia assistindo a apresentação de três mulheres do grupo Encantados. A foto foi tirada de trás da plateia. No palco há uma apresentação do PowerPoint com a ilustração de um boi colorido e a frase em preto "Seminário Cultura e Acessibilidade".

Participaram da mesa de palestras a bibliotecária, educadora e Coordenadora Institucional do Programa de Promoção de Acessibilidade (PPA) da Unisul, Salete Cecília de Souza, que falou sobre ações voltadas para a inclusão de pessoas com deficiência visual e Gláucia Maindra, da Biblioteca Pública Municipal Cônego Itamar Luiz da Costa – Imbituba, SC, que abordou os desafios da acessibilidade cultural.

Gecioni Maria Miranda da Rosa e Neusa Mendes (Associação Tubaronense de Integração do Deficiente Visual – ATIDEV) falaram sobre reabilitação, inclusão e acessibilidade para deficientes visuais. Por fim, Perla Assunção, educadora da Fundação Dorina Nowill para Cegos, abordou o tema: Articulação de redes colaborativas como estratégias de disseminação de uma cultura inclusiva.

Para a educadora e produtora cultural Giselle Paes Horacio, do grupo Encantados, o evento permitiu que as vozes das pessoas com deficiência visual, no que diz respeito ao acesso à informação e à cultura, fossem de fato ouvidas. “Elas mesmas falaram das suas necessidades, não foram só pessoas videntes falando em nome de pessoas cegas ou com baixa visão”, afirma Giselle.

Confira aqui, na íntegra, o CD Boi Encantado – Uma história cantada, disponibilizado no Youtube pelo grupo Encantados. O making of também está disponível.